Literatura

O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII

31.10.18
O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII literatura queer por Samira Oliveira dezoitoemponto.com
Livro: O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude
Série:
Autor(a): Mackenzi Lee
Editora: Galera Record
Genero: romance Queer
Páginas: 433
Classificacao:
Sinopse: Uma aventura romântica do século XVIII para a era moderna. Simon Versus a Agenda Homo Sapiens, encontra os anos 1700. Henry “Monty” Montague nasceu e foi criado para ser um cavalheiro, mas nunca foi domado. Os melhores internatos da Inglaterra e a constante desaprovação do pai não conseguiram conter nenhuma das suas paixões – jogos de azar, álcool e dividir a cama com mulheres e homens. Mas agora sua busca constante por uma vida cheia de prazeres e vícios está em risco. O pai quer que ele tome conta dos negócios da família. Mas antes Monty vai partir em seu Grand Tour pela Europa, com a irmã mais nova, Felicity, e o melhor amigo, Percy – por quem ele mantém uma paixão inconsequente e impossível. Monty decide fazer desta última escapada umafesta hedonista e flertar com Percy de Paris a Roma. Mas quando uma de suas decisões imprudentes transforma a viagem em uma angustiante caçada através da Europa, isso faz com que ele questione tudo o que conhece, incluindo sua relação com o garoto que ele adora.

Como você pode perceber o que mais me chamou a atenção nesse romance é a questão da representatividade bi. O livro é ambientado no século XVII e tem como personagem principal o jovem Henry Montague – também conhecido como Monty – principalmente pelo seu melhor amigo Percy. Monty é um jovem aristocrata e britânico que leva uma vida de libertino, viciado em jogos de azar e sexo com homens e mulheres (por isso o tema queer da bissexualidade é tão evidente), sua figura é cômica inicialmente e rasa mas aos poucos vai se complexificando e podemos ver o que há sob essa pose de irreverente e inconsequente.

Seu amigo Percy é outro personagem interessante e pelo qual eu me apaixonei. Ele é de uma família aristocrata também, porém fora criado pelos tios, ele é negro e num contexto histórico de recente abolição da escravatura, a sua cor é muitas vezes barrada e hostilizada nos eventos da alta sociedade. Achei importante retratar essa questão, mesmo que casos como o de Percy tivessem sido raros, deu-nos um vislumbre da sociedade racista da época. Ele é notável pela sua sensibilidade, todas as falas mais belas são de Percy, todos os atos mais poéticos também são deles – e talvez eu tenha me apegado tanto porque a narrativa é todinha em primeira pessoa, de modo que eu vejo Percy pelos olhos enamorados de Monty. Talvez esse filtro que aplicamos sobre a pessoa amada, também tenha feito a diferença e aumentado ainda mais meu carinho pelo personagem.

O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII literatura queer por Samira Oliveira dezoitoemponto.com


Leia mais
Resenha: Chronos – viagens entre páginas e tempos
Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Textos

Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.

09.10.18

Você pode me ouvir ler este texto enquanto o acompanha, que tal?

Foi só depois de anos que eu finalmente resolvi, num ímpeto de coragem imersa em café e coca-cola. Te dizer o quanto eu te desejava. Alias o quanto eu te desejava há muito tempo. E uma parte de mim quer apenas que você diga “eu também sempre te quis da mesma forma” enquanto outra…bem, outra queria apenas que você dissesse, “desmarca tudo o que tem pra amanhã” estarei em são paulo , as 3h da tarde. e não precisa levar nada, nem se arrumar, me dá o coração que você sempre prometeu e sempre quis me dar.”

E depois do meu confessado amor, você me diz, que naquela primeira vez, ou nas primeiras vezes, quando nos vimos, naquela sala de aula pequena e com paredes pintadas de amarelo, quando eu senti algo por ti naqueles instantes, você também sentiu por mim. Que te ver de bermudas e regata, relojo e cabelo aparado, com aquele jeitinho tímido de menino, também teve um espelho de sentimento em ti. Algo que você não tinha forças para admitir, e muito menos eu. E assim a gente começou e logo acabou. A vida levou nossos corações para outros lugares, eu encontrei alguém que tinha coragem de me levar nos braços e você talvez já tivesse me esquecido, embrulhado no fundo o que antes sentia.

Novamente o tempo e o destino brincando com tudo. E é aquela coisa, a gente só dá valor quando perde, só percebe que quer quando já não pode mais.

E eu sentia nessa época, ao te abraçar, que as batidas fortíssimas que saiam do meu peito, ecoavam lindamente no seu. E eu estaria mentindo se não disse que sempre soube disso.

E que você sempre quis me ter, mas era difícil demais de admitir. E mesmo sendo de outro, beijando a outro, eu sentia meu coração bater mais forte também por ti.

Pra mim, pra nossa amiga que sempre soube e viu tudo, e sentia e me via, me lia. Ela sabia e sabe como eu te amei mas como também amei a outro, E sempre senti que como em How I meet your mother, mesmo que outro fosse minha alma gêmea, mesmo que a gente tivesse uma vida juntos, cassasse, tivéssemos filhos, você ainda seria algo pra mim, seria aquele sentimento preso lá no fundo. Que tu tenta tirar a todo custo…. em vão, ele já se enraizou. E sabia que eu sempre estaria presa a você, que a sua boca me perseguiria na madrugada, que seu corpo sempre seria um encaixe perfeito no meu… E nunca o que eu sentia, teve a ver com sua forma física de hoje. Meu amor nunca teve a ver com quantos pesos você levanta na academia ou quantas barrinhas de proteína tu come, alias eu sempre te zoei por isso. Meu amor era sobre a pessoa que você é. Sobre quem eu era quando estava contigo. Sobre o quanto eu queria que houvesse, realmente um nós.

E sua voz, seus sons de guitarra e cada momento nosso, ficará guardado dentro de mim. E quando você me abraçar novamente você vai ouvir, você vai sentir lá no fundo a música que meu peito produz por você. E seria clichê dizer que nunca alguém vai te amar como eu te amei. mas é verdade.

E sim, eu sou sua amiga, e aceito o posto de mais especial de todas as amigas. de aquela que sabia tudo de você, e você aquele que sabia meus desejos mais profundos… ou talvez nem todos. Esse desejo aqui, esse coração que implora por você, sempre foi segredo, talvez até pra mim mesma que nunca quis admitir.

E que nos fim você me aparecia nos meus sonhos mais absurdos e profundos dos jeitos mais lascivos e profanos, e realizada o que eu de tarde ansiava. Esse desejo eu não quero levar pro tumulo, não quero pensar que vivi sem ao menos aliviar o peso dos meus sentimentos nos seus lábios.

e é por isso, que hoje, nesse impulso de coragem e embriaguez por cafe, algo que você sempre soube que me alterava, eu te revelei o mais profundo de mim.

Hoje te dei uma parte do que sou. do que era pra a gente ter sido…. e é muito louco. Pensar que realmente seu pai e nossas conversas, poderiam ter sido frequentes em vários e infinitos almoços de domingo. Pensar que seu sorriso, que eu contava a semana toda pra ver, e todas as horas até nossa aula começar, talvez fosse o sorriso que eu visse ao acordar. E pensar que sempre que você faltava eu me perguntava qual era o sentido de estar ali, e nem imaginava que em meu peito já se instaurava esse amor sem fim. Pensar que aquele colo, que aqueles braços que me envolviam tão seguramente poderiam ter sido realmente meu porto de paz. E que a sua gentileza, sua bondade, sua luz poderiam ter encontrado em minhas trevas um modo de as iluminar.

 Quantas vezes ao final de um dos nosso abraços demorados eu olhei pra cima, pros seus olhos, fiquei nas pontas dos pés e sonhei te beijar. Quantas não sentei em teu colo, e tu me envolvendo não pensou em me abraçar mais forte em me jurar mais verdadeiro, em me pedir, de verdade pra ficar.

E é estranho que hoje há tantas pessoas na minha vida, mas meu coração tao tolo e verdadeiro quer voltar anos atras pra quando eu te amava, pra talvez a ultima vez que eu tive um sentimentos  profundo, enraizado e  puro que eu nunca tentei admitir e tu nem pensou em adivinhar.

E hoje contrariando a tudo que acredito. Eu que sempre enterro muito bem meus sentimentos, jogo pás e pás de terra sobre eles, que planto arvores e legumes pra ninguém desconfiar. Hoje, resolvi desabafar com você, retirei todo o mato que cresceu em cima – mato sim, pois flores nunca foram possíveis de se plantar lá, nunca nasceu nada desse amor que ate ontem eu jurava ser não correspondido – e depois de arrancar desesperadamente toda a relva, eu desenterrei, com as unhas, esse tão pesado e profundo e sincero sentimento. E te dei. Sem magoa, sem cobranças, te dei em desespero. te dei porque não aguentava mais ser portadora desses segredo. Não aguentava mais carrega-lo comigo pela vida sem ao menos ter certeza sobre você.

E finalmente a confirmação de que você também sentia o mesmo. Mas que hoje me vê somente como amiga. Bom, permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como irmã. Pois eu menti, não tenho todo mundo que eu quero, longe disso, sofro de pés na bunda e de amor e que os findo com garrafas e garrafas de álcool.. Mas você sempre foi, e sempre será, o amor da minha vida. Permita-me que eu te mostre a mulher que eu sou, a que você terá o maior prazer de conhecer.

Eu não enterro mais o que sinto por ti, está aqui fora, está exposto ao mundo. agora ele é teu. agora tu tens um pedaço mais sincero de mim.

E não vou te julgar se você fugir, vou entender, você não está pronto pra minha intensidade. mas te convido a ter a coragem que tu sempre teve e me encarar, e se testar, revirar também esse teu coração, e descobrir como eu, que o que tu sentia nunca morreu. apenas foi enterrado.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.
Em voga Pessoal Textos

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços

09.10.18

Hoje foi aquele dia úmido e fresco, que carrega no vento uma sensação de aconchego, de novo e de recomeço. Não entende? Vou te explicar como me sinto. A calçada e as ruas estão molhadas, ando sobre elas com meus coturnos pretos e o vento úmido e feroz batendo no rosto. Vez ou outra ele se ameniza e vira brisa. Vez ou outra meus pensamentos se acalmam e viram breves ideias que nunca irão se realizar. A chuva deixa cada verde da mata mais bonito. E enquanto passo por uma sebe penso em florestas e em como gostaria de estar por ai desbravando alguma, viajando pelo mundo. Também penso em como sou grata por estar aqui, nessa cidade que nem sempre me acolhe e que antes me repele, mas pela qual sinto profunda admiração.

Por cada arvore e moita que passo, observo a folha e vejo em visão macro, cada intempérie que ela passou. Há manchinhas de alguma praga de plantas, há partes mordiscadinhas, há uma parte amarronzada que estraga – enquanto outra continua verde – e há também infinitos tons de verde. Penso em como queria usar essa visão em alguma cidade do Brasil, quem sabe achar uma Imobiliária em Balneário Camboriú  e ficar por lá, desbravando um verão que nunca se acabaria. Outras vezes penso em ir mais longe, em estar em Londres, ou talvez sofrer em frente à torre Eiffel as consequências de alguma romance mal resolvido entre mim e algum francês qualquer.

Nesses dias úmidos eu encho meus pulmões de ar fresco, eu deixo que o suspiro me renove e penso com um certo pesar e um certo desanimo na minha capacidade absurda de me render à rede de pescar ao invés de continuar nadando e de nada pra baixo. Olho ao redor e nesses dias meio melancólicos e aflitos me pergunto onde no meio do caos interior, escondo minha vontade de batalhar pelos meus sonhos. Queria ter a resiliência daquela folha verde que ficou lá atras e resistir, queria não me achar caída, pisada e quase morta. Invisível a todos que passam por mim, e sem forças ou vontade para deixar o vento me levar a outro cais.

Mas logo penso diferente, logo a garoa cai novamente e vai aos poucos, ensopando minha mente, transbordando pensamentos e os lavando de todo esse pessimismo. Ao chegar em casa já reservo uma praia em Balneário Camboriú, me matriculo em um aula de francês e troco meus coturnos por xadrez. Chega de melancolia barata, querida, chega.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.
Decoração

Como está meu quarto nessa nova fase? E dicas de decoração.

24.09.18

Estou devendo este post sobre decoração de quartos (sim samira já faz 3 anos)… Você deve estar se perguntando como está meu quarto atualmente, como ele está refletindo a pessoa que sou hoje. Então trouxe um pouquinho dele pra você junto de algumas dicas e sugestões de decoração (bem Pinterest sim senhoras) . Adoro um estilo meio vintage e meio anos 90 também, então a decoração dele reflete um pouco isso – fora meu amor louco por cores hehe.

  • Cantinho

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por SAMIRA OLIVEIRA (@samira_omg) em

Essa é a parte do meu quarto que eu mais gosto e acho bonitinha. Esse criado mudo foi do meu avô e estava parado na antiga casa da minha avó. Ela me deu esse móvel e pintamos de azul Tiffany para deixar com esse jeitinho mais moderno. Eu sempre vario os enfeites de cima (isso quando infelizmente não acabo colocando almofadas ou copos hehe). A luminária de cogumelo sempre fica aí mas as vezes coloco livros, outras vezes, plantas, outras ainda, velas…

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por SAMIRA OLIVEIRA (@samira_omg) em


  • Cama minha querida
Como está meu quarto nessa nova fase? E dicas de decoração para quarto pinterest e tumblr, quarto de adolescente ou de adulto. por Samira Oliveira em dezoitoemponto.com

É sem dúvida o meu mozão, aquela que penso desde que acordo até a hora em que vou dormir. A cama de casal em especial é novidade na minha vida – por questões conservadoras da minha família, é claro. Então ter essa coisa linda pra mim é uma conquista muito confortável e me traz ótimos sonhos hehe. Ela ainda não está com jogo de cama todo bonitinho (tô sonhando com um lençol preto faz tempo, atenção lojas rsrs) mas está minimamente em ordem – é o que temos pra hoje.Leia mais

Plantas dentro do quarto – Pode e DEVE! Saiba quais usar.
DIY Organizador de Acessórios!
Ideias de decoração para o quarto novo.
Poesia Textos

10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.

13.09.18


Literatura erótica é um assunto que venho tentando trazer aqui pro blog há um tempo. Decidi por fim começar com poemas do gênero. O efeito deles – mais do que qualquer outro assunto que chegue aos versos – pode ser sentido em  um relacionamento ou sozinha. Já perdi a conta de quantos depoimentos já recebi de quem melhorou o relacionamento, salvou casamento e aumentou a própria auto estima ao ter esse tido de experiência com a leitura. E não vou mentir, é algo que me atrai muito e que estudo por conta própria (por enquanto, mas a ideia é pesquisar essa área, quem sabe um mestrado? hehe). Pra começar gostaria de pôr duas ressalvas; primeira, este conteúdo é adulto, ou seja indicado a maiores de 18 anos, okay? E segundo, esta é uma área séria e realmente estudada na Letras, haja vista a grande Hilda Hilst que teve destaque da Flip deste ano e Marquês de Sade (tenho certeza que se você não leu algo dele ao menos já ouviu este célebre nome) por exemplo.

Sem mais delongas, vamos aos 10 melhores poemas eróticos – alguns atuais, outros nem tanto… Mas prepare  o coração, o corpo e quer uma dica? um vibrador também (encontre neste sex shop)

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Vênus s.f. (@venusterceira) em

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo.
Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há um tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

– Hilda Hilst

Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Página 2 de 32
123456... 32››