Literatura

Resenha do livro Graça & Maldição – Os Grace são piores que os Cullen ou Graça & Decepção

23.10.17

Livro: Graça e Maldição
Série:
Autor(a): Lauren Eve
Editora: Galera Record
Genero: romance
Páginas: 348
Classificacao:
Sinopse: Um thriller que mantém a magia ambígua até a narrativa ganhar asas e levar o leitor por uma viagem intensa, estranha e envolvente
Como todos os outros na pequena cidade, River é obcecada pelos Grace. Fenrin, Thalia e Summer Grace são carismáticos, charmosos e ricos — e há boatos de que sua influência se estende aos mais altos degraus da política mundial. Se você não ama um deles, quer ser exatamente como um deles. Especialmente River, a nova aluna da escola local… Que de repente é acolhida pela família que todos reverenciam e temem em igual medida. Ela é diferente. Mas o que os Grace não sabem é que a garota não está na cidade por acaso; ela sabe exatamente o que está fazendo. Ou não?

Graça e Maldição foi a minha maior decepção literária – e sem contar com nenhuma graça nesse momento! Mas vou explicar direitinho porquê não gostei, primeiro quero deixar claro que, gosto não se discute. Talvez você leia o livro e tenha amado, ou mesmo lendo essa crítica queira ler o livro e no fim, ache sensacional; para mim ele não deu certo e eu não compraria para um amigo de presente. Mas quem sabe você não queira um desafio? hehe De qualquer forma, me conte o que achou do livro e da resenha ein?

Se tem uma coisinha que eu gostei foi da personagem principal, a River e sua narração em 1ºpessoa. Ela falou bastante sobre bullying e sobre as reais motivações dos que praticam bullying; ela se abre nesse ponto e confessa sua frustração e raiva com essas pessoas. Para mim esse foi o ponto alto da personagem, onde ela pareceu mais concreta e profunda.

A história é bem cidade-do-interior-dos-states-com-segredos-obscuros, isso as vezes me faz ter vontade de morar nesse tipo de cidade, outras, acreditar que seja apenas um misticismo que as pessoas da “cidade grande” colocam em cidade pequena. Por um momento pensei estar lendo O Canto Mais Escuro da Floresta, esse sim, um livro muito bom, mas infelizmente eu não estava. Se por um lado gostei da abordagem do bullying, por outro, achei a narração bem confusa; as frases mal construídas e, em dado momento, a autora aparece e se sobressai à narradora em 1º pessoa River; isso seria incrível, um bom mecanismo de digressão – isso se ela tivesse utilizado – mas só aparece em um momento, revelando um erro bem feio.

Toda a história se passa em volta da família dos Grace, 3 irmãos; Fenrin e Thalia gêmeos de 17 anos e Summer, a caçula de 15. Eles são famosos na escola e na cidade, sua família é extremamente rica e poderosa, e eles andam juntos e se vestem de forma única. Nessa hora eu vi bem na minha frente, a família Cullen chegando na escola, sabe aquela exata hora que a Bela vê o Edward pela janela do refeitório?

Bem, foi quase isso, só que mais boring. Na verdade, no livro todo eu senti uma conversa insistente porém chata, com Crepúsculo. Em tese, os Grace são feiticeiros – mas a autora não continuou com essa palavra até o fim e nem deixou isso claro – e no fim o leitor não entende direito o que eles são. A autora não colocou pilares fortes na base para construir o castelo da história. 

Com acontecimentos que parecem não ter muita ligação uns com os outros, eu senti uma ingenuidade no modo de narrar e em todo o enredo. Ela não sabia o que queria direito da história e no fim, quando começa a ficar legal, o leitor fica mais perdido e desanimado ainda. O fim parecia que iria ser incrível mas por algum motivo, ela quis deixar tudo acabar em paz e amor – só que sem nos fazer degustarmos desse sentimento bom. Ela poderia ter explorado mais a família de River, ter falado mais sobre ela, ter deixado bem claro quem são os Grace. Mas não, o leitor fica perdido nos acontecimentos estranhos, e, nas partes interessantes da magia, tudo é tratado com um pouco de descrença – na verdade, os Grace são um fracasso e uma descrença. Você nunca sabe se eles são feiticeiros ou charlatões e fica nessa corda bamba até a autora decidir e acabar com tudo. Ai no final, toda a expectativa principal da trama se acaba de uma hora pra outra só porque a autora achou que deveria colocar um personagem LGBT – olha, seria melhor não ter colocado porquê ficou bem falso. Toda a história do personagem não levava a isso, o jeito do personagem não dava pistas sobre isso como deveria dar. Tive a impressão que ela apenas jogou um LGBT para fazer uma média e não porquê realmente quisesse construir isso, ou seja, uma atitude bem infantil.

Não sei ao certo como encerrar esse post pois nunca tive que fazer uma resenha severa assim, um livro que eu tivesse odiado tanto. A história toda tem muito potencial de ser boa e de ter um bom enredo; mas se mostrou bem rasa e entendiante. A opinião dessa blogueira/crítica literária em formação e escritora, que vos escreve é que as editoras (TODAS) pegam um livro que vende rasoavelmente lá fora, investe um dinheiro enorme e vende aqui. Pior são as poucas pessoas, que compram apenas por ser um autor de fora. E assim também deixo meu clamor; invistam em autores brasileiros pelo amor de Deus!!! Tem muita gente boa, o Brasil é enorme, o Wattpad tá repleto de livros incríveis que tem milhares de leitores e que as editoras não publicam. A nossa literatura, a nossa imaginação, nossos escritores, ficam nas sombras enquanto autores que nunca ouvimos falar chegam até aqui e são publicados sem nenhum esforço.

Mas que tal um pouquinho de ar puro? Venha ler meu livro de graça, “Sociedade das Sereias” no Wattpad!

 

O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Jack O Estripador – Rastro de Sangue | protofeminismo na Londres Vitoriana, suspense e cadáveres

:D :-) :( :o 8O :? 8) :lol: :x :P :oops: :cry: :evil: :twisted: :roll: :wink: :!: :?: :idea: :arrow: :| :mrgreen: