Posts da tag "entendimento"
Pessoal Textos

Quando o adeus é o melhor do “Era uma vez”

29.08.16
QUANDO O ADEUS É O MELHOR DO -ERA UMA VEZ texto autora escritora Samira Oliveira

Hoje o dia todo percebi que não te disse coisas que eu deveria ter dito. Não disse. Bom, talvez tenha dito – usando outras palavras, ou talvez falando entre os dentes, mas disse. Simplesmente porquê, você sabe, eu não consigo não falar o que sinto, não me manifestar. Não posso ficar com a palavra entalada na garganta. E é por isso, e pelo bem de nós dois que eu preciso finalmente me despedir.

Finalmente eu não estou chorando – o que é um milagre, visto que desde que você chegou e me ensinou a chorar eu não parei mais – derramando águas por todas as minhas forte emoções, seja de uma batida no dedinho do pé até o casamento dos meus professores. Não estou chorando, porquê demorei muito para chegar a este consenso entre os meus sentimentos mistos por você – hey, não se assuste, não é o que está pensando.

Hoje mesmo um amigo me disse que temos que fazer com que o infinito caiba no tempo limitado que você tem ao lado de quem ama. Porque se Deus te permitiu que encontrasse aquela pessoa e que você ficasse com ela por aquele determinado período de tempo, poxa, você é um homem de sorte. Se conseguiu encontrar o amor – entre tantas pessoas – e passar um tempo ao lado dele é porque esse tempo deve – Precisa – ser, valorizado. Precisa fazer caber todo um infinito de amor e de sentimentos naquele pequeno tempo limitado. Precisa fazer com que todos o filmes assistidos agarradinhos no sofá – com os pés frios enrolados nas pernas do outro – valham a pena. Tem que fazer com que aquele giro inesperado no meio de alguma loja do Shopping – com um monte de gente olhando feio ou rindo – valha a pena. Fazer com que todo o tempo que gastaram decorando o nome de cada parente distante, guardando a localização exata de cada pintinha no braço do outro, de cada caracol do cabelo, de cada marca de perfume que outro usa – tenha valido a pena. Temos que fazer isso tudo valer a pena. Afinal, essa deveria ser a maior lei de todo relacionamento: vamos fazer valer. Se não for para fazer valer então nem comecem; se não for para chorar sem motivo à noite – imaginando como seria sua vida se Deus o pedisse de volta – então não fique. Se não for para me escrever cartinhas dizendo o quanto você mudou e agora até canta no chuveiro porquê eu trouxe luz à sua vida – então não fique. Se não for para parar a sua vida, e adiar o seu mundo – então…não fique…Não! Não adie o seu mundo por mim! É por esse meu pensamento egoísta que eu tenho medo de nós dois. Tenho medo porquê minhas asas são enormes e as suas são para voar rente ao chão. Tenho medo porque você é fiel com cada célula do seu corpo – e eu não tenho a mesma certeza sobre mim. Você quer a segurança – eu quero o pulo de asa delta. Você quer morar numa mansão – eu quero nós dois fazendo brigadeiro e jogando bola pros nossos cachorros numa casinha de madeira. Você quer o mundo – eu só quero você. Eu sou do mundo, eu tenho mundo – mas eu não tenho você. Eu quero me entregar – você tem medo. Eu te conto até sobre as minhas dúvidas existências, eu abro meu coração, eu desnivelo o que sou, desenrolo meus pensamento, abro e estendo a você cada milímetro da minha essência – porque cada ato meu é um resumo de tudo que eu já passei e vivi – mas você se fecha e não me deixa sequer bater. E nesse jogo todo você não me deixa atingir a sua essência. Você não me mostra o que você é.

Por essa razão eu digo: chega. Sabe quando a Linha Azul se encontra com a Verde nas Estações Ana Rosa e Paraíso? Foi aquele momento – aquele importante momento – em que elas se encontraram. Por isso, se me foi permitido que eu te encontrasse nessa momento, e que nossas linhas se cruzassem. Se nos foi permitido termos um ao outro até esse momento. Não podemos ter medo de dizer adeus. Talvez nossas linhas tenham outros pontos para cumprir, tenham outras vidas para transformar. Talvez, bem talvez você consiga dormir à noite pensando em outra – agarrado à foto de outra. E talvez, bem talvez, algum outro alguém consiga curar meus medos como você curou – e que você rasgará novamente se se for. Talvez alguém me ensine novamente como é ser forte, como é ser bela, como é me sentir linda. Talvez um outro alguém seque minhas lágrimas exatamente como você fez. Talvez outro alguém me abrace forte enquanto eu conto sobre o meu avô sob um céu estrelado. E talvez você finalmente encontre as palavras necessárias para escrever uma música para outra – palavras que você nunca encontrou para mim. Talvez um dia ela também te dê forças para continuar a sonhar – até mais do que eu. Talvez ela entenda o sorriso da sua mãe – mais do que eu. E seja até mais agradável para com o seu irmão. Talvez com ela seus pais digam como gostariam de tê-la em sua família – e ai eu sei , você vai sorrir (dar aquele sorriso que eu tanto amava) e dizer que esse dia está próximo, o dia que vocês serão uma só família. E eu? Eu serei apenas a linha que prosseguiu. Alguém que precisou partir porquê não foi forte o suficiente, porque não lutou o suficiente. Ou apenas porquê foi forte de mais – verdadeiro de mais. E as nossas linhas se encontraram exatamente naquele tempona intensidade daquele momentoque foram o bastante para transformarem a vida dos dois. Talvez, bem talvez um dia eu aprenda que eu também queria morar numa casa grande – e você também gostaria de móveis em madeira. Talvez a gente perceba que as nossas linhas eram para terem continuado – que apenas não seguiram juntas por causa de uma pedra no meio dos trilhos. Então quem sabe, suas asas terão crescido e você terá voltado para aquela cidade. E eu? Bom, você sabe onde eu moro! Afinal fui eu quem quis assim não é mesmo? E os caminhos que tanto deveriam ter se separado – terão finalmente encontrado o caminho de volta.

Precisamos apenas fazer com que o seu caminho e o meu se encontrem eté o fim do trilho Que não sejam talvez o mesmo –mas que sejam parecidos. Que os nossos caminhos possam – quem sabe um dia – se tornar o mesmo. Assim como os meus pensamentos – que se emarranham tanto que eu não sei mais onde começam os sentimentos sobre mim e os sentimentos sobre você . Como eu poderia algum dia sequer tentar separá-los sem arrancar metade da essência do que eu sou? Sem portanto, finalmente alegar um grande arrependimento? – justo eu que julgo que cada ação é um resumo do que sou! Precisamos fazer com que nunca nossas linhas sejam tão diferentes uma das outras para que seja necessário partir. Precisamos – da janelinha do trem – gritar com todo os ar dos nossos pulmões: Adeus! Adeus para que possamos recomeçar. Adeus para que não tenhamos medo do fim – do desconhecido. Para que possamos continuar seja em outra vida, seja em outro trem. Adeus para que sempre nos lembremos de que nossas linhas podem se reencontrar – seja nessa vida, seja em outra. Adeus porquê eu sei exatamente, que meus olhos só vão brilhar quando for você quem me levantar no colo. Adeus pois apenas eu sei o jeito exato de mexer nos seus cabelos – sei exatamente como te fazer se sentir único. Adeus pois o nosso fim chegará apenas quando Deus quiser. Adeus pois quero sempre recomeçar com você. Adeus porque eu não aguento mais chorar – eu não quero você longe mas eu quero que siga o seu caminho. Adeus pois a gente vai se reencontrar.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Em voga

Motivos para que Bolsonaro em 2018 seja Presidente…Da prisão.

11.07.16
Segundo o espiritismo ele não vai reencarnar nunca mas achei ótima a ligação.

Segundo o espiritismo ele não vai reencarnar nunca mas achei ótima a ligação.

Recentemente publiquei no meu facebook, uma simples nota de que, pessoas que curtissem a página do senhor Jair Bolsonaro, e que portanto compactuassem de seus ideais, por favor se manifestassem de alguma forma – pois eu teria o maior prazer em excluí-los. Em nenhum momento fiz “discurso de ódio” – mesmo possuindo tal sentimento referente a este parlamentar. Algumas pessoas me disseram que “pra que isso, estamos em uma democracia. Se você tende a reprimir ideias contrárias está sendo incoerente”. Bem, primeiramente o Facebook é meu e eu tenho o direito de escolher quem eu quero no meu círculo de amizades – virtuais e “reais”. Meu respeito pela democracia é tanto que convidei tais pessoas a se pronunciarem – o que foi feito, mas nenhum comentário meu foi refutado, engraçado isso né . Também não achei tal medida “desnecessária” visto que as ideias que esse homem defende põe em risco a segurança e a integridade de mulheres, negros e homossexuais – ou seja, justamente os marginalizados pela sociedade. Mas a única coisa que me disseram e que realmente me tocou foi: “Pessoas como ele ganham credibilidade por existirem pessoas que o ouvem que dão trela para o que ele fala, se ele fosse ignorado e não dessem atenção não teria crescido tanto”. Infelizmente o estrago causado por Bolsonaro já foi feito faz tempo, é muito fácil encontrar na internet milhares de pessoas homofóbicas, racistas e misóginas que apoiam esse homem. E é por existirem pessoas que de uma forma ou de outra concordam com o que ele fala, é que pessoas como eu precisam de pronunciar; abrir os olhos dos outros ou ao menos tentar que seus adeptos regenerem ao menos parte de seus neurônios perdidos.

Pensei bem feliz que meus amigos seriam todos muito bem educados, com seus neurônios todos funcionando e passando muito bem da cabeça. Entretanto não foi isso que eu constatei. Amigos que estudaram comigo a vida toda – em escola particular – defendiam firmemente este referido senhor. O único que se manifestou marcou os amigos na publicação – para que pudessem ajudar na argumentação com seus valiosos likes. Porém o único a escrever um belo texto como resposta – o que eu esperava ansiosamente ser de algum conteúdo válido – se resumiu apenas a provocações, histórias acerca da política e da economia da pais e referências ao governo Petista. Em suma, falou que falou mas no fim não disse nada.

Por isso – por tantos adolescentes que pensam que para se afirmar como héteros precisam apoiar esse cara – resolvi fazer este post. Com muitos motivos para não querer que este senhor seja presidente em 2018 – e se existir justiça na Terra… Presidiário.

 

“O importante é que ele não é corrupto”

“…o deputado conviveu bem melhor do que se imaginava com o dinheiro da corrupção. Na melhor das hipóteses, fechando os olhos para a real origem do dinheiro que financiava suas campanhas.

Desde 1993, Bolsonaro é filiado ao PP (a sigla já mudou de nome algumas vezes), com um intervalo entre 2003 e 2005, quando integrou o PTB de Roberto Jefferson, e de uma brevíssima passagem pelo PFL, retornando ao PP ainda em 2005.

Durante todo esse tempo, Bolsonaro conviveu muito bem com Paulo Maluf, José Janene, entre outros nomes de seu partido envolvidos em escândalos. Só se manifesta contra a corrupção, ou a suspeita de, quando atinge seus adversários políticos.”  Estadão/Uol 

Denúncia nepotismo Jair Bolsonaro

Para ser mais clara; dos seus 5 filhos, 3 são políticos também. Carlos Bolsonaro – vereador do Rio de Janeiro. Eduardo Bolsonaro – era escrivão da polícia federal e entrou para a política com Marco Feliciano em São Paulo para se eleger como deputado federal pelo Partido Social Cristão. Flávio Bolsonaro – atualmente no quarto mandato como deputado estadual pelo PP no Rio de Janeiro (conseguiu suspender a lei de cotas no Rio de Janeiro, palmas).  Além de ter quase todos os filhos na política, ainda conseguiu eleger sua ex mulher Rogéria Bolsonaro em 94 como vereadora do Rio de Janeiro. Além disso, em 2017 uma matéria na Folha de São Paulo denunciou Bolsonaro como um dos muitos políticos que empregam parentes (mais dois políticos de sobrenome Siqueira Vale).

Além disso, o capitão do Exército e deputado federal  crítico dos direitos humanos e árduo defensor da ditadura militar, foi beneficiado com R$ 50 mil do esquema corrupto desencadeado pelos tucanos. Fonte: Vi o mundo

Lista de Furnas, recebimento de caixa 2:

Jair Bolsonaro PPB-RJ

50.000,00

PP

Fonte: Jornal GGN

Resolvi desenrolar primeiro este “argumento” porquê a partir da ilegitimidade dele fica mais fácil perceber a falta de argumentação de seus adeptos já que o principal discurso são coisas como: Não importa o que ele pensa, estamos em uma democracia, não temos que dar atenção à opinião pessoal dele, mas sim se ele vai levantar o Brasil; se vai lutar por educação, saúde, segurança…” peguei essas ideias de comentários de bolsomitos passando vergonha em algumas noticias que procuram desmascarar o ídolo deles.

Bolsonaro para presidiário 2018 não votar

“Suas ideias não dependem, o que importa é que ele vai levantar o país”

Assim que li isso pensei imediatamente: Hitler também levantou a Alemanha, mas a custa de milhões de inocentes. A custa de manipulação de toda uma nação.  A custa de uma autocracia fascista.  No filme A Onda, essas questões são abordadas e muito bem explicadas. Em síntese, um trecho de uma análise do filme pela UFMG pode resumir o que quero ilustrar:

O filme “A Onda” apresenta razões que podem levar à alienação política e ao cultivo de lideranças autoritárias, como o vazio de identidade com o qual a juventude sofre, o consumismo desenfreado presente na sociedade capitalista, a ausência de projetos coletivos e o desinteresse das pessoas pela área da política. Essa história transmite a ideia de que a anomia social (ausência de valores) não existe apenas em um contexto de guerra, mas também atualmente, em que as regras de convivência e ética estão bastante relativizadas. Isso é perceptível através do comportamento dos jovens alunos do professor Rainer, que demonstram carência de autoridade, confundindo esse sentimento com a valorização do autoritarismo. Também há a questão da “psicologia das massas”, em que para se sentirem pertencentes a um grupo, as pessoas podem ser facilmente influenciadas, chegando a ficar alienadas.

Análise do filme “A onda”

É importante notar o quão perigoso é a figura do Bolsonaro e tudo o que ele significa. Fazendo uso de um discurso de ódio que atinge principalmente homossexuais, o parlamentar incita á violência e ao preconceito. Tais ideais estão sendo rapidamente disseminados e aplaudidos por parte dos Brasileiros, tornando a situação cada vez mais agravante. Estava pensando, antes da figura deste homem representar tudo isso, apoiar a ditadura ou a morte de criminosos era (e é) considerado um absurdo e uma vergonha para quem apoiasse. Porém tudo o que ele prega e representa fez com que esses valores fossem relativizados e hoje vistos apenas como mais uma forma de expressão e de manifestação dentro da democracia.

Escola sem Homofobia - porquê Bolsonaro deve ser presidiário em 2018

Sobre o famigerado “kit gay” na verdade, Escola sem Homofobia

Ao pesquisar melhor sobre isso achei duas coisas bem distintas. Em um site a tal cartilha era super condenada por diversas mães como sendo um incitação a pedofilia (por ter em uma das páginas uma brincadeira indígena em que os pais brincavam com os filhos, sendo interpretada como “um homem adulto agarrando uma criança, e os dois estão nus!”). Outro desespero das mães eram por estarem escritos no tal livrinho palavras como “pênis” e “vulva” – nossa que absurdo meu Deus, vamos falar eternamente então que menino tem um piu piu e menina tem, bom, muitas vezes não é nem nomeada. Vamos sim deixar que as crianças aprendam sobre o próprio corpo com os amiguinhos, que muitas vezes também nem sabem sobre o que estão falando. Nossa que crime, está escrito vulva! Que absurdo realmente.

Infelizmente é impossível ser imparcial e não dar minha opinião sobre o assunto. Sei que posso nem ter a palavra para falar sobre o assunto, visto que não sou mãe. Porém me interesso sobre educação – já que pretendo seguir esta área como profissão – e também sobre psicologia – quem me conhece sabe dos meus planos de fazer tal graduação. Então é necessário eu falar um pouco disso nesse meu espaço. Nos comentários em sites sobre o tal livrinho, as mães diziam desesperadas o quanto seus filhos” não estão prontos para saber de tal coisa” e realmente “é um influenciador na sexualidade deles”. Pois é, como os filhos delas poderão saber sua identidade de gênero e orientação sexual se nem ao menos os pais se dignam a explicar que afinal, bebês não nascem das cegonhas? “Obra criada estimula o público infantil à decidir-se por si só sobre sua sexualidade e coloca os filhos contra os pais. ” – ah sim, porque realmente a sexualidade do indivíduo cabe aos pais escolherem não é mesmo? É como ir á sorveteria… quero um tutti frutti hétero, um de chocolate trans, um de morango bi. É bem simples mesmo e cabe aos pais resolverem tal questão. “Livro infantil dedicado para mudança da sexualidade das crianças” porque é claro que a sexualidade vai ser mudada com um livro, cuidado crianças, fiquem longe dos homossexuais ou pum virará um também – super lógico e super coerente como tudo que esse senhor e seus seguidores falam.

Mas principalmente o que me chamou atenção foi o estrondo dessas pessoas dizendo que a cartilha estava sendo entregue em escolas públicas para crianças de 6 anos. Depois disso a revista Nossa Escola esclareceu ponto a ponto as falas errôneas de Bolsonaro.

O livrinho na verdade se chama Escola sem Homofobia o qual é elogiado por diversos especialistas ” Ter esse material nas escolas seria um avanço muito grande” segundo o pedagogo Ricardo Desiderio, da Unesp. Porém, o livro foi engavetado pelo governo Federal em 2011, após pressões de parlamentares como Bolsonaro. Ele e seus adeptos gostam muito de “denunciar” que o livro foi distribuído em escolar públicas, no entanto ele nunca chegou à nenhuma escola. Inclusive o Ministério da Educação afirma que a obra não consta de nenhum programa de distribuição de material didático. Em seu vídeo Bolsonaro indica que homossexualismo não é “normal”, entretanto há amplo consenso entre os especialistas de que “isso” é normal. A Organização Mundial da Saúde retirou homossexualidade da lista internacional de doenças em 1990. Segundo o parlamentar, o livro foi feito para crianças de 6 anos – mais um erro. A editora Companhia das Letras afirma que o livro é destinado a maiores de 11 anos. Segundo Jair, o livro aborda questões que os pais não querem para os seus filhos – mais homofobia vinda deste ser humano. Ainda por cima afirma que o governo Dilma, o PT distribuiu esse livro e exemplares da revista (que ele julga ser um livro) Nossa Escola para as bibliotecas públicas. Porém a revista não é para alunos, é para professores e não tem nenhum exemplar comprado pelo Governo Federal. Para piorar toda a sua vergonha na internet, Bolsonaro ainda prega que no Japão as crianças aprendem cálculos que os brasileiros aprendem apenas na graduação – mas a verdade não é bem essa, as crianças japonesas aprendem as mesmas coisas com a mesma idade que os alunos brasileiros. Ele também prega que no Japão eles não estão interessados em abordar sexualidade nas escolas. Porém, o Japão também tem Educação Sexual nas escolas que começa aos 12 anos e em países como Inglaterra e Canadá ela começa aos 5 anos.

O vídeo completo feito pela Nossa Escola pode ser visto neste site

Bolsonaro para presidiário 2018

Sobre sua declarada homofobia

Antes que haja argumentos como “você precisa ver todo o contexto do que ele falou, não foi bem isso, recortaram apenas uma de suas falas”

“O deputado federal Jair Bolsonaro foi condenado a indenizar em R$ 150 mil o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD), criado pelo Ministério da Justiça, por danos morais, depois de fazer declarações homofóbicas num programa de TV.”  A decisão é da juíza Luciana Santos Teixeira, da 6ª Vara Cível do Fórum de Madureira, no Rio. Ainda cabe recurso. – Por acaso o FDDD iria se dignar a multar este homem se ele não tivesse feito/falado coisas realmente graves?  Fonte: G1

“o deputado Jair Bolsonaro (PPB-RJ), capitão da reserva do Exército, colocou a foto de FHC segurando a bandeira gay na porta de seu gabinete, com a frase: “Eu já sabia…”.
Questionado, Bolsonaro não quis revelar como termina a frase. “O objetivo é tirar sarro”, disse, sem conter a risada. “Não vou combater nem discriminar, mas, se eu vir dois homens se beijando na rua, vou bater.” ” Jair Bolsonaro em entrevista sobre homossexualidade na revista Playboy. Fonte: Folha

“SERIA INCAPAZ DE AMAR UM FILHO HOMOSSEXUAL. PREFIRO QUE UM FILHO MEU MORRA NUM ACIDENTE DO QUE APAREÇA COM UM BIGODUDO POR AÍ.”

Fonte: IG

Creio que não tenho muito mais a declarar frente à essas falas do parlamentar. Gostaria apenas de perguntar aos bolsominions se é com certeza um país governado por esse homem, nos moldes da ditadura militar, extremamente fascista e inspirado nas ideologias de Hitler que vocês querem. E se realmente acreditam que sem respeito ao próximo, sem educação, tolerância – esses sim valores que devem ser preservados e estimulados – um governo que oprime, que humilha, que tira direitos e que impede a luta. É este Brasil que vocês pensam que irá pra frente? Ele gosta muito de defender a família e a religião, mas ele mesmo já se casou 3 vezes – isso não desmoraliza a família tradicional brasileira?

Bolsonaro para presidiário em 2018 a favor do golpe militar

A favor do Golpe Militar

“Os deputados viraram as costas ao colega Jair Bolsonaro (PP-RJ), defensor ditadura militar, que subiu na tribuna para fazer um discurso a favor dos militares. “Vocês vão ser torturados com algumas verdades aqui. Deixe-os de costas, presidente, por favor”, disse Bolsonaro diante das manifestações contrárias a ele.” Fonte: IG

“Enquanto dezenas de políticos e sociedade civil buscam, nesta terça-feira (31), homenagear as vítimas da ditadura militar, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP) exalta os 51 anos do golpe. Em sua conta no Twitter, o militar da reserva postou algumas fotos de um ato que realizou em frente à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em homenagem às Forças Armadas.” Fonte: Revista Forum

O erro da ditadura foi torturar e não matar.

“Pinochet devia ter matado mais gente.”  (sobre a ditadura chilena de Augusto Pinochet. Disponível na revista Veja, edição 1575, de 2 de Dezembro de 1998 – Página 39)

Este vídeo é um argumento para “mas ele está dando apenas sua opinião pessoal” “mas na ditadura tínhamos segurança” “militar não roubava bilhões”. Assistam, assistam… Vale MUITO a pena!

Bom, acho que nem é necessário muito comentário acerca disso. Apenas é bom relembrar que até hoje o Brasil não se recuperou em matéria de produção de arte desde os tempos da ditadura. Qualquer pessoa que tenha o mínimo de estudo e de fosfato conhece o que foi a Ditadura – e as lesões que deixaram no país até os dias de hoje. Queremos realmente num país em péssimas condições deixá-lo pior tirando a liberdade de expressão e exercício da democracia? Queremos mais mortes e torturas?

Bolsonaro para presidiário 2018

Misógino, Racista e ainda contra indígenas (como esse cara consegue?)

Não te estupro porque você não merece.” (Jair Messias Bolsonaro, para a deputada federal Maria do Rosário)

“São as palavras, a forma, e, a partir delas, todo um movimento misógino. Fiquei sabendo de comentários em redes sociais e então, [ficou provada] a força deletéria, perversa dessas declarações. Elas têm uma força de incitação ao crime, ao estupro” disse a ministra Ela Wieck

Interessante que os Bolsominios (pobres Minions) dizem que na entrevista em que ele reafirmou tal fala ele diz que “Eu não sou estuprador, mas, se fosse, não iria estuprar, porque não merece.” O grande problema é que ele só “concertou” a frase após fazer tal comentário sobre Maria do Rosário. Além do mais, tanto esse “concerto” quanto a frase inicial reforçam a cultura do estupro em que nós mulheres estamos inseridas. De maneira que, não podemos esperar leis a favor das mulheres e de nossa segurança e muito menos que garantam nossos direitos.
“Índio não fala nossa língua, não tem dinheiro, é um pobre coitado, tem que ser integrado à sociedade, não criado em zoológicos milionários”. Ele cita como exemplo a Reserva Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, dizendo que a demarcação do território “está matando” economicamente o Estado. Fonte: MidiaMax

“Mulher tem que ganhar menos porque engravida”

Essa fala épica foi extremamente capitalista e pensando apenas no lucro no empresário pois, como ele disse, “Poxa, essa mulher tá com aliança no dedo, daqui a pouco engravida, seis meses de licença-maternidade…” Bonito pra c…, pra c…! Quem que vai pagar a conta? O empregador. No final, ele abate no INSS, mas quebrou o ritmo de trabalho. Quando ela voltar, vai ter mais um mês de férias, ou seja, ela trabalhou cinco meses em um ano”. Essa fala me faz pensar que insinua que mulher engravida para não trabalhar. Ele fala como se não fosse uma coisa essencial para a humanidade. Como se a culpa fosse da mulher. Uma boa solução seria a licença paternidade de mesma duração que a da mulher – justamente para não ter essa diferença, e portanto evitar o receio das empresas em contratar mulheres – e o pai poderia realmente ser o pai e cuidar dos filhos.

 

Sobre a Castração Química

Após o estupro coletivo ocorrido no Rio de Janeiro essa ideia brilhante do parlamentar ganhou mais projeção – mais uma medida extremista que este homem defende. No começo – antes de, bem, ser feminista – eu pensava que essa medida seria boa. Entretanto com o meu crescimento percebi e aprendi que isso não resolveria o problema. Primeiro porquê o estupro não se trata de sexo ou de prazer, se trata de dominação e violência. Portanto se o agressor não tiver seu genital para estuprar, vai usar qualquer outra coisa para exercer tal dominação. Segundo que, essa é uma medida defendida pela bancada evangélica justamente por não agir na raiz do problema; que é a busca de direitos iguais entre homens e mulheres. Essa medida é apenas tomada depois que o crime já foi cometido – ou seja, sem nenhuma ação profilática – e ainda contaria com diminuição da pena do agressor. Sem leis a favor da igualdade de gênero essa medida é apenas uma ação violenta sem resolução no foco de tudo.

 

Passamos vergonha até no exterior por causa deste senhor:

O mais misógino e odioso político eleito pelo mundo democrático: Jair Bolsonaro” é o título da notícia publicada pelo estadunidense Intercept, que o descreve como “a mais extrema e repelente face de uma ressurgida direita, movida por uma visão cristã-evangélica,  que tem como objetivo atrasar o país”

Já o francês Le Monde publicou uma matéria descrevendo Bolsonaro como “homofóbico, misógino e racista” e descreveu o caso, dando atenção ao primeiro vídeo que teria sido o início das ofensivas de Bolsonaro à Maria do Rosário, de 2003, quando ele afirmou pela primeira vez que não a estupraria por ela não merecer.

E para fechar com chave de ouro – e para nenhum bolsolixo venha me dizer que não sei nada sobre o seu ídolo – um vídeo com as partes mais interessantes da vida deste homem.

Vídeo sobre a história de Jair Bolsonaro.

A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Como aceitar seu corpo? Venci autoestima baixa, transtorno de imagem e bulimia
Como fazer a menstruação atrasada descer rápido.
Pessoal Textos

Quando escrever um diário

17.06.16
Escrevendo um diário.

Essa página em branco me assusta por alguns motivos, entre eles o mais relevante: não estou acostumada a deixá-la intacta. Na verdade, a página em branco me incomoda profundamente – por mais que isso possa parecer bizarro.

Com uns 9 anos ganhei um diário da minha tia, e comecei a me incomodar com suas páginas vazias. Então comecei a escrevê-lo. Ele não foi o único, vieram diários de viagem à praia – ele era verde e repleto de figurinhas – vieram canetas mágicas que prometiam não deixar que outros lessem meus escritos – e com elas vieram a percepção que os demais poderiam ler sim. Claro que eu fazia tudo errado, escrevia até sobre o meu café da manhã e qual rua exata eu morava. Mas só percebo hoje o que aprendi disso tudo, o que apreendi para mim. A lembrança mais forte que tenho sobre isso é de escrever sobre o menino que eu gostava, e, tenho que admitir, meu extinto de escorpião começava a gritar – e lembrar disso não me deixa mais constrangida como antes. Eu falava sobre as pessoas que eu amava e sobre aquelas que eu preferia manter distância; falava o que eu pensava, falava apenas porquê sabia que aquele pedaço de papel não iria me julgar como qualquer outro faria. Falava tudo e escrevia freneticamente – fazendo meus garranchos serem riscos incompreensíveis – escrevia para não desabar; para olhar para todas aquelas coisas e pensar melhor sobre elas – sim sempre refletindo sobre tudo – já que elas estavam escritas. Eu precisava de um local que ouvisse tudo detalhadamente, mas não uma pessoa – hoje em dia eu tenho uma pessoa assim – mas algo que eu pudesse amassar e jogar fora se eu não gostasse mais dos meus segredos – mesmo tendo dúvidas sobre isso, acho que eu sempre os amei e cultivei. Queria algo inanimado e que pudesse carregar todas as minhas palavras mesmo que eu não existisse mais. Queria algo que nunca me questionasse: Por que desistiu de dar um simples selinho em quem você gostava e talvez esperasse por isso? Por que resolveu não comer a cenoura que tinha no almoço? Por que continua achando que o problema é você e não eles? Por que não aceita de vez que não deve tão jovemente sofrer por quem não gosta de você? Aliás, por que se importar?

Ele talvez não tenha me dado todas as respostas, mesmo eu ainda esperando por elas. Talvez ele tenha sido bem mais que uma fuga. Talvez ele não tenha feito diferença nos meus atos – mas com toda a certeza fez diferença na pessoa que eu sou. Ele me fez ver as coisas por outro ângulo e a pensar antes de agir – talvez pensar até mais que o necessário me fazendo fantasiar coisas que nunca iriam acontecer, pelo menos não com quem eu gostaria que acontecesse. Me fez questionar sobre os caminhos que eu tomava e sobre por quem eu buscava viver: por mim ou por aqueles que queriam definir o que eu era? Escrevia, como eu sempre digo: para um desafogar. Para lembrar-me que eu estava íntegra apesar de tudo – no sentindo mais intrínseco da palavra. Era algo que eu necessitava, um amor, um vício, um alívio. Escrever sempre foi algo ao qual eu me dediquei exatamente para viver e, quando eu esqueço deste meu alimento tudo em mim para de funcionar. Muito mais que um combustível para o que sou, mas até mesmo um óleo para as engrenagens disso tudo. Não posso me enganar, escrevo para viver. E foi essa escrita que me salvou de ser o que eu poderia ser; que me mostrou em quem eu me tornava – e por isso pude regredir quando a rota estava errada ou prosseguir decididamente. Por esses motivos eu acredito que você deve escrever um diário, talvez só precise do aconchego das folhas quentes e de uma boa caneta. Não tenha vergonha, nem coloque cadeados. O que você é deve ser exposto à você e talvez a mais ninguém – mais isso quem deve resolver é você. Está na hora de estender seu ser para o entender; ele está a tempos ansioso por isso. Desafogue-se.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Pessoal Textos

Eu escolhi você.

02.06.16
Olhos de Belinha - Poodle, cachorros.

Pois quando aqueles olhos te miram, te desnudam e te invadem; você sabe,ele sabe tudo sobre você. Por esse olhar tão sincero você deixa-se invadir pela verdade e pelo calor que ele pode oferecer. Você sabe que está sendo invadido de amor e paz quando esses olhos se mostram sabidos e sinceros.

Você sabe que o ama quando chegou em casa em um dia exaustivo e foi recebido com pulinhos e lambidas. Sabe que o ama pois quando brigou com todos, ele chegou, se aninhou a você e te fez ter certeza que tudo ficaria bem. Crê em tamanho sentimento porquê quando você esqueceu de falar com ele, de dar comida ou de levar para passear, ele não se esqueceu de você; não se vingou e nem tirou satisfações, antes te recebeu como se aquele fosse um dia como qualquer outro. Um dia a mais em que ele poderia fazer da sua existência algo menos doloroso e dar um sentido a sua vida (e não a dele).

Você pode não perceber mas a cada dia que você vive, para ele se passam mais de dez anos. E por isso a cada amor que você o dá faz com que esse sopro de vida tenha um significado. Porque ele fez da vida dele a sua, ele fez com que toda a razão de seu respirar fosse o brilho dos seus olhos. Ele fez com que o amor fosse resumido e contido no lugar – talvez – mais improvável, mas com certeza o mais leal.
Quando ele te revolve a alma, te encara e seus olhar tem paz, saiba: ele está passeado pelo seu interior. Com os olhos espertos e o amor profundo ele sabe exatamente o que se passa dentro do turbilhão que você é. Ele quer que você perceba – ele está gritando silenciosamente por isso – que o seu turbilhão tem os mesmos reflexos do dele. Ele quer que você sinta que, se o amor for forte, vocês não se encontrarão apenas nessa vida – vocês são almas que se reencontram! Quando ele te mira desta forma é para dizer que apesar de sua forma ele está ai ao seu lado como alma; como sopro, como luz infinita para iluminar seu turbilhão. Ele quer que você entenda que é seu amigo na forma mais profunda da palavra; quer sua atenção para compreender que o que ele sente é tão superior ao que você está acostumado, que não consegue atingir tamanho sentir – mas quando isso acontece ele escorre pela face.
Quando ele para o mundo apenas para sentar ao seu lado. Quando ele corre atrás de você como uma sombra forte. Quando ele chora pedindo perdão. Quando ele olha, quando ele vê, quando ele te transforma, quando ele te ama. Ele quer apenas dizer: eu estou aqui.

Olhos do Bolt - Border Collie
Eu estou ao seu lado e minha alma é tão ligada a sua, que eu entendo todo o seu amor mesmo que você não me diga; que eu sei todas as suas dores e conflitos mesmo que você não me explique. E por tudo isso e apesar de tudo eu quero relembrar, porque relembrar é o que me faz viver… Lembra quando eu era pequeno e você me deitava na caminha e contava história de vocês para eu dormir? Eu não entendia o que você queria dizer, mas entendia que era o seu tempo limitado que você preciosamente gastava comigo; mas eu não queria dormir, queria ficar eternamente ouvindo sua voz. Lembra quando eu cheguei? E você me aninhou nos seus braços – eu era tão pequeno – mas você me aqueceu e me colocou junto ao seu coração, ali eu pude ouvir o som alto do sentimento humano que você tão maravilhosamente me dedicou. Lembra daquela vez que você me colocou em cima da caminha e da cadeira da cozinha e escreveu numa lousa? Você queria que eu aprendesse matemática, mas… Nem mesmo você gostava dela, porque eu deveria? Mas você ficava tão feliz ensinando as letras que eu tentei até aprender, mas o meu corpo físico só suportou entender sua voz. Lembra das vezes, aquelas preciosas vezes que você chegou tarde em casa? Você não foi me ver no quintal, você não abriu a porta para mim, você não foi saber como foi o meu dia… Mas saiba, ele foi repleto de relembranças de você; mesmo que você não tenha ido me ver saiba que eu fiquei mais tranquilo, pois você chegou! Estava bem e salvo em casa, pois lá fora eu não posso te defender já que você não me deixa ir aos lugares com você. Mas saiba que cada um desses dias da minha existência – que foram tão passados e normais para você – foram preciosos para mim pois pelo menos sua voz eu ouvi.
Chegará um dia em que eu não vou mais poder sentar no seu colo para você me abraçar enquanto você chora. Não poderei mais latir de alegria por ver seu rosto nem responderei contente à sua voz. Um dia eu não serei mais seu cachorrinho mas serei eternamente o que eu sempre fui: o seu eterno amigo. Poderei assim, lá de cima junto do papai do céu, olhar por você. Vou pedir todos os dias para que eu possa ser um raio de sol no seu despertar; ser uma florzinha no seu caminhar, ser aquele ventinho bom perto da praia. Pedirei para ser novamente seu amigo, seu guardião, sua vida, sua alma; e se Ele quiser eu serei, pois sou eterno, pois sou o maior amor que você pode sentir, pois sou um enviado Dele para fazer seus dias melhores. Eu sou seu anjinho para que a caminhada não seja tão penosa e que os passos não sejam tão pesados. Sou seu para que você entenda – de uma vez por todas – que o amor está nas coisas mais humildes e simples da sua vida. Por isso e por tudo eu te escolho – não você – porque eu sabia que a sua dor era algo que eu poderia curar; suas feridas eram coisas que eu poderia suportar e toda a sua angústia e sofrimento e poderia aplacar apenas por estar ao seu lado. Por isso e por todos os nosso dias, eu escolhi você. ♥

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Pessoal Textos

Eles me convenceram de que eu era inferior

14.03.16
IMG-20150730-WA0008

Hoje é um dia muito especial. Ponto. Especial porque, Samira? Bom, especial simplesmente porque eu descobri a maior falha da minha vida, então, se você me conhece e vai ler isso, vai entender – simplesmente pelo fato de me conhecer – se não me conhece tanto assim, bom, você vai entender também. Quem sabe no fim não perceba que seu maior erro foi o mesmo que o meu e você precisa simplesmente recomeçar? Vou explicar.

Hoje é quase natal, faltam 1 dia e meio para o dia 24 de 2015.

Fui comprar sapatos juntamente com a minha tia, um presente para o meu tio. Os detalhes na verdade pouco importam. Saiba apenas que eu estava esperando o atendente, sentada em um pufe com a minha tia.

Eu estava bem; pensando na minha casa, na comida que eu queria comer no natal, pensando na minha vida e em como eu ia tocá-la dali para frente. Eu olhava para o chão pensando em tudo, quando me passa uma sapatilha da Melissa que eu gostava demais e queria muito tê-la há um tempo. Logo percebi algumas coisas

  1. Eu não gostei mais tanto da sapatilha
  2. Eu já me realizei, pois a minha ilustração aqui no blog a usa na cor vermelha.
  3. Quem falava mal da sapatilha tinha razões, mas também não tinha.

Em meio a essas 3 considerações, o meu inconsciente (ou seria consciente?) pensou: coitada da pobre sapatilha, está detonada e suja, ficaria linda limpa. Mas na verdade eu não pensava realmente em tudo isso, eu pensava em como teria que ficar caçando as uvas passas da comida na ceia de natal, pensava nos metrôs que tomaria em São Paulo, pensava em como que queria um tênis rosa berrante. Porém, a dona da sapatilha, fez questão de parar a minha frente e gritar: Você quer que eu pare para você olhar?

Levantei a cabeça do chão e dos meus pensamentos sobre as uvas passas. A olhei; levantei uma sobrancelha, estava mordendo o lábio inferior então o soltei, a encarei de volta, olhei para os lados em busca da vitima de sua atenção. Era eu.

 

Em minha cabeça eu pensei, desordenadamente:

  1. É para mim isso?
  2. Verdade eu cheguei a te olhar, mas não foi por mal, eu queria uma sapatilha dessas há um tempo e achei que você deveria cuidar melhor dela.
  3. Odeio também quando as pessoas me “medem”, mas eu não estava te medindo, estava pensando nas malditas uvas passas.
  4. Desculpe-me, sou inútil.
  5. Desculpar-me do que?
  6. Porque ela me olha assim? Por que ela se acha superior a mim? Por que eu seria superior a ela?
  7. Vasculhando na memória meios de se matar alguém com o olhar.

 

Mas na verdade meus olhos lacrimejaram. Eu estava sensível com tudo, mal percebi que sempre fui assim. Seu olhar era um misto de raiva, ódio, e jogação de culpa em mim, como se eu tivesse culpa por ela ter a vida que tem, dela ter sei lá, estudado menos que eu ou visto mesmo que eu, sendo que ela queria apenas comprar um sapato em paz.

Mas na verdade eu não a impedi de comprar o sapato, ela não deveria ter falado comigo daquela forma, eu mereço respeito assim como ela, por isso eu olhava para o chão e pensava na minha vida, por isso meu consciente não a julgou, por isso eu queria que ela tivesse classe e não gritasse comigo.

O mais incrível foi a dor que senti ao ver aquele olhar. Por um momento eu era culpada por toda a sua vida, eu, uma mera estranha, fui a razão de todos os seus males. Por um momento – eu entenderia isso apenas tempos depois – ela me controlou, eu deixei que ela me controlasse.

 

Começando do fim.

Tive uma amizade que não começou bem, tinha tudo para dar errado, não deveria nunca ter acontecido. Ela me viu, ela roubou tudo o pouco que eu tinha. Ela me destruiu. Eu a destruí de volta. Eu nunca me perdoei. Ela eu não sei. Até hoje. Essa amizade tempos depois se mostrou algo verdadeiro, ela mudou, eu também, crescemos e amadurecemos. Porem, sempre, aquele sentimentozinho no fundo me dizia: você é a culpada por tudo de ruim que ocorre a ela, você fez tudo errado com ela desde o início. É sua responsabilidade ficar ao seu lado. Aquilo foi me consumindo, aquilo me dizia que eu deveria ir contra meus princípios para ajudá-la. Aquilo me dizia no fundo que ela era superior e eu não era digna da sua amizade e nem de nada. Aquilo me forçava a dar o controle a ela, e eu o dei sem nenhuma cerimônia.

Aquilo no fim se mostrou fraco, uma amizade pobre. Mostrou-se passível de traição, se mostrou sem nexo e sem brilho, apenas uma leve simpatia. Mas eu havia apostado tanto! Eu queria apenas me redimir de algo que eu nunca fui culpada.

Tive outra amizade. Descobri no fim que foi montada na inveja, que por isso eu precisava ficar por baixo, novamente. Descobri que eu também tinha culpa mesmo que ela estivesse sempre bem. Afinal, a culpa era minha por ela me odiar. Era minha culpa quando ela acordou e resolveu que me odiava. Eram minha culpa os olhares de diminuição que ela me lançava, de ódio, de dó, de desprezo. Que me causava enjoo, mágoa, dor muito mais que tudo. Essa amizade me consumiu por inteira, eu sonhava com ela, eu vivia para ela, eu tentava tomar o controle da situação, mas eu sabia apenas assistir a tudo impotente. Eu a via me diminuir para o outros. Eu a vi ela me tratar mal, gritar, xingar, me agredir. Eu assistia como se merecesse.

Tive colegas que se uniam para juntarem forças e concentrarem em alguém. Focar em alguém fraco –que permitisse – que fosse atingido, que fingisse não ligar, mas que sofresse, que sofresse tanto por todos eles. Um alguém para enviar suas dores em forma de humilhações, alguém para sofrer a dor que eles não tinham coragem de suportar. E eu, nunca coragem de me levantar, de dizer que eu não merecia carregar a dor te tudo. Não! Eu não merecia ser o depósito da dor, ser o alento errado, ser o desafogamento ruim. Eu não merecia nada disso, eu sou tão humana, ruim e boa como eles. Eles não eram melhores que eu para poderem ter esse privilegio.

E momento algum eu cheguei a pensar em ordenar que ela parasse. Eu pedia, eu implorava, meus olhos mais uma vez choravam, ela não tinha piedade nenhuma e eu não tinha força. Tudo o que eu sempre fiz foi deixar que os outros me dominassem, deixar que me dissessem que eu sou menor, que eu sou menos, que eu não sou digna.

Eu entendi só agora que eu permiti que essas pessoas tivessem controle sobre mim, eu percebo só agora o porquê seus olhares me magoavam tanto. Eu achava que eu era ruim e ela era boa. Ela me controlava porque eu deixei, porque eu assimilei que eu era inferior. Eu sempre tive medo deles, eu sempre errei, sempre tive medo de encarar os outros, de fazer com que me respeitassem porque eu achava que eu não merecia. Achava que eu merecia sofrer, no fundo eu acho isso. O ser humano nasce mal. Eu queria apenas a redenção, queria me redimir de tudo, dando esse controle sobre mim para alguém que eu sabia, iria me ferir. Eu me humilhei, deixei que me humilhassem, deixei assistindo impassivelmente, deixei porque eu achava que merecia.

Eu deixei que eles me fizessem acreditar que eu merecia tudo e que eles eram vitimas. Sempre os colocava em primeiro plano, sempre o problema deles, a família deles, as dores deles. Eles precisavam de alguém para caçoar? Isso iria aliviar a dor? Poderiam caçoar de mim. Precisavam de alguém par humilhar? Isso aplacaria o fogo que sentiam? Poderiam humilhar a mim. Eu deixei que eles me fizessem acreditar que eu merecia tudo, e que eles mereciam a paz.

Deixei pessoas erradas manipularem meus pensamentos. Justo eu que os achava tão elevados e tão sábios, justo eu que pensava deter um grande saber. Se você sente no fundo, que deixa alguém te controlar. Se sente que as pessoas que te fazem mal tem todo o controle da situação. Que se sente de mãos atadas, inútil, inferior, menos que outra pessoa. Saiba, você deu o controle a ela. Por algum motivo você deixou que ela te controlasse. Você permitiu tudo, seja para aliviar a sua dor de existir, seja para aplacar a dor dos outros – que também é sua dor de existir porque você sente a dor do outro – seja porque você é egoísta e acha que sempre a culpa de tudo é sua não dos outros, sempre a mártir, sempre sofrendo, sempre padecendo suas e outras dores. Se você recebe desprezo quando oferta amor. Se você sofre e sonha com quem te quer longe. Se você pensa ser o erro. Se acha que está fazendo tudo errado com a pessoa. Se você apenas quer sumir ao sentir o olhar dela no seu. Saiba: você deu o controle para ela.

Você precisa saber que o controle é seu. Precisa saber que, se finalmente eu ou Deus revelamos o maior erro da sua vida, está na hora de agir. Você precisa perdoar essas pessoas, mas perdoar a si mesmo. Precisa perceber que sofrendo a dor dos outros você não se cura e tampouco a eles. Precisa entender que ninguém é melhor que você e você não é mais que o outro. Que ninguém tem o direto de te humilhar, te diminuir, te fazer inferior. Esse controle, essa vida, são seus, quem deve controlar, escolher, selecionar o que fica e o que não, é você. Tire o controle dos outros, você sempre errou, sempre aturou mais que deveria. Está na hora de aliviar a carga. Está na hora de esclarecer que quem manda é você. Está na hora de explicar que você merece mais, merece amor que não é da pessoa. Você merece respeito e consideração assim como ela. Está na hora de entender que não há uma conspiração de todos a seu desfavor. Não existe este “coitadismo”, há apenas a liberdade que você dá ao outro de interferir na sua vida, de sugar como parasita o que você é, de te fazer esquecer quem você é e o que realmente acredita. Está na hora de saber que você tem o controle de tudo e o deu a todas as pessoas erradas apenas para se livrar da dor. Retome as rédeas, puxe-as, recomece o trote, está na hora da cavalgada ser apenas sua.

Eu demorei todos estes anos para chegar a essa conclusão, tudo porque uma menina de sapatos de plástico me fez pensar que eu era inferior a ela, alguém que eu nunca tinha visto na vida. Então estranha, se você está lendo isso eu gostaria de agradecer pelo dia em que cruzou meu caminho – nada acontece por acaso – então muito obrigada, você me fez ver o maior erro da minha vida, e, finalmente, ter ao menos a chance de consertá-lo.

o trauma de sentir e o vício em fugir – sobre o medo de ficar | #TeLiPoesia
Permita-me eu apresentar novamente, e me veja como mulher, não como uma irmã.
A melancolia dos dias úmidos e seus recomeços
Página 5 de 5
12345