Posts da tag "mulher"
Filmes/Séries Outros

Finalmente uma heroína para nos representar: Mulher Maravilha

18.06.17

Representatividade e empoderamento feminino no filme da DC Mulher MaravilhaEu realmente tentei não falar nada sobre Mulher Maravilha – mesmo Eduardo tendo insistido para que eu fizesse uma resenha sobre o filme. Mesmo eu tendo amado e me emocionado com ele. Se você quer uma resenha, vá direto a esta: 7 Clichês e Estereótipos Subvertidos em Mulher-Maravilha (e outros 4 que nem tanto assim) pois neste post eu pretendo apenas contar tudo o que senti com o filme – e quem sabe você não se identifica também?

Contém Spoilers!

Se você não é muito nova com certeza esbarrou em uma tia, mãe ou avó dizendo algo como: herói é coisa de menino, essa violência, esses murros, não é pra menina. Menina tem que ser delicadinha! Por esse motivo eu sempre estive muito  meio longe de heróis, e só fui me aproximar um pouco mais por causa do Du (meu namorado) – e isso é extremamente lamentável. A divisão entre “coisas de menina” e “coisas de menino” era tão profundamente fincada nas crianças – e portanto em nós, atualmente – que eu mesma, as vezes me vejo sem saber como reagir, como ensinar minha priminha de 3 anos, o fato de que é perfeitamente comum ela querer um carrinho. E vejo com muita emoção, minha avó sem ofertar uma daquelas respostas que eu sempre ouvi, sem cortar a vontade da minha prima em brincar de futebol. Nessas pequenas coisinhas entre a educação que eu recebi e a que minha priminha está recebendo, que eu fico feliz, orgulhosa e esperançosa, de que as mulheres vão ganhando cada vez mais espaço e igualdade – dia após dia.

No filme, sem dúvidas, a minha cena preferida foi quando Diana atravessou um campo de batalha – que os homens não tinham conseguido avançar nem poucos metros em 1 ano – e deu cobertura para que os outros homens passassem. Aquela cena, encheu meus olhos de lágrimas e meu coração de esperança. Senti aquela pontada no peito, aquela vozinha dizendo – você está sendo representada, a sua força está sendo reconhecida. Porquê mesmo que nós, mulheres comuns não tenhamos poderes sobrenaturais como os de Diana e nem sejamos deusas como ela; nós temos, a força mágica da vida, do sentimento, do poder, da magia e da fortaleza. Temos sim, um poder enorme dentro de nós e muito mais do que a divindade de Diana, seu poder se deve sobretudo à sua feminilidade – sim, ao seu eu feminino, e eu vou sim, gritar pra quem quiser ouvir que ela é poderosa justamente por ser mulher, por buscar justiça, por ter bondade, por ter dentro de si verdades tão honrosas!

Se tem uma forma de reconhecer fielmente o que o feminismo busca, essa forma é observando a Ilha de Themyscira. É vendo que seu ideal de força é inteiro de uma mulher, que sua atenção e respeito são direcionados a mulheres – e não poderia ser diferente já que a sua sociedade não despreza mulheres, e também não despreza os homens. ba dum tss! Creio eu que esse seja o ponto, quando Steve chega à ilha seguido dos outros barcos, elas partem para a luta por estarem sendo invadidas. Após isso, no julgamento de Steve, não há um papo por exemplo: você nem deveria estar aqui, você é um homem! Como acontece em Londres na “vida real” com Diana. Para elas não há um inferior, há apenas o reconhecimento do diferente, mas o igual respeito. No link em que coloquei lá em cima há esta passagem que ilustra muito o que eu quero dizer:

Mais tarde, vemos que fora de Themyscira Diana é tão atenciosa e respeitosa com outras mulheres como dentro. Ela ouve Etta da mesma forma que Steve e é a única do grupo a não dar as costas para uma mulher que pede sua ajuda nas trincheiras. Isso é muito coerente, afinal, Diana foi criada por mulheres, viveu entre mulheres, e todos os seus heróis e exemplos de vida são mulheres. E isso se reflete na forma como ela se porta no mundo fora de Themyscira. Não faria sentido ela sentir rivalidade ou desprezar mulheres, assim como não faria sentido ela se sentir intimidada ou acuada por homens (ou mesmo sentir medo ou culpa por dormir ao lado de um deles em um barco). Diana não foi criada em uma cultura de estupro e de inferiorização da mulher e o resultado disso vemos nas telas: uma heroína segura de si, que confia na própria força (e na de outras mulheres), e que até escuta os homens, mas no fim toma suas próprias decisões.

E a diretora, Patty Jenkins completa, em entrevista ao Omelete:

Ela não é feminista, pois nunca ocorreu a ela que alguém seria tratado diferente, o que por si só é uma declaração poderosa. Fico aborrecida quando ela se torna o centro de controvérsias sobre ser ou não um ícone feminista. Ela é. Ela tem sido por muito tempo, ninguém pode decidir se ela deveria ser ou não. Ela é, para muitas mulheres e homens que se identificam com ela.

Todas as vezes que ela entrou no “lugar dos homens” com toda a naturalidade do mundo, eu soltava internamente, um gritinho de emoção. Retratar um pensamento tão machista – e infelizmente contemporâneo – como o da época e acrescentar a isso a Mulher Maravilha, ilustrou perfeitamente a igualdade que queremos. Ficou mais claro do que um desenho, o ideal feminista que ela quer mostrar, o contraste gritante da nossa sociedade tão sexista e o que lutamos para mudar.

Outro ponto louvável foi a vestimenta das amazonas, nada de hipersexualização, nada mostrando mais do que o necessário, nada de silicone se agarrando aos peitos. A roupa delas foi feita para lutar, e isso fica muito claro quando Diana está em Londres comprando “roupas adequadas” quando ela pergunta “como as mulheres conseguem lutar vestindo isso?” e em seguida rasga uma calça, levanta um vestido ou cai de um salto. A roupa que elas usavam eram práticas, armaduras que possibilitam uma boa mobilidade e proteção e acessórios que demonstrassem sua função na Ilha.

Essa foi a minha humilde opinião – cheia de emoção sim – sobre o filme da Mulher Maravilha. E você, já foi assistir? Me conte tudinho nos comentários ;)

Esfoliante e Luvas de Silicone – Niraj Indian| Cuidados com as mãos
10 Blogs para conhecer e celebrar o Blog Day da melhor forma possível!
Tudo que você sempre quis saber sobre o Layout do Blog Dezoito em Ponto – feito por Ana Flávia Cador
Literatura

Mãe Sem Manual – Rita Lisauskas| Lançamento da Editora Belas Letras

19.05.17

Mãe Sem Manual - Rita Lisauskas| Lançamento da Editora Belas Letras Resenha por Samira Oliveira para o Blog Dezoito em PontoDia das Mães já foi, mas sempre é dia de dar aquele mimo de presente pra Mãe né? Para tanto, confira a resenha de “Mãe Sem Manual” da jornalista Rita Lisauskas e faça sua mãe se emocionar ainda mais.

Muito mais do que um “antimanual” segundo a autora, o livro também é um – manual sem regras para a vida – ou pelo menos foi o que eu senti. Mas como assim? Vocês me perguntam. Bom, vamos começar do início. Eu, no alto dos meus quase 20 anos não tenho a pretensão de ser mãe, na verdade essa é uma ponte que eu só quero pensar quando chegar nela (daqui uns 40 anos mais ou menos) então a priori eu estava, digamos, relutante em ler o livro. Mas assim que comecei foi impossível parar, mesmo o assunto supostamente não me interessando muito, eu me peguei lembrando de coisas da época em que meus primos eram recém nascidos. Me transportei de volta há uns 9 anos quando minha tia tinha seu primeiro filho – e não se sabia se quem estava mais atordoada era ela ou eu. Na verdade esse livro vai ser dado pra ela, ela tem tudo a ver com ele. Não raras vezes ela acaba dizendo que “ai não sou uma boa mãe”, “tento fazer certo e erro” e tantos outros “mimimis” pois na verdade, achamos que ela está acertando sim. E se não estiver, bem, ninguém nasceu sabendo – nas verdade eu parto da premissa de que mulher não nasceu pra ser mãe, não tem uma ultra força da natureza empurrando pra isso (não mais do que a mesma existente nos homens para serem pais). E Rita Lisauskas vai falar sobre esses momentos de angústia que acompanha a maternidade e tirar dúvidas que a gente sempre quis sabe sobre essa – digamos – fase da vida. Eu descobri que eu tinha várias curiosidades sobre esse mundo – que só foram sanadas com esse livro.Mãe Sem Manual - Rita Lisauskas| Lançamento da Editora Belas Letras Resenha por Samira Oliveira para o Blog Dezoito em PontoEm “Mãe Sem Manual” vemos a realidade de uma mãe de verdade. Não aquelas que aparecem bem vestidas e sempre sorridentes nos comerciais de fraldas. A mãe de verdade, que está aos poucos aprendendo a cuidar de um ser que depende exclusivamente dela – e que não tem tempo e nem como, estar linda e sorridente. A mãe da vida real não vai ser julgada (pela autora) – independentemente de qual escolha ela tenha feito. Cesária ou parto normal, deixar o bebê com os avôs dele ou na creche, voltar a se dedicar à carreira profissional ou jogar tudo pro alto e viver apenas para o filho. Todas essas opções super variadas são discutidas, apreendidas, respeitadas e tudo bem, como ela diz “cada um sabe onde aperta o calo e onde a calça pega”. Se você quer deixar sua mãe feliz e saudosa dos seus tempos de baby, anota o nome do livro, ela vai se identificar com ele com certeza – e se emocionar! Até eu que não sou mãe me emocionei! (não, pera, sou mãe da Belinha né?).Mãe Sem Manual - Rita Lisauskas| Lançamento da Editora Belas Letras Resenha por Samira Oliveira para o Blog Dezoito em PontoAlém de um manual às avessas, o livro também é muito educativo e instrutivo, mas principalmente: foi feito para mães lerem. Principalmente por ser rápido, objetivo e bem humorado. Acredito que principalmente mães de bebês pequenos não conseguem muito tempo para ler, então por isso também esse livro é curtinho e fácil de ser lido – entre uma mamadeira e outra né mamães? Adorei as ilustrações bem engraçadas e bonitas também, resumem bem cada capítulo. A narrativa da Rita é uma coisa deliciosa, ela é muito divertida, dá exemplos maravilhosos e nos transporta através do tempo para o dia do seu parto; para quando o bebê chorou desesperadamente e até para quando – pela primeira vez – ela teve de deixá-lo para trabalhar. Aí vemos de pertinho, as tristezas, emoções – enxurradas de emoções – lágrimas e sorrisos de que são feitos uma mãe.Rita Lisauskas é jornalista brasileira formada na PUC – SP e já trabalhou em importantes jornais como RedeTV!, SBT, Portal Terra, TV Record, TV Bandeirantes e TV Centro América (afiliada da Rede Globo). Atualmente, escreve para O Estado de São Paulo e para a revista Crescer, da editora Globo. Se lançou como escritora este ano ao publicar seu primeiro livro “Mãe Sem Manual” advindo de seu blog “Ser Mãe É Padecer na Internet”, que a blogueira aqui que vos escreve, leu e teve crises de reflexões que não passaram até agora, portanto: leiam!Mãe Sem Manual - Rita Lisauskas| Lançamento da Editora Belas Letras Resenha por Samira Oliveira para o Blog Dezoito em Ponto

“Parece o filme “O Feitiço do Tempo” – e é. Você acorda todos os dias cheia de esperança, será que é hoje que finalmente vou conhecer meu filho? Nada acontece e o dia seguinte amanhece exatamente igual, com o bebê tranquilão da barriga, zero interesse em estrear nesse mundão de meu Deus.”
“A notícia da gravidez é algo avassalador. Junto com a felicidade e, muitas vezes, o susto, misturam-se outros sentimentos: o de incredulidade é o mais forte deles. Aquela sensação de eu-era-filha-até-ontem-e-agora-vou-ser-mãe-como-isso-é-possível é muito comum. Depois a voz da sua mãe na adolescência dizendo “quando você tiver filhos, vai me entender!”

Este post também faz parte do Projeto Ângulo Fotográfico Literário o qual participar os seguintes Blogs: Diz Aí Mariazinha , No Mundo da Lua, Lado Milla, Eu Randômica.

A Insustentável Leveza do Ser – Milan Kundera| Resenha de um dos meus livros preferidos!
Para Educar Crianças Feministas – Um Manifesto | Chimamanda Ngozi Adichie
Quando Eu Era Invisível – Martin Pistorius | Superação e amor formam seu caminho.
Outros

Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá?

14.05.17

Desde a clássica “Você Não É Todo Mundo” até “JUÍZO EIN?!” Confira as mais célebres frases ditas pelas mães dos leitores do Dezoito em Ponto. Algumas frases que a gente num guenta mais ouvir, e outras que a gente ama! Manda pra mamis, ein? Senão: “OLHA O CHINELO”

  • “Não esperava que você fosse ficar assim, preferia que não tivesse crescido”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Então mãe, como explicar? Eu tinha que crescer pra virar essa sereia linda que cê ama.


  • “Você não come nada! Vai cair dura aí. Saco vazio não para em pé!”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Cê não consegue entender como é isso é possível já que a coisa que você mais faz quando tá com ela é justamente, comer.


  • “Filha, juízo vale muito e não custa dinheiro!”

Mal sabia ela que eu ia ficar rica!!


  • Você não é todo mundo!”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Oxi mãe, mas de novo???


  • E JUIZÓ, TÁ?”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Qual o problema de vocês, mães, com a palavra “juízo”? É medo de a gente perder o dente do ciso é?”


  • “Só fica nesse celular O-D-I-A-I-N-T-E-R-O! Não sai desse celular, só fica lá, nos dedinhos”

My precious…


  • “Isso fica andando com esse celular na rua, fica, não vou comprar outro ein? Comprei só daquela vez, não sei o que eu tava na cabeça. Tomara que quebre. Vou fazer força pra ele quebrar”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Mais nossa, como que pode caber tanto ódio numa pessoa tão pequena? kkkk


  • Mande noticias! Olha lá com quem cê tá falando!
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

A gente tá sempre em perigo iminente! Até mesmo se estivesse no reino dos unicórnios.


  • ”Vê se tá tudo na bolsa” ”Se cuida, bom trabalho, te amo”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Não consigo nem comentar esse, apenas sentir <3


  • “Qual é o meu nome?? Não é ciclana?? Então você sabe que eu não sou mãe da fulana, sou SUA mãe”
"Qual é o meu nome?? Não é ciclana?? Então vc sabe que eu não sou mãe da fulana, sou SUA mãe"

CREIEMDEUSPAI CORRE


  • “O próximo bicho que você trouxer pra casa, vai você e ele pra rua”
"O próximo bicho que você trouxer pra casa, vai você e ele pra rua"

Mais mãe, essa capivarinha é diferente! E aquele lagarto da semana passada quase nem dá trabalho!


  • “Quando você for mãe, você vai entender”
"O próximo bicho que você trouxer pra casa, vai você e ele pra rua"

É, talvez nessa a senhora tenha razão…


  • “Eu tenho três tesouros vivos. Só tenho a agradecer a Deus.”
"O próximo bicho que você trouxer pra casa, vai você e ele pra rua"

Um minuto de silêncio pra a gente abraçar essa mãe!


  • “Anda, levanta, arruma essa bagunça. Tá pensando que mora num chiqueiro?”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Mas eu acabei de lavar o banheiro!


  • “Não faça nada que vá se arrepender depois”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Pior que esse conselho vale ouro!


  • “Leva uma blusa que tá frio lá fora!”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Tá não, mãe. Eu tô bem, olha o calor que tá fazendo…


  • “Puxou a mãe, né”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Aquele momento em que você fica sem jeito e feliz ao mesmo tempo, por “puxar” a pessoa que você mais ama no mundo!


  • “Queria poder te guardar num potinho, não queria que você crescesse e eu não pudesse mais te proteger de tudo. Queria que você tivesse ficado pequenininha.”
Mãe, a gente não aguenta mais ouvir essas coisas. Mas a gente ama, tá? - Blog Dezoito em Ponto Homenagem ao Dias das Mães

Será que eu consegui resumir a fofura dessa mãe? Talvez. Não dá pra alcançar o amor delas <3


  • “Eu daria a minha vida por você”

Essa é da minha avó-mãe e eu acho que já disse pra ela tudo o que ela precisava saber no dia de hoje (e todos os outros dias). Eu te amo, minha vida!


Essa foi uma pequena homenagem do Blog Dezoito em Ponto à todas as mães. Feliz Dia das Mães! E filhos… Não esquece de compartilhar com os amigos e com mamis ein? E com a tia, prima, irmã, quem tiver filhinhos… Ah e as mães de bichinhos também,  porquê não? Certeza que mães e filhos vão se identificar com a nossa lista!Esse post faz parte da tag 18 Coisas do Blog.

 

Esfoliante e Luvas de Silicone – Niraj Indian| Cuidados com as mãos
10 Blogs para conhecer e celebrar o Blog Day da melhor forma possível!
Tudo que você sempre quis saber sobre o Layout do Blog Dezoito em Ponto – feito por Ana Flávia Cador
Fotografia

Protagonismo da Mulher na Literatura – Projeto Ângulo Literário

26.03.17

Projeto Fotográfico Ângulo Literário no Blog Dezoito em Ponto, por Samira Oliveira. Fotografia, livros, lifestyle, moda, cactos e muito mais!Uma das coisas que eu mais gosto de fotografar é livro. Talvez seja por isso que eu amei esse Projeto Fotográfico, que junta dois amores: fotografia e livrinhos! Para esse desafio o tema foi: Livros com personagens femininas – sim, em homenagem ao mês da mulher. ♥ Mesmo o foco sendo nas fotos, quero falar um pouco sobre cada obra, então vamos lá? O primeiro escolhido foi “Alice’s Adventures Wonderland & Other Stories” da Barnes and Noble – quem tem boa memória vai lembrar que ele estava na minha Wishlist do ano passado, inclusive uma coisa muito interessante é que praticamente tudo que eu anotei no post e desejei, acabaram vindo para mim – assim como as metas para 2017. A resposta pra isso é só uma: Deus e Universo – que para mim os dois são praticamente a mesma coisa ;) Eu pretendo falar um pouco sobre o livro “O Segredo” mas pra frente – eu vivo falando dele no Stories do Instagram, dá um pulinho lá, vai?

Eu mostrei um pouco sobre o livro da Alice lá no Insta – e já tava morrendo de vontade de fotografá-lo (só fiquei com receio de vocês enjoarem de Alice, já que o Projeto do mês passado foi sobre amizade, e eu escolhi o meu mozão: Alice no País das Maravilhas! hehe). Nessa foto eu usei alguns objetos já presente nesse post (eles são muito fofos não posso evitar!) e o cenário de plantinhas (Amor) é trabalho dessa linda aqui: Bruna Nóbrega.

Quer aprender a fazer esses biscoitinhos da Alice? Clique aqui, eu ensinei um passo a passo super fácil para fazer essas fofuras em biscuit!
Projeto Fotográfico Ângulo Literário no Blog Dezoito em Ponto, por Samira Oliveira. Fotografia, livros, lifestyle, moda, cactos e muito mais!A segunda foto é sobre a coleção “A Seleção” de Kiera Cass, para essa foto eu usei meu vestido de formatura do 3º colegial (esse mesmo, do topo do blog) e em especial a escova de cabelo super princesa da minha avó. Eu adoro esses livros – são uns dos poucos que sobraram e não foram à venda do começo do ano – por vários motivos, entre eles: a sociedade montada no livro (inclusive é a minha maior inspiração para meu novo livro “Sociedade das Sereieas – Reinado de Moana”), o  amor e garra de America e claro, a narrativa empolgante, rápida e leve, como são os livros Juvenis.Projeto Fotográfico Ângulo Literário no Blog Dezoito em Ponto, por Samira Oliveira. Fotografia, livros, lifestyle, moda, cactos e muito mais!A terceira foto é sobre o livro “O Maravilhoso Livro das Meninas” – dei mais detalhes sobre ele aqui na legenda. E foi um presente da minha principal influenciadora no mundo da leitura: minha tia Elisângela – que inclusive me deu o primeiro livro do Harry Potter (obrigada tia! ♥). Apesar de parecer bem patriarcal, ele junta a “tradição” de bordados, culinária e costuras, mas também ensina brincadeira ao ar livre (e as brincadeiras “de menino”, inclusive) além de coisas bem interessantes como instruções para fazer perfume! (quem sabe um dia eu não aprendo e não posto aqui?). Outra coisa que amo no livro é que ele apresenta as mulheres mais fortes e ícones da história – seja exclusiva da literatura ou do “mundo real” – que mostra às meninas que elas são fortes e heroicas! Com certeza um livro que eu vou passar pra Bianca (minha priminha).Projeto Fotográfico Ângulo Literário no Blog Dezoito em Ponto, por Samira Oliveira. Fotografia, livros, lifestyle, moda, cactos e muito mais!Essa foto são de duas obras que eu amo e que têm resenha aqui no blog (não esquece de clicar nos links pra lê-las, ein?): “The Kiss of Deception” e “The Heart of Betrayal”, ambos da Mary E. Pearson!

Agora, dia 29 chega às livrarias o último livo da série: “The Beauty of Darkness”. E como vocês são uns mozãos lindos, eu tenho um mega presente para vocês leitores do Dezoito em Ponto, uma promoção exclusiva e incrível da DarkSide com a Amazon: você compra 4 livros da Caveirinha e o título mais barato sai de graça! Cê não pode perder essa chance né? Para comprar clique aqui.
E a última fotinha é uma proeza da engenharia (risos) porquê meu querido Funko Pop não estava querendo cooperar de jeito nenhum! Inclusive tem fotos bem interessantes de ele caindo no chão, no sofá, no pote de vidro, foi um auê, mas eu consegui! E para conferir o post das outras participantes do Projeto Fotográfico, clique no nome do blog ;)

No Mundo da Lua ♥ Eu Randômica ♥ Diz Aí, Mariazinha ♥ JubaQueen

Projeto Fotográfico Ângulo Literário no Blog Dezoito em Ponto, por Samira Oliveira. Fotografia, livros, lifestyle, moda, cactos e muito mais!

Alice e Chapeleiro Maluco Photoshoot| Ensaio Fotográfico Kids
Sakuras Photoshoot e DesignTun | Flor de Cerejeira e Arte
Sunflower Photoshoot – Acessórios Lolly In The Sky | Girassol e Frida Kahlo
Em voga

Desculpa, mas não dá pra ser um “Feliz Dia” das Mulheres

08.03.17
Desculpa, mas não dá pra ser um "Feliz Dia" das MulheresEsse é um basta no meu dia, no dia delas e talvez no seu também.

Não será um “Feliz” Dia das Mulheres enquanto você deslegitimar nossa luta com ares de superioridade. Não tem sentido entregar algumas flores no dia 8 de março e continuar os outros 364 dias espancando sua esposa, humilhando sua ajudante doméstica e explorando a trabalhadora da sua empresa. Não adianta desejar um “Feliz Dia” se você não admite a existência de mulheres trans, se você não suporta ver uma mulher lésbica e se te ofende tanto as escolhas de uma outra mulher.

Enquanto os salários não forem justos, não será um “Feliz Dia”; enquanto a moça que passa na rua não puder caminhar em paz, não será um “Feliz Dia”. Enquanto a gente ainda tiver medo de andar na rua; enquanto ainda precisarmos nos manter perto de amigos, irmãos e pais para conseguir o mínimo de respeito, enquanto ainda tivermos que aguentar uma objetificação diária, enquanto ainda houver mulheres que se submetem à maus tratos por medo de denunciar o agressor, enquanto ainda houver um numero altíssimo de mortandade feminina, enquanto mortes sejam facilmente justificadas por “amor”, enquanto tantas outras mulheres ainda sejam consideradas menos, enquanto tudo isso acontecer, não tem como aceitar um “Feliz Dia das Mulheres”

Vejo pelas redes sociais mulheres reclamando que não receberam uma rosa sequer. Mas onde está o reconhecimento nos outros dias do ano? Não adianta implantar um dia que sirva apenas como uma trégua na vida, um dia em que “em tese” a mulher deva ser respeitada, admirada e recebida com beijos e palavras carinhosas. Nada disso fará diferença na vida das mulheres que você ama, se isso for ato exclusivo do dia 08 de março.

Mas se você realmente quer homenagear sua mãe, irmã, esposa, amiga, funcionária, e todas as mulheres do mundo, comece nos ajudando a mudar o pensamento patriarcal e machista que está quase que fundido na nossa sociedade. Sabe aquele amigo que se orgulha em difamar a ex namorada? Sabe aquele outro que incomoda mulheres que andam na rua com roupas “curtas”? Sabe quando você começa um grande discurso reclamando da “desigualdade” do feminismo? Ou quando você chantageia emocionalmente sua namorada, quando diz que sem você ela não será feliz porque ninguém mais vai gostar dela. Ou quando você desrespeita sua professora; quando usa de palavras que remetem à sexualidade para “ofender” uma mulher, quando impõe à mulher que é obrigação dela estar sempre depilada e arrumada (afinal, somos apenas objetos decorativos, não é mesmo?), quando você diz que “o feminismo tá ficando chato ein, as feminazis estão atacando”, quando você discrimina outra mulher por ser negra, trans, gorda ou lésbica, quando você não deixa que sua namorada reclame, quando impede que a voz dela seja ouvida, e tantos outros atos, que você deve achar tão “pequeno” mas que são graozinhos de areia que constroem o muro que nos separa da igualdade, que nos separa da dignidade e da justiça – que aliás, vocês tanto nos desejam nesse dia de hoje.

Sem mais, deixo um pequeno poema meu, pois a melhor forma que encontrei de militar no feminismo foi com as minhas palavras. Espero que goste e reflita ;)

E agora Maria?
E agora que a realidade grita?
E agora que eles se foram?
E agora?
Como fica você?
Como ficarão seus filhos?
E agora? E agora que não tem dinheiro?
E agora que só tem tristeza?
– mas tristeza não alimenta os pequenos
E agora que só tens o pó?
Quem pagará para que você vá se tratar?
Quem te acalentará sendo tal missão possuída apenas por ti?
E agora Maria?
Sua dignidade como fica?
E agora que chorou e que pediu?
Em vão.
E agora Maria? Como voltará?
Suada pelo trabalho e pela corrida.
Em pânico, é mais um dia.
Com dor, já se acostumou
Ferida, humilhada como já foi.
E agora? Que dirá seu marido, Maria?
Como irá dormir com uma puta como você, Maria?
E agora?
Para ondes vai correr? Tem seus filhos para alimentar, para curar.
Suas lágrimas não serão secas por alguém.
E agora?
Vai a delegacia? Pra quê? – Humilhação por humilhação passo em casa.
E agora? Quem vai te proteger amanhã? E depois? Quem vai lutar por você?
Outro dia está nascendo e você nem pra casa foi.
Dorme e finge que amanhã estará tudo bem.
Vai passar – o que eles dizem.
Culpa sua – é o que vão dizer.

Samira Oliveira

Ilustração por: Negahamburguer

Os Tempos Mudaram SIM, entenda o porquê
Os Meus 13 Porquês| Podem acreditar numa garota viva?
Como as bonecas Barbie influenciaram a imagem que eu tenho do meu corpo.
Página 1 de 2
12