Em voga Pessoal Textos

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços

09.10.18

Hoje foi aquele dia úmido e fresco, que carrega no vento uma sensação de aconchego, de novo e de recomeço. Não entende? Vou te explicar como me sinto. A calçada e as ruas estão molhadas, ando sobre elas com meus coturnos pretos e o vento úmido e feroz batendo no rosto. Vez ou outra ele se ameniza e vira brisa. Vez ou outra meus pensamentos se acalmam e viram breves ideias que nunca irão se realizar. A chuva deixa cada verde da mata mais bonito. E enquanto passo por uma sebe penso em florestas e em como gostaria de estar por ai desbravando alguma, viajando pelo mundo. Também penso em como sou grata por estar aqui, nessa cidade que nem sempre me acolhe e que antes me repele, mas pela qual sinto profunda admiração.

Por cada arvore e moita que passo, observo a folha e vejo em visão macro, cada intempérie que ela passou. Há manchinhas de alguma praga de plantas, há partes mordiscadinhas, há uma parte amarronzada que estraga – enquanto outra continua verde – e há também infinitos tons de verde. Penso em como queria usar essa visão em alguma cidade do Brasil, quem sabe achar uma Imobiliária em Balneário Camboriú  e ficar por lá, desbravando um verão que nunca se acabaria. Outras vezes penso em ir mais longe, em estar em Londres, ou talvez sofrer em frente à torre Eiffel as consequências de alguma romance mal resolvido entre mim e algum francês qualquer.

Nesses dias úmidos eu encho meus pulmões de ar fresco, eu deixo que o suspiro me renove e penso com um certo pesar e um certo desanimo na minha capacidade absurda de me render à rede de pescar ao invés de continuar nadando e de nada pra baixo. Olho ao redor e nesses dias meio melancólicos e aflitos me pergunto onde no meio do caos interior, escondo minha vontade de batalhar pelos meus sonhos. Queria ter a resiliência daquela folha verde que ficou lá atras e resistir, queria não me achar caída, pisada e quase morta. Invisível a todos que passam por mim, e sem forças ou vontade para deixar o vento me levar a outro cais.

Mas logo penso diferente, logo a garoa cai novamente e vai aos poucos, ensopando minha mente, transbordando pensamentos e os lavando de todo esse pessimismo. Ao chegar em casa já reservo uma praia em Balneário Camboriú, me matriculo em um aula de francês e troco meus coturnos por xadrez. Chega de melancolia barata, querida, chega.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.
Decoração

Como está meu quarto nessa nova fase? E dicas de decoração.

24.09.18

Estou devendo este post sobre decoração de quartos (sim samira já faz 3 anos)… Você deve estar se perguntando como está meu quarto atualmente, como ele está refletindo a pessoa que sou hoje. Então trouxe um pouquinho dele pra você junto de algumas dicas e sugestões de decoração (bem Pinterest sim senhoras) . Adoro um estilo meio vintage e meio anos 90 também, então a decoração dele reflete um pouco isso – fora meu amor louco por cores hehe.

  • Cantinho

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por SAMIRA OLIVEIRA (@samira_omg) em

Essa é a parte do meu quarto que eu mais gosto e acho bonitinha. Esse criado mudo foi do meu avô e estava parado na antiga casa da minha avó. Ela me deu esse móvel e pintamos de azul Tiffany para deixar com esse jeitinho mais moderno. Eu sempre vario os enfeites de cima (isso quando infelizmente não acabo colocando almofadas ou copos hehe). A luminária de cogumelo sempre fica aí mas as vezes coloco livros, outras vezes, plantas, outras ainda, velas…

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por SAMIRA OLIVEIRA (@samira_omg) em


  • Cama minha querida
Como está meu quarto nessa nova fase? E dicas de decoração para quarto pinterest e tumblr, quarto de adolescente ou de adulto. por Samira Oliveira em dezoitoemponto.com

É sem dúvida o meu mozão, aquela que penso desde que acordo até a hora em que vou dormir. A cama de casal em especial é novidade na minha vida – por questões conservadoras da minha família, é claro. Então ter essa coisa linda pra mim é uma conquista muito confortável e me traz ótimos sonhos hehe. Ela ainda não está com jogo de cama todo bonitinho (tô sonhando com um lençol preto faz tempo, atenção lojas rsrs) mas está minimamente em ordem – é o que temos pra hoje.Leia mais

DIY Organizador de Acessórios!
Ideias de decoração para o quarto novo.
Poesia Textos

10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.

13.09.18

Literatura erótica é um assunto que venho tentando trazer aqui pro blog há um tempo. Decidi por fim começar com poemas do gênero. O efeito deles – mais do que qualquer outro assunto que chegue aos versos – pode ser sentido em  um relacionamento ou sozinha. Já perdi a conta de quantos depoimentos já recebi de quem melhorou o relacionamento, salvou casamento e aumentou a própria auto estima ao ter esse tido de experiência com a leitura. E não vou mentir, é algo que me atrai muito e que estudo por conta própria (por enquanto, mas a ideia é pesquisar essa área, quem sabe um mestrado? hehe). Pra começar gostaria de pôr duas ressalvas; primeira, este conteúdo é adulto, ou seja indicado a maiores de 18 anos, okay? E segundo, esta é uma área séria e realmente estudada na Letras, haja vista a grande Hilda Hilst que teve destaque da Flip deste ano e Marquês de Sade (tenho certeza que se você não leu algo dele ao menos já ouviu este célebre nome) por exemplo.

Sem mais delongas, vamos aos 10 melhores poemas eróticos – alguns atuais, outros nem tanto… Mas prepare  o coração, o corpo e quer uma dica? um vibrador também (encontre neste sex shop)

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Vênus s.f. (@venusterceira) em

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo.
Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há um tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

– Hilda Hilst

Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Fotografia Textos

A Nova Eva e a conspiração de Lilith – Ensaio Fotográfico

23.08.18

Eva, a primeira mulher da Terra. Primeira ancestral nossa, nossa mãe. Não entrarei no fato de ser este um mito, cada um acredita no que lhe convém. Mas é importante ver poeticamente Eva, com outros olhos. Enxergar, mais do que apenas ver, o símbolo de submissão que ela representa, as teorias da conspiração em volta disso e como podemos trazê-la até nós, aproximar sua simbólica figura do nosso feminino. É isso o que quero nesse projeto, com a fotógrafa Lainy Cherry. Na hora eu não pensei muito sobre. Só me veio à mente “Eva”. Talvez como um grito dela própria que há muito havia se perdido. Talvez por estar em meio às folhagens e me reconhecer como ser mulher. Entre tantas verdades, a maior: desde Eva tentam calar nossa voz.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento

Canta, oh deusa, sobre a primeira mulher criada, sobre as escrituras sagradas e sobre a profana ilegitimada. Contam nos amuletos antigos sobre o mais antigo ser, nascida antes mesmo do homem, Lilith. Mas também criada junto ao seu oposto no Gênesis da história. Canta, musa, sobre a mulher que se negou a ser menos, que pegou pra si a dominação – e por ela se enfeitiçou – que cobriu Adão e se negou, a ser menos, a ser a mulher que eles queriam. Talvez tenha andado pelos bosques do Éden e gritado, ser o mais perfeito ser criado, à imagem e semelhança da própria Deusa.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento

O profeta me conhecia como “primeira mulher”. Me apagaram da história por ser igual ao homem. Abandonei a pé esse falso paraíso de mentiras e maldições. Voei como coruja, como animal noturno que tem um rumo na noite. A noite, querido, pertence a mim. Foi com ela que fiz meu próprio Éden. No Mar Vermelho construí meu deserto e dei a luz a meus filhos, rebelião, é disso que eu gosto, sexo, é disso que eu me alimento. E a maior verdade é que te assombro de medo, você olha em meus olhos e vê o poder que desejaria ter. Sente meu cheiro e te torna cego, até minha voz, querido, te embriaga. Você me teme e me deseja, e talvez eu possa te levar comigo ao meu inferno – se tu merecer. Quase todas as civilizações me vêem como maldita, me afastam com temor. Mas algumas, mais sabias, matriarcas, reconhece em mim a maternidade e o poder que posso lhe oferecer. Às minhas filhas: unam-se é chegada a hora de despertar esse mundo.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento por Samira Oliveira e Lainy Cherry

Recentemente Eva me revelou: “não fui feita de costela nenhuma, fui criada isolada dentro do meu próprio coração. E toda essa história de deus e criação. Foi para tentar conter, o tamanho da imensidão. Que eu ocupava.” E quando conheci a serpente, conheci a mim mesma, uma outra face que eu queria a todo custo ignorar. Sabia da outra, sabia da sua revolta, e por me reconhecer como igual mordi a maça. E mordi com gosto, com desobediência aos que queriam me diminuir. Queria o conhecimento sim, queria que ela me admirasse sim, e queria dividir com Adão, essa enxurrada de informações, de prazeres, de luz… E nós duas fomos luz demais, Lua demais, profundidade e intensidade tamanha, que hoje, em dia, toda a humanidade, nos teme e tenta nos aniquilar.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento por Samira Oliveira e Lainy Cherry

Então exclamou Adão: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’, porquanto do ‘homem’ foi extraída”. Mas ele não sabia, que minha essência há muito a Terra já habitava. E como satélite noturno, por ela orbitava e guiava. É meu poder feminino que dá vida a esta humanidade, reconhecer isso é pré requisito, é o minimo esperado, para quem tanto deve à minha intimidade. Que se ergam templos e religiões, que sejam montados sob flores e pecados, que seja um local repleto de paz e felicidade. Para guiar essas almas, todas essas perdidas almas, à verdadeira essência do que somos.

Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Literatura

O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books

07.08.18


Livro: O Diário de Myriam
Série:
Autor(a): Myriam Rawick
Editora: DarkSide
Genero: Diário
Páginas: 305
Classificacao:
Sinopse: De um lado, uma menina judia que passou anos escondida no Anexo Secreto tentando sobreviver à guerra de Hitler. De outro, uma garota síria que sonha ser astrônoma e vê seu mundo girar após a eclosão de um conflito que ela nem mesmo compreende.

O Diário de Myriam, é um livro relato da guerra na Síria, mais precisamente dos conflitos de 2011 até 2017. Nele podemos ver toda a sensibilidade e pureza nos olhos da menina Myriam frente à destruição que acontecia. É tocante perceber como ela vai evoluindo ao longo dos anos, visto que começara a escrever seu diário com apenas 6 anos – quando a guerra começava. Suas ideias e vivências eram tão poucas mas já precisava estar atenta para a guerra, para ter sua infância em meio a ela. É triste perceber que com tão pouca idade ela já estava sendo exposta a mortes, sangue, bombas e tristeza. Que tão nova ela já soube o que era uma Ak-47, já tinha que conviver com a fome e com a falta de água, com a possibilidade de ter sua vida acabada a qualquer instante.

Esse livro me comoveu muito. Principalmente porque eu mesma sou descendente de sírios, então de alguma forma são minhas raízes que sofrem, são meu povo que morre. E mais interessante, é que a guerra naquela região vem de tempos tão remotos, é um campo de batalha praticamente, onde conflitos sempre eclodem. É até confuso de se entender o que e porquê eles acontecem. No final dele há fotografias da guerra, e elas me trouxeram á memoria inúmeros sonhos cinza, vazio e destruído que eu tenho de vez em quando. Nesse livro, na ultima parte, há notas de Philippe Loubjois, o repórter que cobriu a guerra na Síria, que conheceu Myriam e fez sua história vir à publico. Philippe também cobriu o Conflito Karen, em Myanmar (Birmânia), a Guerra do Kosovo e a Guerra do Afeganistão.

Achei muito bonito como as pessoas se unem para ajudar umas ás outras. Em dado momento, não há mais pão para comprar, muito menos carne, então cada pessoa cozinha algo com o que tem em casa e distribui ás famílias dos arredores. Outra coisa que é interessante de se notar, é que Myriam é cristã, e sua melhor amiga Judi, é muçulmana, e mesmo com os conflitos polarizados devido às diferenças religiosas, ambas não conseguem enxergar rivalidade entre elas, elas apenas vêem o que nós vemos: amor.

Leia mais

Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!
O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
Jack O Estripador – Rastro de Sangue | protofeminismo na Londres Vitoriana, suspense e cadáveres
Página 2 de 33
123456... 33››