Posts da categoria "Pessoal"
Em voga Pessoal Textos

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços

09.10.18

Hoje foi aquele dia úmido e fresco, que carrega no vento uma sensação de aconchego, de novo e de recomeço. Não entende? Vou te explicar como me sinto. A calçada e as ruas estão molhadas, ando sobre elas com meus coturnos pretos e o vento úmido e feroz batendo no rosto. Vez ou outra ele se ameniza e vira brisa. Vez ou outra meus pensamentos se acalmam e viram breves ideias que nunca irão se realizar. A chuva deixa cada verde da mata mais bonito. E enquanto passo por uma sebe penso em florestas e em como gostaria de estar por ai desbravando alguma, viajando pelo mundo. Também penso em como sou grata por estar aqui, nessa cidade que nem sempre me acolhe e que antes me repele, mas pela qual sinto profunda admiração.

Por cada arvore e moita que passo, observo a folha e vejo em visão macro, cada intempérie que ela passou. Há manchinhas de alguma praga de plantas, há partes mordiscadinhas, há uma parte amarronzada que estraga – enquanto outra continua verde – e há também infinitos tons de verde. Penso em como queria usar essa visão em alguma cidade do Brasil, quem sabe achar uma Imobiliária em Balneário Camboriú  e ficar por lá, desbravando um verão que nunca se acabaria. Outras vezes penso em ir mais longe, em estar em Londres, ou talvez sofrer em frente à torre Eiffel as consequências de alguma romance mal resolvido entre mim e algum francês qualquer.

Nesses dias úmidos eu encho meus pulmões de ar fresco, eu deixo que o suspiro me renove e penso com um certo pesar e um certo desanimo na minha capacidade absurda de me render à rede de pescar ao invés de continuar nadando e de nada pra baixo. Olho ao redor e nesses dias meio melancólicos e aflitos me pergunto onde no meio do caos interior, escondo minha vontade de batalhar pelos meus sonhos. Queria ter a resiliência daquela folha verde que ficou lá atras e resistir, queria não me achar caída, pisada e quase morta. Invisível a todos que passam por mim, e sem forças ou vontade para deixar o vento me levar a outro cais.

Mas logo penso diferente, logo a garoa cai novamente e vai aos poucos, ensopando minha mente, transbordando pensamentos e os lavando de todo esse pessimismo. Ao chegar em casa já reservo uma praia em Balneário Camboriú, me matriculo em um aula de francês e troco meus coturnos por xadrez. Chega de melancolia barata, querida, chega.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.
Pessoal Textos

O Cotidiano da Mulher Segura – ou “jantares sozinha” – ou “o final cíclico de um amor” – ou “a mulher que eu quero ser”

05.08.18
O Cotidiano da Mulher Segura - ou "jantares sozinha" - ou "o final cíclico de um amor" - ou "a mulher que eu quero ser" por Samira Oliveira dezoitoemponto.com @samira_omg

PRÓLOGO

É sábado e oficialmente o meu primeiro final de semana sozinha nessa cidade que nunca descansa. Logo cedo estava decidida a fazer desses dias inesquecíveis. Baseada totalmente em impulsos reais fui até uma cidade vizinha, Cotia, ter uma experiência fora do comum, um ensaio fotográfico totalmente centrado em amor próprio, conexão com a natureza e enfim, empoderamento. Senti com aquela mulher como se nós duas coexistíssemos sozinhas no universo, buscando na essência de ambas uma forma única de expressão e de sacralidade. (mas isso é história longa para outro post). À noite voltei com ela e voltei ouvindo uma belíssima história de amor – vício desses meus ouvidos ávidos por histórias sejam elas de amor ou apenas de paixão, a verdade é que amo ouvir as pessoas – confesso que pensei um pouco em alguém, lembrei de algo que não poderia jamais esquecer e por isso também fiz um texto todinho dedicado a estes pensamentos:

Então querido, cá estou eu, no exato lugar onde nos encontramos na primeira vez. A ironia dessa cena é que eu não planejava vir aqui, vim sem querer, vim por força do destino ou de qualquer outra entidade que te apeteça. Na verdade assim que soube que era pra cá que eu me encaminhava, logo de cara, nem me lembrei da sua existência – assim como tenho feito durante esses meses. Mas agora chegando aqui eu lembro de você e lembro com força. O estacionamento está lotado de gente, bem diferente daquele dia em que havia só eu, você, e um mundo em suspensão. Absorvo essa ideia, quando cheguei eu só queria tomar o Uber mais próximo e rumar pra casa, tomar um banho e me enfiar sob as cobertas, assustada com a possibilidade de lembrar mais de você. Intensidades, você dizia, eu sou feita da matéria intensidades.

Mas não, eu sou outra, tenho um cabelo curto que me renovou, estou mais vestida à unisex do que a feminina e tenho muito mais poder do que jamais tive. Então eu não vou embora, decido ficar e jantar sozinha no shopping. Isso na verdade é algo que sempre pensei ser muito romântico – sim, amor comigo mesma, afinal eu estou muito apaixonada por mim! E sempre pensei ser o ideal de mulherão. Pensava: o dia que eu for sozinha até o shopping e jantar eu vou ter finalmente me tornado a mulher que eu quero ser. Isso que me assusta em ser intensa, em ser escritora, uma simples escolha me gera e me faz parir 2 ou 3 textos, por isso também não te culpo, sei como isso te assusta – ou ao menos, te assustou. Quando saí do carro lembrava da comida mexicana que comi no dia do meu aniversário de 20 anos. Mas logo me esqueci dela, essa fluxo de consciência que me brota sempre me diz mais de mim do que eu esperava.

Entrei por fim no shopping, mochila nas costas, celular no bolso da minha mom jeans predileta, e claro, um carão digno de série americana. Inicialmente minha meta era jantar algo gostoso – mesmo tendo comida em casa eu sinto que mereço esse carinho, mesmo tentando economizar esse mês. Então vou até a praça de alimentação rumando como uma mosca hipnotizada, até o KFC, mas um “boa noite” da atendente de comida Mexicana me interrompe – destino, conexão de pensamentos ou apenas sorte, chame do que quiser. Então pego o cardápio, indecisa em comer sozinha nachos e quacamole ou tacos – apesar de querer muito burrito, eu sei que minha fome pede tacos. Totalmente impulsiva – como fora o dia todo – vou à fila, peço o prato com nachos e ainda Coca-Cola, e me sento pra esperar. Acho interessante como todo mundo na praça de alimentação está acompanhado, de um lado um casal que dá as mãos, do outro um grupinho de amigos meio góticos, do outro um pai com seu filho. E quase à minha frente finalmente uma mulher – mais velha que eu – e aparentemente sozinha, ela me olha e eu penso “ora então ela também vai jantar sozinha, esse aí é o meu futuro, olha só que mulherão” Mas tempos depois chega outa moça mais nova e quase idêntica à ela, no entanto vestida também com um casaco verde – como o meu. Ah tá então era por isso que ela me olhava, vai ver pensou que eu era a filha dela…Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Pessoal Textos

Este não é apenas mais um texto motivacional

21.02.18

Isso mesmo que você leu, este não é apenas mais um texto motivacional, este é um texto que busca mostrar o que você está deixando passar. As oportunidades que você quer e não alcança; a realização que você procura mas não vê, o seu potencial – que há tanto tempo carrega – mas que adormeceu dentro de você.

Talvez essa seja alguma espécie de carta para a minha futura eu. Talvez seja apenas um desabafo dirigido para mim – e que por algum motivo também serve para você. Acontece que esses dias, na aula de inglês, enquanto conversávamos treinando o idioma, falamos um pouco sobre sonhos; sobre sonhos que temos hoje e que poderiam ser realizados se fizéssemos algo, sobre sonhos que temos e que podem ser realizados no futuro se tivermos coragem de continuar. Eu gostaria de dizer que vai ser fácil, que o caminho é todo limpo e que sua respiração será calma durante todo o trajeto. Gostaria de dizer que uma editora vai cair dos céus para publicar seu livro; que aquela oportunidade de emprego vai surgir da porta, que tudo o que você precisa para fazer aquela tão sonhada viagem é apenas uma impulso de coragem. Mas não, infelizmente eu não posso te assegurar disso tudo. Posso apenas dizer, que eu sei; que você passará noites acordado tentando em vão melhorar cada detalhe do seu texto – e que vai tremer a cada botão “enviar” que você clicar. Que você passará dias tentando um emprego, que terá que estudar mais, se dedicar mais, ficar até mais tarde no trabalho, para talvez conseguir a promoção tão sonhada, ou o cargo tão desejado. Eu sei, você vai ter que jantar muito pão com mortadela para economizar dinheiro, vai abrir mão de saídas nos finais de semana, vai respirar fundo e se convencer de que não precisa de uma roupa nova; vai pela primeira vez admitir, que você não precisa gastar tanto, tudo para conseguir juntar dinheiro e viajar.

Mas hoje, eu queria dizer para você e para mim. Queria mostrar que muitas das suas limitações não são reais – são apenas fruto da sua mente. Queria que você entendesse que há uma grande energia cercando todas as suas ações, e que o sucesso lá da frente precisa de um primeiro passo aqui atrás – o universo espera que você comece a andar, espera um movimento vindo de você. Eu sei que você compara seu trabalho com o de outro alguém. Sei que pensa que nunca chegará aonde ele chegou. Sei que chega até a sentir inveja e mágoa, e a pensar se um dia conseguirá ultrapassar os números desse alguém. Você já ouviu tantos “nãos”, não é mesmo? Já te jogaram na cara que você não conseguirá, já te incitaram a não continuar, já conseguiram te fazer desistir. Mas hoje, hoje eu queria apenas que você não desistisse e que desse o primeiro passo. Queria que você colocasse essa energia transformadora para funcionar, queria que você fizesse as engrenagens da vida funcionar, e tudo se movimentar, toda essa energia então focada na sua única vontade: a de vencer.

O caminho sempre vai ser longo, vai parecer impossível. Seu trabalho vai parecer inferior. Seus seguidores e apoiadores podem sumir de um dia para o outro. Seu castelo tão bem construído, pode ter fracas fundações, e cair num bater da brisa. Talvez você tenha que errar uma, duas, três, infintas vezes! Talvez, você tenha que cair, tenha que cortar a grama do seu caminho, tenha que parar para recarregar as energias para a batalha. Talvez você queria – não poucas vezes – se enfiar num quarto escuro até toda a dor passar. Talvez você queria apenas calar a boca de todas as pessoas que resmungaram “nãos” e que espalharam desesperança quando você precisava apenas de um sorriso.

E no final, se você conseguir se manter forte, tenha a certeza: você vai vencer. Pode ser que o seu sonho seja maior que você. Confie, faça, acredite, realize.

Pode ser que seu sonho seja quase impossível. Movimente-se, caminhe, levante-se, consiga!

Talvez seu sonho seja maior do que todo o universo, seja maior que toda a humanidade, seja tão grande quanto o seu coração. Caminhe, erre, refaça, retente, e chegue mais forte até o final.

O hoje pode ser o dia que você vai começar a caminhar, pode ser o dia em que você comprou o caderno e a caneta que assinarão sua vitória lá na frente. Talvez hoje, seja aquele tão esperado dia, aquele tão inspirado dia, que você vai finalmente recomeçar – mais forte, mais ágil, mais confiante. Porque se você tem toda essa capacidade de sonhar, você tem a competência para fazê-lo real. Hoje pode ser finalmente, o dia em que você mudará a sua vida. Basta acreditar e voltar à andar. Você ainda tem um vasto caminho para trilhar – mas veja lá, olhe no horizonte, tem um futuro te esperando para te abraçar.

Há algumas semanas eu tenho me sentido diferente, não apenas pelas tantas mudanças que reconheço dentro de mim, mas também pela parte mais dolorosa da evolução. Não sei o quanto vocês acreditam nisso, mas eu acredito em Deus e no Universo. Tive vários sonhos nítidos, alguém até meio premonitórios, outros que me ligavam mais a minha essência. E sabe, me sinto leve e grata por voltar a sentir essas conexões com o sagrado, comigo e com a força que move o mundo. Há quem diga que essas semanas foram de “gestação” de uma nova fase que começa dia 31, amanhã, quando tem alguns eventos cósmicos diferentes. Assim como acredito nisso, acredito na minha fé, em Jesus, meu amigo e com quem tenho tantas conversas. Amanhã, farei um exame de consciência do passado e planejarei com mais afinco o futuro, quero acreditar que meu esforço e dedicação nunca serão em vão. Quero e sinto, uma estranha certeza de que meus sonhos vão se realizar. É por essa certeza em minhas entranhas, que não deixo de sonhar. Fé é algo lindo, único e inexplicável. É transcendente e transformador, mesmo que a sua fé seja apenas no dia de hoje; ou na lua, ou no ser humano. 🌹Leu até aqui? Me conta sobre a sua fé, no que você acredita?

Uma publicação compartilhada por SAMIRA OLIVEIRA (@samira_omg) em

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Pessoal Textos

Lembranças do “quartinho do fundão”| Um texto sobre desatulhamento

10.10.17

Memórias advindas do "quartinho do fundão" um texto sobre infância, lembranças, arrumação e renovação!Recentemente, eu e minha avó tiramos férias para arrumar a casa. Na verdade, arrumar um determinado cômodo; o carinhosamente chamado, “quartinho da bagunça”, que, segundo dizem, “toda casa deve ter”. Mas na verdade, acho que eu não concordo muito com isso não…Vou explicar. Depois de tantas indas e vindas dentro da cachola, me toquei de uma coisa; a gente precisa viver a vida o mais leve possível. Não importa se a leveza significa morar perto do mar, andar descalço, pular de paraquedas ou tomar um suco refrescante no verão. Na verdade me refiro àquela leveza mais profunda, aquela de quando você tirou de sua vida todas as pessoas que te arrastavam para o fosso – aquelas que sempre te faziam desanimar antes do primeiro passo – Ou se afastou de quem parecia apenas te querer por partes – não por inteiro como você é. Ou apenas se você resolveu finalmente, mudar de cidade ou de emprego. O que importa é o quão leve você se tornou depois dessa experiência. Para nós, a nossa leveza do momento era arrumar o dito quartinho do fundão (outro apelido carinhoso para o bonito!) E lá fomos nós, depois de árduas semanas, inúmeros sacos de lixo de ração de cachorro (uns 15kg) jogados fora diariamente; dor nas costas, nos braços, nos joelhos; marteladas, pisadas de pé, subidas e pulos por sobre os papelões, reclamações, brigas, pensamentos de desistência e até mesmo gritos… Finalmente! O grande esquecido grande quartinho lindo! Ei-lo! Tão esperado, tão planejado por mim! – vai ficar pra ser o quartinho de costura da vó né? – E a lição de tudo isso, de todo esse afã para finalmente entrarmos para a lista dos adeptos ao estilo minimalista, foram dois: 1 a gente guarda muita coisa e 2 a gente precisa viver cada vez mais leve.

Memórias advindas do "quartinho do fundão" um texto sobre infância, lembranças, arrumação e renovação! Esse é minha família, meu desenho de infância.

Então vamos combinar né, que guardar muita coisa com viver mais leve não são duas coisas que se biquem muito bem. Mas uma coisa interessante foi notar a passagem do tempo pelas coisas e “quinquilharias” jogadas fora. Eu resmungava a todo instante “mas você não vai guardar isso né” ou “mais vó, certeza que ce vai precisar de 5 caixas de ferramentas?” ou “mas realmente, o que vamos fazer com essas prateleiras?” ou até mesmo “Você guarda pra quando precisar, SE precisar. Mas quando realmente precisar você não vai nem lembrar que tem, e se lembrar não vai achar e se não achar ou não lembrar vai comprar outro novamente. Ou até mesmo comprar dois – um pra pra usar quando precisa e outro pra guardar pra quando “precisar” ” Nos tornando assim uma bola de neve sem fim.

Memórias advindas do "quartinho do fundão" um texto sobre infância, lembranças, arrumação e renovação!

Mas falemos do tempo, falemos desse terrível tempo que corrói os móveis de madeira e faz as paredes embolorarem e os livros se tornarem pó… Quando eu imaginaria que a letra da minha tia seria tão bonita mesmo quando ela estava na quarta série? Quando eu saberia que minha mãe era poeta como eu? Como eu poderia desconfiar um dia que duas pequenas pombinhas seriam os adornos do convite de casamento da minha avó. Ou que meu avó fora um fã de espiritismo? De qual outra maneira eu entenderia e profunda evolução pessoal da minha avó. Como eu desconfiaria que eles guardavam coisas sem nem mesmo pensar em jogar. Como eu entenderia, que o apego à matéria é algo que vai se desfazendo conforme vamos avançando a idade e avançando na evolução. Será que agora eu entendo que aquela folhinha de 1997 marcando os dias das trocas do botijão de gás seria importante porque foi no ano em que eu nasci? Será que agora eu sei que aqueles inúmeros brinquedos da geração passada, ainda guardados no fundão, seriam um dia aproveitados por meus primos? Como eu desconfiaria que, ao olhar uma boneca, ao tocar uma baleinha de plástico e uma boneca meio molenga, eu lembraria da minha infância ou que meus desenhos eram repletos de “Belinhas”? Como eu saberia que, ao desenhar minha família, não ficaram de fora nem meu tio e sua cachorrinha e nem meus avós e tia. Será que se eu fechar os olhos ainda vejo o cavalinho cavalgando pelo sofá, com uma ovelhinha atrás? Será que eu ainda consigo encontrar, nos recantos mais sombrios de mim, o meu velado ódio por aquela ovelhinha? E se a pessoa que sou hoje soubesse como eu lembraria com amor, daquela boneca reclamona ou do famoso “Yano” que eu levara na escola, será que ela teria brincado mais? Será que eu teria aproveitado mais aquela caixinha de música – que eu sempre pensei ser da Sandy & Junior, na verdade ser da Chiquititas – e ter feito-a pegar e cantar? Porque então, o Tigrão parece que dá uns saltos mais baixos? Por que minha boneca de cabelos encaracolados e ruiva ficou menor? Por que minhas fofoletes perderam o cheirinho de flor? Por que das minhas bonecas restaram apenas um rastro vago, de uma infância feliz – que eu já nem me lembrava e que tinha sido apagada pelos traumas sofridos na escola – por que raios não foram essas as lembranças que ficaram? Meu inconsciente insiste em se recordar de uma casinha da Polly que fora destruída – mas não se lembra da cozinha de madeira que eu tanto gostava. Se lembra da casa dos sonhos da Barbie que eu nunca tive – mas não lembra que eu tomava a cozinha inteira pra mim e fazia dela uma mansão enorme, com varais, moveis esparramados e inúmeros pratinhos de boneca. Por que minha cabeça de antes, assim como a de hoje, fecha os olhos para o que tem e se angustia pelo que não teve? Tá aí uma boa chance de eu me tornar mais leve.

Tá ai um bom momento para se libertar, mas será que um dia a gente consegue? Será que algum dia a gente consegue soltar da jaula os demônios de dentro de nós, sem que ainda eles aparecem aqui e alí em um rastro na escrita? Será que perdoar, esquecer, não nos torna menos nossos dos que já somos? Tá ai, um bom momento para arrumar a casa, desatulhar um cômodo, fazer algo com a sua mãe, pedir ajuda para o namorado, fazer algo de útil para a sua família. Quem sabe cuidando da casa, desejando mais renovação e amor, ela não acaba também por cuidar de você? Tá na hora então de… D E S A T U L H A R

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Outros Pessoal

18 coisas que você precisa saber antes de Morar Sozinho

23.11.16

18 coisas que você precisa saber antes de ir morar sozinho, estudante, república, USP, FFLCH, morando sozinha, morar fora, morar sozinha, viajem, pessoal, viagem, vida

Quando saí de Piracicaba e vim para São Paulo eu já sabia que muitas coisas seriam diferentes. Que a minha vida seria repleta de “aventuras” que eu desconhecia – mas nunca imaginei que seria tão difícil morar sozinha.

  • Você vai sentir saudade de casa

Parece uma coisa até meio óbvia para se afirmar visto que você estará longe das pessoas que amam e que conviveu sempre junto até agora. Porém não falo da saudade da comida da vó, do choro do irmão (ou priminhos), das conversas com a tia ou dos latidos do seu cachorro. Falo de uma coisa mais profunda, aquele incômodo que fica no peito quando você está nervoso e só precisaria de um abraço da sua vó pra te acalmar. Ou quando você está profundamente angustiado e gostaria apenas que seu cachorro estivesse junto – ele entenderia, ele iria te olhar nos olhos e ia fazer tudo ficar bem com algumas lambidas. Ou quando você se sente em perigo e pensa na hora que a sua família nunca deixaria você sentir medo. Que você está á mercê do mundo sem ninguém para te proteger. Porém essa saudade não vai doer pra sempre, na verdade ela será ótima! Ela vai te fazer perceber o quanto a sua família é importante para a sua caminhada. Ela vai te fazer querer mais conversas, mais abraços e carinhos, mais passeios aleatórios, mais risadas, mais amor, mais família.

  • 2º Diga adeus às suas mordomias de antes

Sabe aquela tranquilidade de quando você está na escola, bate o sinal e você sabe que seu pai está lá para te buscar e te levar pra casa? Sabe o sossego em nem saber que horas começa sua aula de inglês pois tem alguém que te deixará na aula 15 minutos antes para que você tenha tempo de revisar algum conteúdo importante que você nem mesmo lembrava? E o que dizer quando você chega tranquilo no vestibular, com mais de 1 hora de antecedência e com tempo para se preparar e descansar? Bem, diga adeus à essas mordomias. Se você não tem carro como eu, vai aprender que o ônibus (busão para os íntimos) é seu mais fiel amigo – você vai ter que acordar horas antes da aula, levantar, se arrumar, arrumar seu café, seu lanche, checar cartão de ônibus, circular, banco, plano de saúde, RG, CPF, dinheiro e o que mais houver, antes mesmo de cogitar por os pés para fora de casa. Além disso, o ônibus pode atrasar, então se você acordar tarde e correr pro ônibus, lamento, mas você já perdeu parte da sua importante aula. Outro amigo que conheci recentemente se chama relógio, sim! Eu não era amiga dele, eu esquecia da existência dele, eu nem sabia direito os horários das minhas aulas da escola. Mas agora, bom, agora eu tenho ele como um amor inseparável – e para eu não ficar louca com os horários, tenho planilhas de horários, exatamente porquê eu sou fácil de perder hora. E se você tem carro, tem a mordomia de não andar de pé dois no frio cortante ou no sol de matar – mas, terá que lembrar dos seus horários, ou seja, lhe apresento á RESPONSABILIDADE.

  • 3º Sua relação com o dinheiro vai mudar – e muito!

Antigamente se eu queria algo eu pedia à minha avó, e, se tivéssemos coisas mais importantes para comprar do que o que eu queria: paciência, vida que segue. Pior que eu não entendia direito isso, pois, bom, eu queria algo e tínhamos a quantia para a coisa, então porque não comprar? Aí é que está, hoje, eu fico esperando ansiosa pelo dia 26 (yes! Money!) e pelo dia 5 (adeus! Money) ou seja, o dia de pagar o apartamento. Porém, o dia 5 é tão feliz porquê eu vou poder finalmente saber se eu vou curtir a vida adoidado com meus ricos 2 centavos ou se vou poder curtir a vida adoidado com um pouquinho mais – e quem sabe comprar mais um cacto pra minha coleção. Aplicativo do banco é algo essencial na minha vida – me sinto uma adulta pensando nisso agora. E o internet banking então? Caiu do céu! Com essas novas tecnologias (nossa parece que tenho mil anos kkk) é muito fácil pagar as contas, fazer transferências, consultar seu saldo (só dá vontade de morrer quando ele está negativo mas tudo bem, a gente supera), mas principalmente ele é importante para você ver quanto dinheiro ainda tem e fazer uns cálculos doidos a respeito de comprar ou não tal coisa – você acaba fazendo trocas e negociações consigo mesmo, por exemplo: se eu comprar um vasinho de bichinho esse mês não vou ter dinheiro para o xérox; o que é mais importante? Vasinho ou xérox? Bom, então compro xérox esse mês e vasinho de planta mês que vem, fechou? Fechou! Então belê.

Leia mais

Vestido artesanal de gatinhos | Compre de Quem Faz
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
O Cotidiano da Mulher Segura – ou “jantares sozinha” – ou “o final cíclico de um amor” – ou “a mulher que eu quero ser”
Página 1 de 3
123