Posts da tag "Enem"
Em voga

Possíveis abordagens ao tema “Intolerância Religiosa” no Enem 2016

09.11.16
Possíveis abordagens ao tema do Enem 2016 Intolerância Religiosa bolsonaro, ana paula valadão, catequização dos índios, cristianismo, matriz africana, umbanda candomblé, rezam fé, crer

Assim que foi liberado o tema da redação do Enem 2016 e eu fiquei sabendo sobre ele pelo Facebook, já fiquei muito feliz com a escolha. Na verdade a primeira coisa que me lembrei, e que acho de suma importância ser discutido – e portanto esse tema voltar à tona e ser repensado por milhares de estudantes é tão importante – diz respeito à intolerância com religiões de matriz africana. Eu andei pesquisando um pouco mais sobre o assunto e vou deixar esse link aqui  para você saber mais sobre as cerimônias africanas e toda a história de como cada uma se originou.

Atraso social ou mau uso da religião?

Bem, desde que entrei na Letras percebi – antes de mais nada – um esforço descomunal conjunto em negar qualquer religião que supostamente alguém siga. Subitamente parece que todo mundo vira ateu ou agnóstico, parece que os que seguem alguma religião tem que falar meio que disfarçadamente, e quando perguntado se você crê em algo é esperado um veementemente não, ou , no máximo um mero sussurro sobre o que você crê. Isso nos abre porta sobre esse pensamento que nos permeia – o de que; acreditar em uma força sobrenatural, seguir uma religião, ir à cultos, missas ou qualquer cerimônia religiosa – o torna quase um ignorante. E porque tantas afirmações desse tipo? Seria apenas pelo desenvolvimento das crendices, que passou daquele pensamento natural de “deus trovão”,por exemplo, para os deuses personificados no ser humano (como os gregos) e depois algo mais próximo do que temos hoje? Seria esse percurso das crenças que faz com que as religiões que temos hoje sejam tão desprezadas? Seria mesmo o dom de acreditar em algo transcendente a nós, algo atrasado? Foi ai que comecei a refletir, e meus colegas da Letras foram essenciais para isso. Hoje em dia se reclama tanto das religiões por motivações como a existência da bancada evangélica. Se fala tão mal dos religiosos por se generalizar que todo religioso vai querer influenciar a vida de toda uma sociedade, sendo que, em tese e na real moral isso não deveria ser assim. Uma coisa é política, outra coisa bem diferente é religião, e estas NÃO se misturam! Mas não é isso o que vemos hoje; vemos o aborto sendo vetado com desculpas religiosas, e ideias tão absurdas quanto quase ingênuas de “bolsa estupro” advindas da bancada evangélica, ou então o infinito discurso sobre casamento gay e a o peremptório “não” desses grupos (como se eles tivessem o poder de decidir, bom pelo menos não em teoria) Então, o que realmente mancha a visão ante todas as crenças? Fica implícito neste parágrafo. Ah e por favor, não confunda, não estou colocando a culpa nos evangélicos ou católicos, mas na vontade de alguns representantes em misturarem religião e política. Recentemente li algo que o Padre Fábio de Melo escreveu e que cai certinho no que eu quero dizer, para ler a matéria e os tweets clique aqui  vou transcrever uma parte importante do que ele disse: “A união civil entre pessoas do mesmo sexo não é uma questão religiosa. Portanto, cabe ao Estado decidir. Aos religiosos reserva-se o direito de estabelecerem suas regras e ensiná-las aos seus fiéis. E isto o Estado também garante. As igrejas não podem, por respeito ao direito de cidadania, privar as pessoas que não optaram por uma pertença religiosa, de regularizarem suas necessidades civis. Se duas pessoas estabeleceram uma parceria, e querem proteger seus direitos , o Estado precisa dar o suporte legal. São situações que não nos competem. A questão só nos tocaria se viessem nos pedir o reconhecimento religioso e sacramental da união.” Em suma, as religiões como um todo estão sendo frequentemente atacadas por essa influência medieval que eles querem impor. O dia em que todos eles pensarem e agirem como esse padre, quem sabe não pode começar a reverter essa história?

A Igreja Católica através dos séculos e hoje.

Conheço uma pessoa que infelizmente se mostra extremamente intolerante perante o cristianismo. Ela afirma ter lido a Bíblia e estudado-a inteira, mas bom, acho que mesmo assim não conseguiu entender nada. Essa pessoa, praticamente toda semana encontra uma forma de ofender o cristianismo. Seja por xingamentos, deboches, histórias más contadas e diversos absurdos falados. Uma coisa que me incomoda muito além de todo esse desrespeito e intolerância foi uma frase: “acho um absurdo ver mulher e negro na igreja, pensar tudo o que a Igreja fez para eles”. Bom, vamos com calma, se fosse assim ninguém ia ser amigo de alemão porquê “ai, os parentes antigos deles foram nazistas assassinos, viveram nesse país” ou ninguém ia aceitar em ser descendente de português porquê eles tomaram o país dos índios. Se for ficar vendo o passado, todo campo social tem uma mancha na história, se fosse assim, ninguém mais leria Moby Dick pelo horror com que os baleeiros tratavam os animais. E às vezes, por outro lado, eu penso que o mundo e a sociedade estão progredindo e muito! E quanto mais tentarmos fazer isso progredir melhor vai ser. Então o problema não é ter religião, é querer impor ela pra todos – o que é um absurdo. E também isso de sempre tocar na mesma tecla de que a Igreja fez coisas de que não se orgulha, ótimo, todos sabemos disso, assim como a Inglaterra fez bobagem e ninguém deixa de ir para o país, assim também o catolicismo, ninguém vai sair dele pelos erros do passado. Pelo menos os erros não se repetem e estão cada vez mais diminuindo ideias conservadoras e fechadas – exemplo disso é o Papa Francisco que chegou até a dizer que todos nós devemos desculpas aos gays e que ele não tolerará discriminações contra eles (pensem no avanço que isso é e em como pode avançar cada vez mais!)

Leia mais

Os Meus 13 Porquês| Podem acreditar numa garota viva?
Como as bonecas Barbie influenciaram a imagem que eu tenho do meu corpo.
Desculpa, mas não dá pra ser um “Feliz Dia” das Mulheres