Beauty Fotografia

And Roll Store no Ensaio Fotográfico da Bela e a Fera – Fotos em Biblioteca!

11.01.18
And Roll Store (vestidos vintage e romântico) no Ensaio Fotográfico da Bela e a Fera - Beauty and the Beast Photoshoot. Foto em biblioteca em estilo tumblr e pinterest, insirado no live action com Emma Watson

A And Roll Store é aquele tipo de loja única que você sabe que pode rodar o universo e não achará nada igual. Com estampas geek, românticas, fofinhas, vintage e alternativas, a And Roll é plural e exclusiva. Inclusive conta com numeração plus size – do 36 ao 56 – e todos os tamanhos bem reais. Um dos vestidos que escolhi foi o da Bela e a Fera e escolhemos uma biblioteca para ambientar esse ensaio fotográfico. Fazia bastante tempo que queria tirar foto em uma biblioteca e finalmente esse dia chegou. Quem fez as fotos desse ensaio foi a @jessshard e fomos ao Instituto Moreira Sales e usamos a biblioteca de lá, que na verdade é praticamente um paredão de livros, mas que a Jess aproveitou como se fosse a própria biblioteca da Bela.

And Roll Store (vestidos vintage e romântico) no Ensaio Fotográfico da Bela e a Fera - Beauty and the Beast Photoshoot. Foto em biblioteca em estilo tumblr e pinterest, insirado no live action com Emma Watson

Leia mais

Vestido artesanal de gatinhos | Compre de Quem Faz
A Nova Eva e a conspiração de Lilith – Ensaio Fotográfico
Como fotografar unhas para o Instagram – 8 dicas valiosas para ter JÁ fotos MAGNÍFICAS
Literatura

Resenha Fera – É o amor que nos salva e nos faz evoluir.

10.01.18

Livro: Fera
Série:
Autor(a): Brie Spangler
Editora: Seguinte
Genero: Romance YA
Páginas: 336
Classificacao:
Sinopse: Dylan não é como a maior parte dos garotos de quinze anos. Ele é corpulento, tem quase dois metros de altura e tantos pelos no corpo que acabou ganhando o apelido de Fera na escola. Quando ele conhece Jamie, em uma sessão de terapia em grupo para adolescentes, se apaixona quase instantaneamente. Ela é linda, engraçada, inteligente e, ao contrário de todas as pessoas de sua idade, parece não se importar nem um pouco com a aparência dele. O que Dylan não sabe de início, porém, é que Jamie também não é como a maioria das garotas de quinze anos: ela é transgênera, ou seja, se identifica com o gênero feminino, mas foi designada com o sexo masculino ao nascer. Agora Dylan vai ter que decidir entre esconder seus sentimentos por medo do que os outros podem pensar, ou enfrentar seus preconceitos e seguir seu coração.

Resenha de "Fera" escrito por Brie Spangler editado pela Seguinte (Cia das Letras) por Samira Oliveira dezoitoemponto.comFera, é um romance YA escrito por Brie Spangler e editado pela Seguinte. A história é uma releitura extremamente atual e moderna de A Bela e a Fera. Assim que vi esse livro nas livrarias já me apaixonei pela capa, e confesso, esperava uma releitura mais próxima da Bela a Fera que conhecemos. Porém, fiiquei até mais empolgada em perceber que o livro era diferente de tudo o que imaginei. A obra é perfeita por nos fazer ver o outro mais do que seu invólucro, sua aparência. E sobretudo, por mostrar a vida, os sentimentos e esclarecer quaisquer dúvidas que ainda possamos ter sobre uma pessoa transgênera.

Fera é o apelido nada carinhoso de Dylan, um garoto de apenas 15 anos mas com quase 2 metros de altura e tantos pelos quando um cobertor de inverno. Diariamente ele é atingido por olhares discriminadores e temerosos de pessoas na rua. Já os amigos de sua escola apenas o tratam com um pouco de consideração exclusivamente por sua amizade com o garoto mais popular da escola – e extremamente rico – JP. Entretanto essa amizade é pautada em interesse e em manipulação, que tornam este personagem muito ambíguo.Resenha de "Fera" escrito por Brie Spangler editado pela Seguinte (Cia das Letras) por Samira Oliveira dezoitoemponto.com



Leia mais

Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!
O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Literatura

Chronos – Viajantes do Tempo (vol. 1)| Esperança e lealdade na luta contra o tempo

09.01.18

Tenho certeza absoluta de que, ao menos uma vez na sua vida, você desejou poder mudar o passado. É essencialmente esta temática que é trabalhada em Chronos – Viajantes do Tempo, uma obra escrita por Rysa Walker e editada no Brasil pela DarkSide. Vale lembrar que este é o volume 1, então ainda temos muito a se aventurar com nossa chave Chronos. Opa, quase me esqueci, você não sabe que eu voltei no tempo e já te vi lendo esta resenha, se apaixonando e comprando o livro o mais rápido que pode hihi, então vamos começar essa resenha!

Livro: Chronos
Série: Viajantes do Tempo
Autor(a): Rysa Walker
Editora: DarkSide
Genero: romance
Páginas: 317
Classificacao:
Sinopse: Na vida, tudo tem uma ordem certa para acontecer: os sapatos devem ser colocados depois das meias, a geléia deve ser passada no pão depois da manteiga — netos nascem depois dos avós. Kate Pierce-Keller nunca havia dado atenção a este último item, até sua avó surgir com revelações e um objeto que podem colocar sua existência em risco.

Leia mais

Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!
O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Em voga

A crise dos 20 chegou – ansiedade, angústia e responsabilidade

08.01.18

A crise dos 20 chegou - ansiedade, angústia e responsabilidade por Samira Oliveira dezoitoemponto.comNo dia 14 de novembro de 2017 eu fiz minhas 20 primaveras. Primaveras apenas na poesia, pois dentro de mim era inverno profundo que nem mesmo a Elsa conseguiria resolver. Comecei esse dia com uma angústia e uma ansiedade que me são conhecidas até hoje, enquanto escrevo este post. A ansiedade por ter 20 anos e poucos amigos fieis ao meu redor – as vezes sinto que nenhum. A cobrança por ter 20 anos e não ter uma vida perfeita, não ter ainda meu próprio carro, minha casa própria – ou nem mesmo por pagar meu aluguel sozinha. A ansiedade também bate à porta quando faço as contas no final do mês. Quando sei cada dia mais, que será impossível viver da profissão que escolhi, que se eu quiser estudar a vida inteira como planejo, terei de fazer algum milagre com meus 90 centavos. A responsabilidade em ser dona da minha vida, dos meus discursos e das minhas diretrizes, a coragem para sustentá-las até o fim, afinal, não se pode ter 20 anos e não ter uma cabeça formada, perfeita e bem. Passei o ano todo esperando pelos 20, mas ao contrário dos 18 – que aliás nomeiam esse blog – os 20 não chegaram cheio de glória e champanhe. Foram um batalhão, 10 á minha direita e 10 à minha esquerda, e por pouco eles não cairam – pensando bem talvez seja pela minha fé que se esvai.

Fé em mim e em tudo o que eu acreditava. A cada dia mais vejo como o mundo é podre e como talvez seja insano lutar contra essa podridão. E é nessas horas que uma luz lá no fundinho me diz que ainda vale a pena. Na TV, celebridades de 22 anos já tem um patrimônio com o qual eu só posso sonhar, um casamento dos sonhos com direito a lua de mel em África do Sul. Tenho 20 mas a pressão para ter uma carteira assinada me é dita nos olhos de todos a cada dia, aquela voz que me diz sempre que acordo “você não tem um trabalho” é sufocante. E não adianta eu dizer que o blog é meu trabalho, afinal “o blog não paga suas contas” e é assim que até mesmo o meu maior prazer, blogar, é tirado de mim. As pessoas pedem que eu faça algo visando lucro, nunca lazer, nunca agir por paixão ou amor, sempre apenas pensando no futuro. E é esse pensamento que me esmaga como um chiclete jogado no meio da calçada.Leia mais

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Como aceitar seu corpo? Venci autoestima baixa, transtorno de imagem e bulimia
Como fazer a menstruação atrasada descer rápido.
Literatura

O tedioso fantástico de Murilo Rubião| Resenha Obra Completa de Murilo Rubião

07.01.18

O tedioso fantástico de Murilo Rubião| Resenha Obra Completa de Murilo Rubião por Samira Oliveira dezoitoemponto.comMurilo Rubião não se cola a nenhum modelo anterior, estreante em 1947 com 15 contos que compunham “O Ex-Mágico”, o autor mineiro foi recebido sem alarde mas com seu devido reconhecimento, no entanto, tido ainda com certo receio por Mário de Andrade. Em 60 e 70 quando o Boom latino-americano apresentava nomes como Julio Cortázar, Mario Vargas Llosa e Gabriel García Marques e a acentuação do fantástico nessa literatura, entra em choque com a “ave rara” de nossa literatura fantástica, Murilo Rubião. Ao morrer em 1991, nos deixava em torno de 32 contos várias vezes reescritos, mas que são como jóias para nós. Davi Arigucci Jr. sobre Murilo Rubião diz: o fantástico é ainda uma dimensão do real, carregada de verdade humana e histórica, afinal de que matéria se apoia a dita “realidade” se, a partir do momento que tomamos uma realidade tida como “certa” excluímos outra que talvez seja ainda mais “certa” sob outro ponto de vista. Com a realidade mutável, Murilo apresenta a sua realidade e faz com que o leitor se afunde em seu mundo e aceite como “real” uma mulher que seja do tamanho de um navio e um edifício que cresce sem parar.O tedioso fantástico de Murilo Rubião| Resenha Obra Completa de Murilo Rubião por Samira Oliveira dezoitoemponto.comOs personagens de Murilo Rubião são sombrios, tediosos, arrogantes e quase sempre chatos; como o narrador de “Teleco o coelhinho” e  o jornalista de “Marina a Intangível”. O personagem fantástico do passado, como Drácula, detinham a magia e tinham o propósito de assombrar; já o personagem do século 20 em diante se fixa na sombra da mesmice; o personagem de Kafka abre mão da exuberância do fantástico e busca uma realização mais discreta. Em Rubião, o personagem é arredio ao fantástico, ou como diz Arigucci: há nos contos o sequestro da surpresa.

Leia também resenhas de outros livros da Companhia das Letras: Um útero é do tamanho de um punho, A Sereia, A Insustentável Leveza do Ser, Para Educar Crianças Feministas, Ondjaki,

Por ter trabalho como funcionário público, Rubião problematiza a sujeição do funcionário; o sujeito como máquina de repetição, como tédio, como o exercício cotidiano da microfísica do poder, quase como se o sistema que devora o funcionalismo público fosse uma identidade elevada; assim é o jornalista de “Marina a Intangível”.

Leia mais

Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!
O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Página 6 de 33
«1 ...2345678910... 33››