Posts da tag "Empoderamento feminino"
Literatura

Resenha: livro da Alexandra Gurgel – Pare de Se Odiar – porque amar o próprio corpo é um ato revolucionário!

10.12.18
Livro: Pare de Se Odiar
Série:
Autor(a): Alexandra Gurgel
Editora: Record
Genero: autoajuda
Páginas: 153
Classificacao:
Sinopse: O livro de estreia de Alexandra Gurgel, youtuber do canal Alexandrismos com mais de 300 mil inscritos. Alexandra Gurgel, criadora do canal Alexandrismos no Youtube, é conhecida por abordar em seus vídeos temas como autoaceitação, o movimento body positive, autoestima, relacionamentos e a luta contra a gordofobia. Em Pare de se odiar a autora tem como objetivo ajudar suas leitoras a trilharem o caminho do amor-próprio e o da construção de uma autoimagem mais positiva, entendendo como a sociedade em que vivemos interfere diretamente na relação que temos com o nosso corpo. Alexandra, que tem sido uma das vozes mais atuantes do movimento body positive no Brasil, traz no livro uma mensagem honesta e acolhedora, a partir de sua experiência pessoal para mostrar que amar o próprio corpo é, de fato, um dos atos mais revolucionários deste século.

Pare de Se Odiar – O que você busca está buscando por você!

Pare de Se Odiar é o primeiro livro de Alexandra Gurgel – também conhecida como Xanda – e pioneira no body positive no Brasil. Em seu canal ‘Alexandrismos‘ ela fala sobre corpo, aceitação, empoderamento feminino e feminismo. Além disso ela é uma inspiração para milhares de mulheres – inclusive pra mim, que queria muitíssimo fazer uma colab com ela (quem sabe né hehe).

Eu acompanho a Xanda há bastante tempo – bastante tempo mesmo, bem antes de ela ficar super famosa e de aparecer no comercial da Avon por exemplo (afe, que orgulho!). E fiquei impressionada pela quantidade de coisas que ainda não sabia sobre ela e sobre sua vida antes da sua ‘morte’. Calma ai, vou explicar. Quando era mais nova e com muitos transtornos de imagem, alimentares e com uma autoestima quase abaixo de zero, ela tentou se matar – é, temos algumas coisinhas em comum. Mas a diferença é que eu nunca cheguei tão longe, só pensava nisso com muita frequência e cheguei bem perto, várias vezes, de tentar. Ela chegou num ponto em que nada mais importava e que ela não via saída, curioso que isso foi logo depois que conseguiu ter um corpo ‘perfeito’ e bem perto do padrão a partir de intervenções cirúrgicas. O que nos faz perceber como depois de finalmente emagrecer, o mundo não se torna magicamente belo e perfeito.

Nossas histórias tem pontos em comum

Talvez você perceba alguns pontos em comum entre a minha história e a da Xanda. Eu também já fui magra – não tanto quanto eu gostaria, mas bem perto do padrão de beleza que eu tanto almejava alcançar. Nessa época eu estava profundamente desgraçada da cabeça. Se por um lado estava na transição para minha nova vida, me mudando pra São Paulo e passando na FUVEST, por outra, eu estava constantemente me regulando. Eu pensava no meu corpo com o máximo de ódio que eu podia, eu tinha aversão à comida e a via como a pior coisa da minha vida, cada outro mínimo detalhe do meu corpo eu detestava. No fim, eu me tornei uma maluca que ficava o dia todo sem comer, que fazia escola, cursinho e aulas extras á tarde e que quando tinha um tempinho livre corria pra academia. Na academia eu treinava até exaustão e me alimentava de uma barrinha de proteína e de água com muito gengibre. A noite, no cursinho, eu jantava alface com pimenta e essa era minha refeição do dia. Eu fazia de tudo para ter o corpo perfeito que sempre quis – tudo isso em meio ao stress e ansiedade de passar no vestibular.

Conheça meu canal Samira Oliveira e principalmente os vídeos: Consegui Finalmente Amar Meu Corpo e Quando Eu Emagrecer Tudo Vai Mudar

Eu era refém de cada caloria que ingeria e contava cada uma delas – até mesmo a quantidade de água gelada eu contava, afinal não queria que a balança atestasse um grama a mais que fosse. Meu corpo estava lindo – eu ouvi muito isso nessa fase – mas só eu sabia o sofrimento que estava por trás, as muitas tentativas em vomitar e não conseguir. Nisso também me identifiquei com a Alexandra, ela também não conseguia ser bulímica ‘na prática’ e só muito depois entendeu que era sim bulímica – assim como eu – a chamada “bulimia nervosa”.

Leia mais

O Guia do Cavalheiro para o Vício e a Virtude | representatividade bi no século XVII
O Diário de Myriam – Um relato fiel e puro da Guerra na Siria| Resenha DarkSide Books
Jack O Estripador – Rastro de Sangue | protofeminismo na Londres Vitoriana, suspense e cadáveres
Poesia Textos

10 Melhores Poemas Eróticos – para curtir sozinha ou acompanhada.

13.09.18

Literatura erótica é um assunto que venho tentando trazer aqui pro blog há um tempo. Decidi por fim começar com poemas do gênero. O efeito deles – mais do que qualquer outro assunto que chegue aos versos – pode ser sentido em  um relacionamento ou sozinha. Já perdi a conta de quantos depoimentos já recebi de quem melhorou o relacionamento, salvou casamento e aumentou a própria auto estima ao ter esse tido de experiência com a leitura. E não vou mentir, é algo que me atrai muito e que estudo por conta própria (por enquanto, mas a ideia é pesquisar essa área, quem sabe um mestrado? hehe). Pra começar gostaria de pôr duas ressalvas; primeira, este conteúdo é adulto, ou seja indicado a maiores de 18 anos, okay? E segundo, esta é uma área séria e realmente estudada na Letras, haja vista a grande Hilda Hilst que teve destaque da Flip deste ano e Marquês de Sade (tenho certeza que se você não leu algo dele ao menos já ouviu este célebre nome) por exemplo.

Sem mais delongas, vamos aos 10 melhores poemas eróticos – alguns atuais, outros nem tanto… Mas prepare  o coração, o corpo e quer uma dica? um vibrador também (encontre neste sex shop)

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Vênus s.f. (@venusterceira) em

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo.
Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

Escapar de sua casa que é o rio
E deslizando apenas, nem tocar a margem.

Te olhei. E há um tempo
Entendo que sou terra. Há tanto tempo
Espero
Que o teu corpo de água mais fraterno
Se estenda sobre o meu. Pastor e nauta

Olha-me de novo. Com menos altivez.
E mais atento.

– Hilda Hilst

Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Fotografia Textos

A Nova Eva e a conspiração de Lilith – Ensaio Fotográfico

23.08.18

Eva, a primeira mulher da Terra. Primeira ancestral nossa, nossa mãe. Não entrarei no fato de ser este um mito, cada um acredita no que lhe convém. Mas é importante ver poeticamente Eva, com outros olhos. Enxergar, mais do que apenas ver, o símbolo de submissão que ela representa, as teorias da conspiração em volta disso e como podemos trazê-la até nós, aproximar sua simbólica figura do nosso feminino. É isso o que quero nesse projeto, com a fotógrafa Lainy Cherry. Na hora eu não pensei muito sobre. Só me veio à mente “Eva”. Talvez como um grito dela própria que há muito havia se perdido. Talvez por estar em meio às folhagens e me reconhecer como ser mulher. Entre tantas verdades, a maior: desde Eva tentam calar nossa voz.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento

Canta, oh deusa, sobre a primeira mulher criada, sobre as escrituras sagradas e sobre a profana ilegitimada. Contam nos amuletos antigos sobre o mais antigo ser, nascida antes mesmo do homem, Lilith. Mas também criada junto ao seu oposto no Gênesis da história. Canta, musa, sobre a mulher que se negou a ser menos, que pegou pra si a dominação – e por ela se enfeitiçou – que cobriu Adão e se negou, a ser menos, a ser a mulher que eles queriam. Talvez tenha andado pelos bosques do Éden e gritado, ser o mais perfeito ser criado, à imagem e semelhança da própria Deusa.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento

O profeta me conhecia como “primeira mulher”. Me apagaram da história por ser igual ao homem. Abandonei a pé esse falso paraíso de mentiras e maldições. Voei como coruja, como animal noturno que tem um rumo na noite. A noite, querido, pertence a mim. Foi com ela que fiz meu próprio Éden. No Mar Vermelho construí meu deserto e dei a luz a meus filhos, rebelião, é disso que eu gosto, sexo, é disso que eu me alimento. E a maior verdade é que te assombro de medo, você olha em meus olhos e vê o poder que desejaria ter. Sente meu cheiro e te torna cego, até minha voz, querido, te embriaga. Você me teme e me deseja, e talvez eu possa te levar comigo ao meu inferno – se tu merecer. Quase todas as civilizações me vêem como maldita, me afastam com temor. Mas algumas, mais sabias, matriarcas, reconhece em mim a maternidade e o poder que posso lhe oferecer. Às minhas filhas: unam-se é chegada a hora de despertar esse mundo.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento por Samira Oliveira e Lainy Cherry

Recentemente Eva me revelou: “não fui feita de costela nenhuma, fui criada isolada dentro do meu próprio coração. E toda essa história de deus e criação. Foi para tentar conter, o tamanho da imensidão. Que eu ocupava.” E quando conheci a serpente, conheci a mim mesma, uma outra face que eu queria a todo custo ignorar. Sabia da outra, sabia da sua revolta, e por me reconhecer como igual mordi a maça. E mordi com gosto, com desobediência aos que queriam me diminuir. Queria o conhecimento sim, queria que ela me admirasse sim, e queria dividir com Adão, essa enxurrada de informações, de prazeres, de luz… E nós duas fomos luz demais, Lua demais, profundidade e intensidade tamanha, que hoje, em dia, toda a humanidade, nos teme e tenta nos aniquilar.

A Nova Eva e a conspiração de Lilith - Ensaio Fotográfico sobre feminismo, sagrado feminino e empoderamento por Samira Oliveira e Lainy Cherry

Então exclamou Adão: “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’, porquanto do ‘homem’ foi extraída”. Mas ele não sabia, que minha essência há muito a Terra já habitava. E como satélite noturno, por ela orbitava e guiava. É meu poder feminino que dá vida a esta humanidade, reconhecer isso é pré requisito, é o minimo esperado, para quem tanto deve à minha intimidade. Que se ergam templos e religiões, que sejam montados sob flores e pecados, que seja um local repleto de paz e felicidade. Para guiar essas almas, todas essas perdidas almas, à verdadeira essência do que somos.

Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Pessoal Textos

O Cotidiano da Mulher Segura – ou “jantares sozinha” – ou “o final cíclico de um amor” – ou “a mulher que eu quero ser”

05.08.18
O Cotidiano da Mulher Segura - ou "jantares sozinha" - ou "o final cíclico de um amor" - ou "a mulher que eu quero ser" por Samira Oliveira dezoitoemponto.com @samira_omg

PRÓLOGO

É sábado e oficialmente o meu primeiro final de semana sozinha nessa cidade que nunca descansa. Logo cedo estava decidida a fazer desses dias inesquecíveis. Baseada totalmente em impulsos reais fui até uma cidade vizinha, Cotia, ter uma experiência fora do comum, um ensaio fotográfico totalmente centrado em amor próprio, conexão com a natureza e enfim, empoderamento. Senti com aquela mulher como se nós duas coexistíssemos sozinhas no universo, buscando na essência de ambas uma forma única de expressão e de sacralidade. (mas isso é história longa para outro post). À noite voltei com ela e voltei ouvindo uma belíssima história de amor – vício desses meus ouvidos ávidos por histórias sejam elas de amor ou apenas de paixão, a verdade é que amo ouvir as pessoas – confesso que pensei um pouco em alguém, lembrei de algo que não poderia jamais esquecer e por isso também fiz um texto todinho dedicado a estes pensamentos:

Então querido, cá estou eu, no exato lugar onde nos encontramos na primeira vez. A ironia dessa cena é que eu não planejava vir aqui, vim sem querer, vim por força do destino ou de qualquer outra entidade que te apeteça. Na verdade assim que soube que era pra cá que eu me encaminhava, logo de cara, nem me lembrei da sua existência – assim como tenho feito durante esses meses. Mas agora chegando aqui eu lembro de você e lembro com força. O estacionamento está lotado de gente, bem diferente daquele dia em que havia só eu, você, e um mundo em suspensão. Absorvo essa ideia, quando cheguei eu só queria tomar o Uber mais próximo e rumar pra casa, tomar um banho e me enfiar sob as cobertas, assustada com a possibilidade de lembrar mais de você. Intensidades, você dizia, eu sou feita da matéria intensidades.

Mas não, eu sou outra, tenho um cabelo curto que me renovou, estou mais vestida à unisex do que a feminina e tenho muito mais poder do que jamais tive. Então eu não vou embora, decido ficar e jantar sozinha no shopping. Isso na verdade é algo que sempre pensei ser muito romântico – sim, amor comigo mesma, afinal eu estou muito apaixonada por mim! E sempre pensei ser o ideal de mulherão. Pensava: o dia que eu for sozinha até o shopping e jantar eu vou ter finalmente me tornado a mulher que eu quero ser. Isso que me assusta em ser intensa, em ser escritora, uma simples escolha me gera e me faz parir 2 ou 3 textos, por isso também não te culpo, sei como isso te assusta – ou ao menos, te assustou. Quando saí do carro lembrava da comida mexicana que comi no dia do meu aniversário de 20 anos. Mas logo me esqueci dela, essa fluxo de consciência que me brota sempre me diz mais de mim do que eu esperava.

Entrei por fim no shopping, mochila nas costas, celular no bolso da minha mom jeans predileta, e claro, um carão digno de série americana. Inicialmente minha meta era jantar algo gostoso – mesmo tendo comida em casa eu sinto que mereço esse carinho, mesmo tentando economizar esse mês. Então vou até a praça de alimentação rumando como uma mosca hipnotizada, até o KFC, mas um “boa noite” da atendente de comida Mexicana me interrompe – destino, conexão de pensamentos ou apenas sorte, chame do que quiser. Então pego o cardápio, indecisa em comer sozinha nachos e quacamole ou tacos – apesar de querer muito burrito, eu sei que minha fome pede tacos. Totalmente impulsiva – como fora o dia todo – vou à fila, peço o prato com nachos e ainda Coca-Cola, e me sento pra esperar. Acho interessante como todo mundo na praça de alimentação está acompanhado, de um lado um casal que dá as mãos, do outro um grupinho de amigos meio góticos, do outro um pai com seu filho. E quase à minha frente finalmente uma mulher – mais velha que eu – e aparentemente sozinha, ela me olha e eu penso “ora então ela também vai jantar sozinha, esse aí é o meu futuro, olha só que mulherão” Mas tempos depois chega outa moça mais nova e quase idêntica à ela, no entanto vestida também com um casaco verde – como o meu. Ah tá então era por isso que ela me olhava, vai ver pensou que eu era a filha dela…Leia mais

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Em voga

Como aceitar seu corpo? Venci autoestima baixa, transtorno de imagem e bulimia

11.07.18

A minha ideia de corpo perfeito era baseada no corpo das minhas amigas. Todos os dias eu me comparava com  elas e me odiava por não ter aquele corpo. Meu maior sonho era que um dia, como mágica, eu acordasse no corpo da menina que eu achava mais bonita. E naquele dia eu seria extremamente feliz, teria vários amigos dentro e fora da escola, todo mundo iria me amar pelo meu corpo de modelo e eu iria ter o menino que eu quisesse (ideias de adolescente com uma auto estima beirando o zero).  A cada dia minha autoestima era mais diminuída.

Mais tarde na adolescência começou todo o lance de dieta e regime e quem não fazia nenhum desses não era nem considerada garota de verdade. Eu não contava a maioria das vezes que ia à nutricionista quando era criança mas, nessa outra época, se num eu dia trocava comida normal por água eu contava, se eu ficava 3 horas direto malhando eu também contava. Queria que elas vissem que eu me esforçava pra ser como elas, para ser bonita e perfeita. Queria que fosse como hoje em que você menina adolescente tem eu pra te contar isso, quanta coisa não teria sido mais simples e menos dolorosa se eu pudesse me ouvir contar o que conto nesse blog. É por isso que esse blog e canal existem quero assim ajudar o máximo possível de pessoas como se fossem eu mesma do passado; quase como compensando o presente que foi ter passado por tudo e estar viva ainda. Minha autoestima sempre foi o de me depreciar por dentro; se as vezes eu me sentia bonita,  isso passava em segundos porque por fora eu sorria mas por dentro eu gritava por socorro. A primeira vez que, eu parada da frente da casa da minha tia, um carro com garotos passou e gritou algo como “gostosa” ou “linda” eu me senti bonita verdade – tive que ouvir um assédio para me sentir aceita por mim, tive que ouvir a “opinião” de desconhecidos sobre mim para poder ter um pingo que fosse de amor próprio.

Acho que algo começou a mudar quando entraram umas meninas novas na minha sala da escola, e que apesar de não nos falarmos muito hoje, elas foram muito importantes para mim naquele momento. Uma delas, que chamaremos aqui de Evelyn (nunca conheci nehuma Evelyn então tudo está muito seguro), Evelyn tinha um corpo parecido com o meu, ela era até um pouco mais gorda que eu. E Evelyn era diferente de tudo o que eu já tinha visto, ela era animada, inteligente e totalmente feliz, principalmente com a sua imagem (pelo menos era o que aparentava). Ela contava que ficava com os garotos faz tempo e que tinha vários outros atrás ela. Na minha cabeça isso era inconcebível, porquê eu olhava pra ela e via a mim mesma e pensava, “mas como alguém pode gostar dela, que é igual a mim, nos somos gordas, nunca que alguém pode gostar dela”. Eu não via que ela era sim linda e que eu também era, na verdade na minha cabeça eu era muito mas muito mais gorda que qualquer outra justamente porque a minha unica inspiração eram as meninas da magras da minha escola e da mídia. E não, a família não adianta, minha família é mais cheinha mesmo, mas isso não afetava a forma como eu me via. Não fazia eu ter mais gentileza por mim. Antes era apenas mais um realçador do meu auto ódio, já que eu nunca poderia mudar pois estava na minha genética ter aquele corpo.

Hoje uma das coisas que mais amo é me olhar no espelho de relance e logo fazer um carão ou simplesmente ver como o meu corpo tá no momento. Mas antigamente eu fugia dos espelhos, mostrar o rosto tudo bem, mas espelho de corpo inteiro nunca. Acho que não tenho nem lembranças do meu corpo sem roupa em frente ao espelho e o que eu mais aconselho a você é fazer um exercício simples de tirar toda a sua roupa, e ficar de frente para um espelho de corpo inteiro. Te ver em pé, sentada, de lado, de costas, sem segurar a bariga, sem fazer pose, apenas você. Pode ser que nesse momento você chore ou pode ser que tudo seja tão natural e gradual como foi comigo. Que você olhe as primeiras vezes eu não se veja como é, não se veja com amor, mas as poucos você vai se olhando e se reconectando com a imagem do espelho, vai percebendo que aquilo que você é não pode ser mudado da noite pro dia, percebe que há beleza em você, uma beleza que você só não percebeu por causa de todas as muitas camadas na sua cabeça que a fizeram ver qualquer corpo fora do padrão como feio. Hoje para ficar em casa, ou eu fico nua ou com um vestido de ficar em casa ou um roupão ou camisola, e é libertador se conhecer e se sentir livre dentro de si. Eu queria muito poder te oferecer um guia e 5 passos para uma autoestima elevada, mas isso nunca poderá acontecer porque cada pessoa luta uma guerra própria e passou por batalhas únicas. O exercício da aceitação e, principalmente do amor próprio, são feitas diariamente. Beijos de luz.

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Como fazer a menstruação atrasada descer rápido.
Sobre términos de namoro e força feminina
Página 1 de 5
12345