Posts da tag "entrevista"
Literatura

“Os 12 Signos de Valentina” – Ray Tavares| O romance astrológico do ano!

31.07.17
Livro: Os 12 Signos de Valentina
Série:
Autor(a): Raissa Tavares
Editora: Galera Record
Genero: romance
Páginas: 389
Classificacao:
Sinopse: Isadora é ariana e seu ex namorado pisciano… Inferno astral! Em busca da combinação astrológica perfeita, ela cria um blog para relatar suas experiências. Isadora descobriu da pior forma possível que o namorado a traíra. E com sua melhor amiga, ainda por cima! A estudante de jornalismo entra numa fossa sem fim. Sem nenhum estágio à vista, ela se afoga em filmes feitos para chorar, pizza e em sua mais nova obsessão: stalkear o perfil do ex namorado no Facebook. Até descobrir exatamente o que deu errado entre ela e Lucas: seus signos são incompatíveis. Basta encontrar um rapaz de libra e seu mundo entrará nos eixos novamente. Com a nova obsessão e a desculpa do trabalho final de jornalismo online, uma reportagem investigativa sob um pseudônimo, Isadora une o útil ao agradável e cria um blog para relatar a experiência: Os 12 signos de Valentina. Já que precisa encontrar o libriano perfeito, por que não aproveita e experimenta os outros signos do zodíaco para ter certeza mesmo?

"Os 12 Signos de Valentina" de Raissa Tavares pela editora Record| Resenha por Samira Oliveira para o DEZOITOEMPONTO.COM“Os 12 Signos de Valentina” da Raissa Tavares – publicado de Galera Record – foi o livro mais divertido e leve que li até hoje! E é por isso, e por ter conhecido essa linda Ray, que a resenha vai ser basicamente uma sucessão de elogios sinceros e muito amor!

Primeiríssima coisa; se você é a(o) louca(o) dos signos, se prepara, esse livro é o manual dos signos mais maravilhoso e baphonico do século! Segunda coisa: você vai querer ser amiga dessa pessoa linda depois que começar a ler o livro. Sério gente, não sei se foi a escrita mais informal e mais perto o possível da oralidade, ou se foi o carisma encantador que a Ray demostrou desde o dia em que a conheci (você pode conferir a entrevista que fiz com a Ray!), só sei que eu consegui (na minha cabeça doida de fã/leitora/escritora/crítica) misturar a Ray escritora e a personagem Isadora. De tal maneira que eu imaginava as cenas todas com a Ray, e também tive que me conter oitenta e sete vezes para não mandar uma mensagem dizendo algo do tipo: “menina, tu não vai pegar de novo o escorpiano?” ou “filha, sai dessa bad ai e se joga nos signos!” e bem…. a personagem “seguiu meu conselho” kkkkk.

Isadora é estudante do terceiro ano de jornalismo da USP (minha amada e demonizada universidade) e namora um tal de Lucas há 6 anos – tudo lindo e bonito, poderia até ser um romance do Nicholas Sparks – até que o garoto resolve traí-la com uma das suas melhores amigas da faculdade – E MAIS… No. Aniversário. Dela…. Depois de meses sem por a cara pra fora da rua, sua prima – outra personagem quem eu queria ser amiga – a convence a ir até uma balada e afogar as mágoas na cachaça se distrair um pouco. É nessa noite que ela descobre o motivo pelo qual foi traída, enganada, chifrada e feita de boba: ela era de Áries e o ex boy não magia era de Peixes! inferno astral, era esse o grande motivo! Juntando a vontade de comer (seu trabalho final para sua matéria de jornalismo online) e a fome (a necessidade de se reinventar e sair do posso profundo que ela chama de cama + Netflix) surge o blog astrológico: Os 12 Signos de Valentina. Nele, Isa promete passar o rodo no zodíaco e contar tin tin por tin tin da experiência com cada um.

Agora, vamos que vamos. Apesar de uma narrativa leve e descontraída, Ray Tavares consegue adicionar assuntos sérios misturados à assuntos mais leves e fazer um incrível livro, que a primeira vista, parece ser um emocionante romance new adult, mas que carrega no meio, ideologias trabalhadas, ideais sociais e muita humanidade. Dava pra sentir em cada capítulo o empoderamento feminino que era transmitido, a sororidade, a igualdade, e sobretudo: o amor. Pois convenhamos, um término nunca será agradável – por mais necessário que seja à saúde mental de ambos- mas se você tem pessoas que jogam o bote salva vidas quando você vai se afogar, então, bem, você tem tudo! E o que dizer das cenas do encontros? Da curiosidade bem trabalhada e do íma com que pesca o leitor; a cada mensagem que a Isa recebia no celular ela se emocionava de alguma forma – e eu já surtava; a cada acontecimento importante ela se abalava – e eu arrancava os cabelos! E assim, foi impossível não consumir o livro como se fosse o brigadeiro mais gostoso e único do século! "Os 12 Signos de Valentina" de Raissa Tavares pela editora Record| Resenha por Samira Oliveira para o DEZOITOEMPONTO.COM

A Insustentável Leveza do Ser – Milan Kundera| Resenha de um dos meus livros preferidos!
Para Educar Crianças Feministas – Um Manifesto | Chimamanda Ngozi Adichie
Quando Eu Era Invisível – Martin Pistorius | Superação e amor formam seu caminho.
Beauty Outros

O Segredo do Ruivo Perfeito – HENNA + Entrevista com Iara Henna

24.07.17
O Segredo do Ruivo Perfeito - HENNA + Entrevista com Iara Henna Blog Dezoito em Ponto

Quer saber o segredo para o ruivo dos sonhos? Aquele ruivo Marina Ruy Barbosa, de um jeito natural, sem química e que ainda recupera os fios danificados? Parece sonho mas é real: Henna! Vem que eu te conto o segredo pro ruivo natural mais lindo do mundo!

Se você ainda é nova na saga ruiva, te aconselho a dar uma lida primeiro nesse post, em que expliquei um pouco sobre a transição dos fios virgens para a tintura e neste em que indiquei um tonalizante maravilhoso para as ruivinhas. A primeira coisa que você precisa ter para começar a usar a henna é: certeza. Certeza de que quer realmente ser ruiva – pro resto do vida – ou pelo menos, por um bom tempo. Isso porquê a henna não desbota (esse é um dos motivos do meu eterno amor por ela) e se você jogar uma tinta por cima vai manchar todo o seu cabelo. Então antes de tudo, faça essa escolha, pois depois dela, para sair do ruivo você vai precisar esperar o cabelo crescer e ir cortando – ou tentar alguma das receitas que sugerem no grupo de Henna do Facebook. Nesse post vou contar minha experiência e sanar algumas duvidas com a expert das hennas: Iara – a maravilhosa que vende a melhor henna do mundo! Mas também te aconselho ler esse post da Aninha, o manual da henna.

O Segredo do Ruivo Perfeito - HENNA + Entrevista com Iara Henna Blog Dezoito em Ponto

Leia mais

Esfoliante e Luvas de Silicone – Niraj Indian| Cuidados com as mãos
10 Blogs para conhecer e celebrar o Blog Day da melhor forma possível!
Tudo que você sempre quis saber sobre o Layout do Blog Dezoito em Ponto – feito por Ana Flávia Cador
Literatura

Entrevista com Ray Tavares escritora de “Os 12 Signos de Valentina”

14.07.17
Entrevista com Ray Tavares escritora de "Os 12 Signos de Valentina"

Entrevistinha fofa com a autora mais diva do universo: Ray Tavares; a autora de “Os 12 Signos de Valentina” editado pela Galera Record. Uma moça idealista, agradável, indecisa – como toda boa pessoa que tem algo de gêmeos no mapa astral; amante de leitura e escrita (será que ela me aceita como melhor amiga?), ruiva (olha ai, mais 1 ponto pra essa amizade) e considera os signos de água os melhores para namorar (bem…Eu sou de escorpião tá? Tô aceitando amizades hehe).

Samira Oliveira: Conte-nos um pouco sobre você, quem é Raissa Tavares?

Ray Tavares: essa pergunta é engraçada, e eu sempre dou uma resposta diferente toda vez que me perguntam, porque eu sou diferente dependendo do dia, da hora, do momento… se você tivesse me perguntado isso ontem, eu te diria que sou empreendedora, responsável, hoje, posso te dizer que sou um pouco preguiçosa. Mas, no geral, tem três características minhas que nunca mudaram ao longo da vida: sou criativa, idealista e impulsiva. Todas as minhas ações se baseiam nesse tripé! De maneira mais didática, meu nome é Raissa Carolina Tavares Jacobucci, tenho 24 anos, sou formada em Gestão de Políticas Públicas pela USP, sou ariana com ascendência em gêmeos e lua em áries, trabalho com consultoria e auditoria de impostos e escrevo desde os meus 13 aninhos de idade.

S: Vi que você já viajou bastante, isso te ajuda a ter novas ideias para os livros?

R: Sim! Eu amo viajar, se eu tivesse grana, eu só faria isso. Quem precisa de carro, roupa, mansão, champanhe e mordomo quando a gente pode ficar hospedado numa cabana no meio do deserto de Marrocos e viver uma experiência única!? As minhas viagens me inspiram, mas, mais do que isso, me dão bagagem para criar personagens plurais, diferentes, de culturas diferentes, histórias diferentes.

S: Onde você aprendeu tanto sobre astrologia? Tiveram alguns livros e sites decisivos para esse aprendizado?

R: Minha mãe ama astrologia, então o conhecimento básico e a paixão pelo tema passou de mãe para filha. Mas eu me aprofundei bastante através de livros e portais sobre o assunto. Tem MUITO conteúdo maravilhoso e gratuito na internet sobre astrologia – quem se interessa, não pode perder tempo!

 

S: Há quantos anos você escreve e como começou seu amor pela escrita?

R: Eu escrevi a minha primeira fanfic aos 13 anos, mas acho que o amor pela escrita partiu do meu amor pela leitura, e esse é muito antigo. Eu lembro de ainda não saber ler e pedir para a minha mãe e para as minhas tias lerem os Gibis da Turma da Mônica para mim – eu NEM SABIA ler e já amava a leitura! A minha avó contava muitas histórias para mim também, e eu sempre gostei do sentimento de poder entrar em outros mundos e histórias só com o poder da mente. Acho que a escrita foi uma evolução natural disso.

S: Como funciona seu processo criativo?

R: Eu não tenho um “processo”. Tem dias que eu sento na frente do pc e escrevo 20 páginas sem parar. Tem dias que eu não consigo nem escrever uma linha. A minha inspiração é muito assimétrica. Quando eu estou afim, senta que lá vem história, quando eu não estou, prefiro fazer qualquer coisa à escrever.

Quando você ama o que faz, as pessoas percebem isso.

S: Qual dos seus personagens você namoraria?

R: Eu namoraria o Andrei, obviamente. E o Oliver de Hacker. São meus dois crushs literários de minha autoria!

S: Na sua opinião, o que foi necessário para o sucesso de “Os 12 Signos de Valentina”?

R: A dedicação que eu depositei na história e a divulgação das pessoas que gostaram da Isadora – foi uma mistura de eu não deixar a peteca cair e continuar escrevendo, divulgando, criando mais conteúdo, espalhando a história pela internet, mesmo nos momentos mais difíceis, e os meus leitores maravilhosos que nunca me deixaram desistir.

S: Qual(is) conselho(os) você daria para quem está começando a escrever?

R: Escreva sobre o que te fascina, não sobre o que está na moda. Escreva com o coração, escreva porque a ideia de passar um dia sem escrever te faz mal, escreva porque você quer que o mundo conheça aquela história. Quando você ama o que faz, as pessoas percebem isso.

S: Qual signo você acha melhor para namorar? E para ter uma amizade?

R:Os signos de água são bons namorados, fieis, apaixonados, dedicados – câncer e peixes, principalmente. Para uma amizade, sagitarianos e aquarianos são incríveis e vão te fazer viver experiências muito muito muito doidas.

S: Você costuma construir seus personagens à imagem de pessoas que você conhece?

R: Não 100% – gosto de colocar características físicas e emocionais de amigos e familiares em personagens, mas nunca criei um igualzinho a alguém que eu conheço.

…eu sou diferente dependendo do dia, da hora, do momento… se você tivesse me perguntado isso ontem, eu te diria que sou empreendedora, responsável, hoje, posso te dizer que sou um pouco preguiçosa.

S: Nos conte sobre seus livros anteriores, fanfics e leitores lá do comecinho, como eles foram conhecendo suas histórias?

R: Eu comecei escrevendo fanfics da banda McFLY – hospedava as minhas histórias no Fanfic Addiction e passava horas e mais horas conversando sobre fanfics na tag do site. Foi lá que comecei a criar uma relação maravilhosa com os meus leitores, nos tornamos amigos mesmo, e a cada dia aparecia um novo para somar no bonde. Depois do FFADD, migrei para o FFOBS, depois do FFOBS criei o Clube das Autoras com amigas escritoras, o CDA acabou, fundamos o Universo Paralelo e, finalmente, já com uns bons 8/9 anos de estrada, entrei para o Wattpad. Tenho leitoras lá do FFADD e tenho leitoras que me conheceram pelo Wattpad, e posso dizer que tem sido uma viagem maravilhosa! As minhas histórias estão todas disponíveis no Wattpad e são, em ordem de idade: Gossip Boys, Noiei, Nuts!, Hacker, Bola na Rede, Os 12 Signos de Valentina, Carta aos Astros e Travessia.

S: Quais livros você está escrevendo no momento? Você já tem planos para a próxima publicação física?

R: Eu não paro quieta, né? No momento, estou escrevendo Carta aos Astros, spin-off de Os 12 Signos de Valentina, Travessia, uma distopia muito doida, Sexologia, em parceria com a Má Marche, estou reescrevendo Gossip Boys, minha primeira fanfic, e comecei a estruturas o livro novo, que vai se chama Rainha da Friendzone.

 
Se você gostou da linda Ray fique de olho aqui no Dezoito em Ponto, que logo logo posto a resenha de “Os 12 Signos de Valentina! Para ver mais entrevistas clique aqui e se você é a louca dos livros clique aqui para ver resenhas e um vasto conteúdo literário do Blog
"Os 12 Signos de Valentina" de Raissa Tavares pela editora Record| Resenha por Samira Oliveira para o DEZOITOEMPONTO.COM
A Insustentável Leveza do Ser – Milan Kundera| Resenha de um dos meus livros preferidos!
Para Educar Crianças Feministas – Um Manifesto | Chimamanda Ngozi Adichie
Quando Eu Era Invisível – Martin Pistorius | Superação e amor formam seu caminho.
Outros

Como é morar no CRUSP – Moradia Estudantil da USP #2

10.02.17

Entrevista - procedimentos necessários para morar no alojamento estudantil de faculdade pública. Aluna conta um pouco sobre sua experiência como moradora do CRUSP..USP imagens

Universidades Públicas como a USP costumam ter alojamentos para alunos que não tenham condições de pagar um lugar para ficar, no nosso caso, o alojamento se chama CRUSP. Além da moradia ainda há outros auxílios que podem ser conseguidos pelos alunos – basta seguir alguns passos que vamos explicar melhor ao longo do post. Além disso, sempre tem aquela dúvida em como será que funciona tudo isso; “como conseguir uma vaga?”, “como funciona o alojamento?” e aquela célebre pergunta: “você gosta de morar no CRUSP?”. Para responder melhor todas as perguntas que você, calourinho, está pensando nesse instante, convidei minha amiga Daiana Teixeira para um breve entrevistinha que, prometo, vai te deixar menos confuso e mais confiante quanto á sua moradia. Este é o segundo post da série Calouro Letras USP. No primeiro post (este aqui) contei sobre como foi o meu primeiro ano na faculdade – e falei um pouquinho sobre as matérias ministradas nesses 2 semestres iniciais.


  • Dai, você me disse que faz parte do Grupo do Trabalho (GT), como ele funciona? O que é discutido e trabalhado no Grupo?

O GT de permanência é um grupo vinculado à Associação de Moradores do CRUSP (AmorCrusp) que busca se reunir com os moradores para discutir sobre a permanência estudantil, principalmente com os candidatos a novos moradores. O GT de permanência acompanha a situação dos estudantes que estão no alojamento e os convida para reuniões, ajuda na busca por vagas no Crusp, orienta sobre pessoas que já causaram problemas no Crusp, e atua na recepção dos calouros para que eles saibam que o Crusp existe e como é o processo de seleção para a moradia.

  • Como é morar no CRUSP?  A convivência com os demais alunos é boa?

Pra mim sempre foi um sonho morar na universidade, sempre fez parte dos meus planos e me sinto feliz morando no CRUSP.  A economia de tempo com certeza é a maior vantagem, porque no meu caso, em 10 minutos a pé chego na Letras e o bandejão fica no corredor de acesso aos prédios. O Cinusp (cinema da USP) também fica ao lado; há duas lavanderias, que  são bem básicas mesmo e super concorridas, mas ajuda muito! Os apartamentos são pequenos: área comum, um banheiro com privada e outro com chuveiro e tanque (exceto bloco A1, que é o mais novo e tem área comum, 6 quartos, banheiro, uma mini cozinha e internet cabeada) – o que pra mim que sempre morei numa casa pequena, não é dificuldade nenhuma. No Bloco que eu moro tem duas cozinhas coletivas (com fogões, pias e mesas, mas sem geladeira), no 2º e no 6º andar, nos outros andares, tem sala de vídeo com TV e poltronas, e uma sala de estudo com pouca estrutura (uma mesa de plástico e uma ou outra cadeira, da última vez que vi). No Crusp, exceto no bloco A1, o que o pessoal geralmente reclama bastante é a falta de internet. Eu tive sorte de entrar em um apartamento que funciona até que bem – o wi-fi cai só às vezes.  Mas em muitos apartamentos não funciona, então vários moradores recorrem ao que a gente chama de Crackonet, que é um espaço em frente a entrada do Cinusp onde o sinal funciona melhor e aí sempre tem gente lá com computador e celular – se você passar lá duas horas da manhã, tem gente. Em relação à convivência, posso dizer que no geral é tranquila, lembrando que falo pela minha experiência, porque nunca sofri assédio, nem briguei com alguém, e moro com pessoas muito legais. Porém, existem pessoas que já passaram por situações difíceis no Crusp, como mulheres e LGBTs que sofreram agressões; moças que já foram assediadas ou até mesmo estupradas por algum morador (sim, existem casos, para saber mais, é só procurar saber das situações levantadas pela Ocupação da SAS), pessoas que já tiveram coisas roubadas, etc… Como em todo lugar no mundo, no CRUSP também existem pessoas escrotas, que às vezes não entendem que a cozinha é coletiva, que sujam o elevador (já fizeram xixi), mas, como em todo lugar no mundo, também existem pessoas gentis, pessoas que querem tornar o CRUSP um lugar melhor pra se viver.

  • Como funciona a distribuição de estudantes novos?

Depois que sai o resultado do PAPFE, você tem um prazo para tentar entrar em um apartamento por afinidade, ou seja, você vai bater de porta em porta perguntando se tem vaga (há um quadro na portaria de cada prédio que consta os nomes dos moradores e dos quartos com vaga, MAS, nem sempre esse quadro está atualizado), contando sua história, conversando com as pessoas e tal, até achar um apartamento em que você se sinta acolhido e seja aceito pelos moradores. Caso você tenha amigos no Crusp e no apartamento deles tenha vaga, você pode morar com eles. Se esse prazo acabar e você não conseguir um lugar por afinidade, você vai para sorteio e aí pode cair em qualquer apartamento com vaga: com pessoas legais, ou nem tanto, ou terrivelmente escrotas. Você pode ser hospedado regularmente (quando a SAS sabe que você é hóspede de alguém), ou hóspede, sem ninguém saber, você pode simplesmente não existir para a burocracia.

  • Qual é o processo necessário para um aluno que deseja morar no alojamento? 

A primeira coisa é correr na SAS e explicar toda sua situação, que você não tem onde ficar nem dinheiro para pagar, então você vai passar por uma avaliação e o resultado sai em alguns dias, no meu caso fiquei acampada na sala 51 do bloco F (acampamento organizado pelo GT de permanência, sem nenhum vínculo com a SAS) na semana da calourada, e entrei no alojamento no primeiro dia de aula, 22 de Fev. O prazo para ficar no alojamento vai até sair o resultado do Crusp, se você conseguir uma vaga, é só se mudar. No meu caso fiquei no alojamento até Agosto, porque o resultado do PAPFE atrasou, e consegui o CRUSP na segunda chamada. Os alojamentos do bloco E tem 3 quartos com duas beliches cada, dois banheiros com privada, um banheiro com dois chuveiros e  pia do lado de fora, morei lá com mais 8 meninas, sendo que cabiam 12. No bloco C, por exemplo, o masculino fica no térreo, são duas fileiras de cama (umas 8, 10) e um banheiro grande com chuveiros e privadas (não sei quantidade).

  • Quais outros auxílios são oferecidos pela USP?

O CRUSP também é chamado de Apoio Moradia. Além dele existe:

Auxílio Moradia: R$ 400,00  todo mês para você se virar fora do Crusp, se não me engano, durante um ano e depois dá pra renovar.

Auxílio Alimentação: Café, almoço e janta de graça no bandejão. Quando você pede esse auxílio, você tem que informar quantos créditos precisa, cada crédito é uma refeição, e se não me engano, café nem entra na conta.

Auxílio Livros: R$ 150,00 todo mês durante um ano (exceto Julho e Janeiro) pra comprar livros em qualquer livraria dentro da USP. Poucas pessoas conseguem esse auxílio, somente as pontuações mais altas no PAPFE.

Você também pode participar do Programa de Unificado de Bolsas (PUB), se não me engano abre edital todo ano. Para isso você precisa estar inscrito no PAPFE, porque o PUB também utiliza a pontuação dada pela avaliação socioeconômica. O PUB é basicamente: abre o edital, você pesquisa pelo Júpiter os projetos dos professores de acordo com seu interesse na (s) vertente(s) pesquisa, cultura e ensino (o chamado tripé que sustenta a USP) e se inscreve em até dois. Aí é o professor que te seleciona ou não, de acordo com a pontuação, então pelo Júpiter você vê se foi selecionado ou não, aí você aceita ou não, aceitando você aceita um contrato com algumas cláusulas. Basicamente, você trabalha no projeto com o professor apenas 10h por semana e recebe R$ 400,00 reais por mês.

  • Qual o procedimento necessário para recebê-los?

Inscrição no PAPFE pelo Júpiter, entrega de documentos (muitos) e entrevista com a assistente social se for a primeira inscrição no PAPFE, e se não for, você pode entregar menos documentos e decidir não conversar com a assistente.

  • Como funciona a limpeza do prédio e dos apartamentos? Nas áreas de convivência tem algum funcionário que desempenha tais tarefas, ou os alunos que ficam encarregados disso?

Brevemente: os moradores se viram com a limpeza de seus apartamentos. Os funcionários limpam as demais partes dos prédios, o que inclui corredores, cozinhas, elevadores, escadas, vidros, etc. Os moradores podem solicitar serviços de manutenção na zeladoria, como por exemplo, conserto de fechaduras, desentupir tanque, essas coisas.

  • Qual o tempo máximo para a permanência (em anos) de um aluno no alojamento?

Se não me engano, é o tempo ideal da sua graduação mais um ano.

  • Há alguma separação entre alunos da graduação e alunos da pós?

Sim, os blocos C e G são exclusivos para a pós. Os restante é para alunos de graduação.

Bom, agora que você já sabe resolver seu maior problema: moradia, que tal descobrir 18 coisas que você PRECISA SABER antes de morar sozinho (sério, isso é muito importante e você vai se surpreender com algumas “novidades” dessa nova vida hehehe). Ah e aproveita pra conferir o penoso percurso ente a temida FUVEST e a tão sonhada USP. E se você perdeu o primeiro post dessa série, não se desespere, clique aqui e saiba como foi meu 1º ano na faculdade. ;)

Esfoliante e Luvas de Silicone – Niraj Indian| Cuidados com as mãos
10 Blogs para conhecer e celebrar o Blog Day da melhor forma possível!
Tudo que você sempre quis saber sobre o Layout do Blog Dezoito em Ponto – feito por Ana Flávia Cador
Arte

Da confeitaria para o atelier, conheça os acessórios em biscuit de Bruna Nóbrega do “Arte Vira Lata”

06.02.17

Acessórios em Biscuit feitos pela artista brasileira Bruna Nóbrega, da Loja Arte Vira Lata. Confecciona miniaturas perfeitas, delicadas e repleta de detalhes. Além de acessórios ela ainda cria os "cenários" que você pode pendurar na parede ou usá-lo apoiado também como enfeite. Sua especialidade são as miniaturas de doces, pequenas perfeições nas mãos da rainha dos biscuits. Conheça a rainha dos biscuits e se apaixone você também, por essa arte incrível!Quem diria que biscuit poderia virar uma peça tão incrível nas mãos de uma artista? Antes do Arte Vira Lata eu não imaginava que isso seria possível. Acessórios em biscuit que parecem até que uma fadinha os fez encolher – tamanha a perfeição e detalhes! Cenários delicados e minuciosamente montados para refletir toda a personalidade da pessoa que encomendou e enfeitar aquele lugar especial da casa ♥ Quem imaginaria que essa moça tão “de humanas” e artística, é gastrônoma? Pensando bem, o Arte Vira Lata tem mesmo essas coisas de nos surpreender. Pelo menos é esse o sentimento mais forte em mim – e em todos que conhecem a marca – a cada vez que eu vejo uma peça nova. É como se ela conseguisse se reinventar a cada dia – até mesmo as pessoinhas em biscuit ela já está conseguindo fazer maravilhosamente! As vezes eu fico totalmente sem palavras para expressar a alegria que sinto em ver tudo o que essa moça tão especial consegue fazer! Acho que na verdade, eu tenho uma certa emoção inexplicável por miniaturas, talvez isso me faça lembrar da minha infância e dos mini acessórios da Barbie, ou talvez seja a representação que o meu inconsciente encontrou para resumir toda a minha alegria de infância. Mas eu cresci, e a minha paixão por miniatura cresceu junto comigo – seja para usar ou para enfeitar, eu sempre sou atraída para a delicadeza dessas peças. Encontrar a Bruna e seu trabalho, foi como encontrar uma parte de mim, perdida em algum canto do passado – a qual eu sempre quis reencontrar. E bom, isso eu nunca havia contado pra ninguém.

Acessórios em Biscuit feitos pela artista brasileira Bruna Nóbrega, da Loja Arte Vira Lata. Confecciona miniaturas perfeitas, delicadas e repleta de detalhes. Além de acessórios ela ainda cria os "cenários" que você pode pendurar na parede ou usá-lo apoiado também como enfeite. Sua especialidade são as miniaturas de doces, pequenas perfeições nas mãos da rainha dos biscuits. Conheça a rainha dos biscuits e se apaixone você também, por essa arte incrível!

Acessórios em Biscuit feitos pela artista brasileira Bruna Nóbrega, da Loja Arte Vira Lata. Confecciona miniaturas perfeitas, delicadas e repleta de detalhes. Além de acessórios ela ainda cria os "cenários" que você pode pendurar na parede ou usá-lo apoiado também como enfeite. Sua especialidade são as miniaturas de doces, pequenas perfeições nas mãos da rainha dos biscuits. Conheça a rainha dos biscuits e se apaixone você também, por essa arte incrível!


Para mostrar um pouco mais dessa marca linda eu convidei a Bru para um entrevista rapidinha sobre o Arte Vira Lata, e bom, sobre ela também! Assim como ela disse, sua marca é única como os vira-latas são. Seu amor pelo que faz é visível e se transborda de cada peça, de cada conversa, de cada foto. Espero que você goste da nossa conversa e fique mais apaixonado ainda por essa artista! E para conferir o Photoshoot que fiz com os acessórios da Bru, clique aqui.

Leia mais

Papelaria, decoração e muita positividade com a artista e sonhadora Amanda Mol
Fofurices de papelaria do Estúdio Anzol
Ilustrações musicais da artista brasileira Fernanda Fernandez
Página 1 de 2
12