Filmes/Séries Outros

Resenha e crítica| La La Land – Cantando Estações

31.01.17
Resenha crítica - Musical La La Land. Entenda porquê foi um sucesso e um marco no cinema.      O musical foi a grande estrela do Globo de Ouro, ganhador de mais de 7 prêmios como “Melhor atriz”, “Melhor Ator”, “Melhor Diretor” e “Melhor Filme” Estamos vivendo hoje a ascensão de uma obra que será um clássico no futuro. Estamos vendo musicais novamente às telonas, que fazem referência à importantes filmes do gênero. Estamos percebendo um enredo aparentemente fraco, mas com questões tão sérias que são postas à tona e nos fazem refletir. Um filme que vai te fazer querer sair dançando da sala do cinema, e repensando sobre os caminhos que você anda trilhando.
Filme: La La Land - Cantando Estações
Direção: Damien Chazelle
Duração: 128 minutos
Genero: Musical
Classificacao:
Sinopse: Ao chegar em Los Angeles o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso.

Se você torce o nariz para musicais, espere mais um pouco e confira algumas informações sobre o filme La La Land e talvez, ao final, eu consiga lhe convencer a assistir. Simbora?

Um ponto que deve ser levado em consideração são os prêmios que o longa já conquistou. Ganhador de mais de 7 prêmios como “Melhor atriz”, “Melhor Ator”, “Melhor Diretor” e “Melhor Filme” foi a grande estrela do Globo de Ouro. Vocês já pensaram que estamos vivendo hoje a ascensão de um filme que se tornará um clássico no futuro? Imaginem como alguns filmes aclamados pela critica atual não foram açoitados – e continuam sendo – quando foram lançados? Pelo que andei lendo nas redes sociais, teve gente que achou o filme muito entediante e pacato, chegando até a dizer que teve que sair da sala nos primeiros 15 minutos. Eu, pessoalmente, não estou muito acostumada a assistir musicais, então no comecinho senti uma certa dificuldade em me concentrar – isso porque estou acostumada a mais diálogos e cenas do que a música propriamente dita. Mas, lá vai, se você tivesse ficado mais do 15 minutos no cinema teria percebido que ele não é apenas um cult passageiro.

Com a direção e roteiro de Damien Chazelle – que já havia estreado com “Whiplash” – o garoto prodígio nos traz um enredo raso, porém é necessários ler as entrelinhas e ir mais a fundo para perceber o que há de complexo no roteiro. De primeira já sabemos, se trata de uma história de amor. Mas mais que isso, se trata de uma história – que já foi trabalhada em “Whiplash” e que está virando um light motive do escritor – que fala sobre a colisão entre o que você espera da sua vida profissional e o que você espera da sua vida pessoal, e afinal, como é possível por em concordância aspectos tão diferentes da nossa vida. Mais até que isso, através das músicas e da conexão entre os dois personagens centrais, assim como através da mudança das estações, podemos pouco a pouco percebe o tamanho peso de nossas escolhas.

Resenha crítica - Musical La La Land. Entenda porquê foi um sucesso e um marco no cinema.

A história é uma grande ode à Los Angeles, chamada de “Cidade das Estrelas” e portanto, dos sonhos e da fama no meio artístico. É com esse clima de nostalgia e de glamour que o filme nos inclui, na primeira cena há um congestionamentos gigantesco com várias buzinas e gente estressada. Mas pouco a pouco elas começam a cantar e logo todos estão em cima de seus carros catando com muita animação – o que me fez ensaiar algumas dancinhas com os pés hehe e querendo ou não, a obra te conecta. Ainda nesse momento, nos é apresentado Mia Dolan (Emma Stone) – que trabalha como barista na Warnes Bros. e Sebastian Wilder (Ryan Gosling) que em um clima de animosidade típica do dia a dia, se encontram e não se notam. Depois o filme passa a focar cada um separado, Mia ansiosa para mais um de seus tantos testes de casting em busca do sonho de ser atriz, e Sebastian mostrando um pouco do que ele é, um pianista fracassado e amante de jazz (saudoso e protetor do jazz “antigo”) sonha em abrir um dia o seu próprio Club de Jazz.

Um ponto que me deixou apaixonada pelo filme foi a intenção de Chazelle em nos fazer relembrar outros sucessos do cinema, de uma forma em que conversa com seus anteriores – assim como Sebastian conversa com os músicos anteriores de quem ele tanto gosta. Como foi possível  não notar o recorte das roupas de Mia lembrar o de alguém notavel… Talvez Audrey Hepburn! E o que dizer do nostálgico cenário e do figurino, nos lembrando de célebres sucessos da sétima arte que vão de Ingrid Bergman a Marilyn Monroe, de Juventude transviada a Cantando na chuva. Outro ponto maravilhoso foram as coreografias de sapateado (menos pelo sapato feio de Seb, né? hehe) e a beleza e sintonia entre os dois personagens. Algo interessante notado pelo meu amigo é que podemos acompanhar a trajetória de vida de um outro casal coadjuvante – quando aparece foto dos dois e outras ligações para no final dar-se o casamento deles. Outro momento interessante é um em que eles dançam nas estrelas – uma referência a Moulin Rouge. E o que dizer quando ele deu um giro apoiado em um poste? –  Dançando na Chuva! E quando no início, Mia e as amigas se arrumavam? – olha Grease ai minha gente!

Resenha crítica - Musical La La Land. Entenda porquê foi um sucesso e um marco no cinema.      O musical foi a grande estrela do Globo de Ouro, ganhador de mais de 7 prêmios como “Melhor atriz”, “Melhor Ator”, “Melhor Diretor” e “Melhor Filme” Estamos vivendo hoje a ascensão de uma obra que será um clássico no futuro. Estamos vendo musicais novamente às telonas, que fazem referência à importantes filmes do gênero. Estamos percebendo um enredo aparentemente fraco, mas com questões tão sérias que são postas à tona e nos fazem refletir. Um filme que vai te fazer querer sair dançando da sala do cinema, e repensando sobre os caminhos que você anda trilhando.

AQUI TEM UNS SPOILERS

Agora, deixa eu desabafar? O que foi aquele final ein? Quem já assistiu pode me ajudar a consolar-me a mim mesma? Eu tô acostumada com os finzinhos da Disney e não a esse fim com gosto de remorso. Mas pensando bem, esse foi um dos pontos mais altos da obra, onde pudermos ver ao menos um pouco do que eles poderiam ter sido – assim como nós, quando tentamos imaginar como teria sido nossa vida se tivéssemos mudado de escola, namorado tal pessoa ou ter sido melhor amigo de fulano. Porque afinal, é essa a nossa vida, um emarranhado de infintas possibilidades e acontecimentos, que podem muito bem ser e não ser, e enquanto tomamos decisões e nos desviamos da rota inicial, sempre fica na nossa alma aquele gostinho de “e se…”

Em outro momento eu fiquei tentando imaginar porquê Mia parecia tão abalada com a ascenção da carreira dele se tudo o que ela e a mãe queriam era que ele tivesse um emprego fixo? E depois foi que eu entendi – depois que Seb deixou escapar – ela estava com inveja e ciúmes por ele ter finalmente chegado lá e ela não. Essa é outra reflexão para se fazer, será que estamos dispostos a engolir nosso orgulho e abnegar nossa sempre louca vontade em ser superior, e deixar que o nosso amor brilhe? Será que tem um limite que conseguimos aceitar o sucesso de quem está ao nosso lado, sem pestanejar, sem invejar? 

Também adorei as pitadas de humor – feitas pela Mia – que deixou a cena do “reencontro” mais divertida. Adorei observar as trocas das estações e a relação dos dois, como ela ia crescendo com o passar do tempo e o cair das folhas.


Será que agora eu consegui te convencer a ir assistir a La La Land? O que você achou do musical? E se tem algum amigo seu que amou manda esse post pra ele ver que ele tem todas as razões possíveis para ter amado. E se você também tem algum amigo que odiou, bem, mande esse post pra ele também – quem sabe ele não reconsidera e te chama pra assistir de novo?

Carta de Hogwarts DIY – Como Envelhecer Papel
Finalmente uma heroína para nos representar: Mulher Maravilha
Presentes de Última Hora pra Você – VOCÊ MESMO – que “Esqueceu” do Dia dos Namorados

:D :-) :( :o 8O :? 8) :lol: :x :P :oops: :cry: :evil: :twisted: :roll: :wink: :!: :?: :idea: :arrow: :| :mrgreen:
  • letras e costuras Em 31 . 01 . 2017

    só não li a parte do spoiler haha
    estou mega ansiosa p/ assistir esse filme, desse fds num espaca! e li nesse instante em algum site de fofoca que quem ia interpretar o papel da emma stone era a emma watson, mas que ela botou muita banca. fiquei passada!!!
    :***

  • Samira Em 31 . 01 . 2017

    Então Isa, na verdade foi o outro ator Miles Teller que exigiu mais de mais que o dobro do que seria oferecido. Quanto à Emma, ela estava gravando a Bela e a Fera, então pediu para que as gravações fossem em Londres, mas como não foi possível ela seguiu apenas com o filme da Disney ♥ Mas acho que ficou bem melhor com o Ryan e a Emma Stone, ela ainda é nova em Hollywood e ele é super bonitão, já tinham até atuado juntos antes, então acho que rolou uma química bacana. Já Miles eu não gosto muito, ele parece muito carrancudo sei lá hahaha acho que não daria certo como Sebastian, que tem uma certa leveza :)

  • Aline Callai Em 31 . 01 . 2017

    Então, eu não gostei quase que principalmente pelo final, esperava que eles ficassem juntos haha
    Também achei que a Mia ficou com inveja dele e não curti essa parte pois acho que ela devia tê-lo apoiado afinal era a carreira dele, né?
    Eu por não ver filmes musicais não tinha percebido todas essas referências, que bacana isso! Já comecei a ver com outros olhos haha
    Adorei o post, tá bem convincente :D
    Beijos

  • Samira Em 31 . 01 . 2017

    Então! Eu super odiei (e ate me identifiquei com ela) mas isso porquê meu namorado no futuro é bem capaz de ter um certo pretígio (médico) do que eu (professora) mas ele me apoia tanto e eu dou tanta força pra ele que acho que não vou ser como a Mia nunca hehheh. E as referências estavam um pouquinho mais escondidinhas, é normal não ter percebido, a que eu matei na hora foi a de “Cantando na Chuva” as outras eu demorei mais para pegar :) E fico feliz que tenha conseguido te convencer! heheh yey, mais um ponto pro musical!

  • Gabriela Dahmer Coitinho Em 31 . 01 . 2017

    Sami, eu já estou na expectativa que o filme venha para minha cidade, agora com sua resenha ela aumentou. Pela sua resenha pude ver um lado diferente do filme, o que me fez gostar mais, mesmo sem ter assistido ainda.

    Beijos,
    Blog Gaby DahmerFanpage

  • Samira Em 31 . 01 . 2017

    Isso é muito legal porquê ai quando for assisti já sabe para quais pontos se ater mais ♥ Depois que assistir me conta o que achou!

  • Lívia Madeira Em 31 . 01 . 2017

    eu assisti e to APAIXONADA pelo filme! já gosto de musicais e esse tem VARIAS referencias incriveis de musicais antigos, é simplesmente lindo, tomara que leve o oscar

    http://www.tofucolorido.com.br
    http://www.facebook.com/blogtofucolorido

  • Samira Em 31 . 01 . 2017

    Isso mesmo, eu coloquei apenas as mais nítidas mas tem bastante :) Também estou torcendo pelo oscar ♥

  • Paulo Faria Em 31 . 01 . 2017

    Eu vi e gostei :) não sou fã de musicais e fui um pouco reticente ao cinema. É um filme muito rico visualmente e com cenas icónicas que enaltecem a era de ouro de Hollywood. Mas a nível de roteiro achei-o básico e banal, tirando o final que achei inovador e diferenciador.

    Bitaites de um Madeirense | Facebook | Instagram

  • Samira Em 31 . 01 . 2017

    Exatamente! O filme vale mais pelo final maravilhoso e pela fotografia linda! Também por essas cenas ♥