Posts da tag "Pessoal"
Pessoal Textos

Da Fuvest até a matricula na USP

05.04.16
Processed with VSCO with n1 preset

Sobre o dia mágico da minha vida. O início de tudo:

Primeira fase da Fuvest: No segundo ano muitas pessoas (quase a sala toda) da minha sala prestaram letras como treineiro porque “é fácil”, mas o resultado foi que apenas um passou. Nesse ponto, comecei a ficar levemente preocupada. Na minha segunda fase eu lembrava desse acontecimento como se fosse eu mesma que tivesse não passado; por esse motivo fui fazer a prova tremendo. Se não me engano a última primeira fase que fiz foi a Fuvest então estava menos neurótica, mas muitíssimo mais nervosa. Comida? Okay, chocolate amargo, paçoquita, halls preto, chá de hibisco…Caneta? Estojo? Camiseta do cursinho para assustar concorrentes? RG? Um pedaço do fígado?… Ok, ok, ok, ok, quase ok. Sento na cadeira e faço minhas meditações, na tentativa -quase- falha de não ficar histérica. No fim deu tudo certo, só tive alguns pesadelos com as provas. Fui muito bem obrigada – a não ser pelas exatas, o que já é de praxe. Prefiro não lembrar exatamente tudo o que senti e muito menos sobre aquela prova “horrorível”

Na segunda fase da Fuvest: Muito bem, passei na segunda fase da Fufu e da Unesp também, ótimo. Novamente a Fufu foi a última prova a ser feita. Comida estava ai, amigas na sala também, banheiro era uma constante para não passar mal, chocolate amargo um tablete por dia e mais chás. Primeira questão da prova especifica (humanas): monte um gráfico… Quase cai da cadeira. Enfim, tudo isso me rendeu uns três meses sem comer chocolate amargo e sem tomar meus chás.

Depois, o pior, a grande espera. A atordoante espera. Todos os dias eu acordava e pensava cada hora de um jeito; haviam duas opções: “Claro que passei, eu estudei muito e passei, já estou lá” e “Eu não passei, sou uma inútil, vou ficar mais um ano no cursinho e tudo por causa daquela maldita questão do avião…” Ah! E também tinha: “Tenho certeza que os corretores vão me passar por dó, vão ver que não sou de exatas mesmo, tudo por causa daquelas questões que eu apenas anotei os dados…”

Lembro que eu ouvia a música “nova”

Pedra Murano, olho de tigre
Moldura brilhante em ouro amarelo
Que isso te proteja, te dê segurança
Em todos os momentos que faltar esperança
Renove sua força, te dê felicidade
Traga um amor, amor de verdade
Espante os inimigos como um dragão
Te proteja como um leão

A qual eu cantava como um mantra, para respirar, para me acalmar, para ter certeza de que eu iria passar, iria ter proteção (meus colares de Nossa Senhora que o digam) e que teria minhas forças renovadas, afinal tudo iria valer a pena.

pass

 

Mas então, finalmente O GRANDE DIA.

Sabia mais ou menos o horário que sairia a lista – no maravilhoso dia 5 de fevereiro. Bem nesse ano a Fufu não liberou dois dias antes como manda a boa tradição. Não sabia se sairia primeiro só a lista ou sairia o desempenho junto (o que você entra para conferir no sistema). Ainda por cima, dois dias antes um veterano fez uma brincadeira muito de mal gosto de dizer que anteciparam a lista e colocar a lista da primeira chamada. Conclusão? A tonta aqui foi conferir, estava quase chorando de emoção quando meu tio viu que tinha algo errado. Mas então, finalmente, depois de tanta espera, eis que me pula uma janelinha no facebook da Jacque (uma das amigas que moro atualmente) me dando os parabéns – as duas já haviam visto a novidade, pois eu só esperava a confirmação para me mudar. Primeiro: só li e já fiquei pensando “ue, que que houve?” atônita, pasma, assutada, porque mesmo que eu tivesse a certeza que iria passar (com cada átomo do meu ser) eu ainda não acreditava. Nem a respondi – desculpa Jacque – é que eu precisava ter certeza, então lá fui eu conferir e…Pimba! Meu nome lindo estava lá. Nunca fiquei tão feliz em ver meu nome em algum lugar. Minhas reações foram de choque até a extrema felicidade (ao menos até minha avó começar a chorar) então como o povo ficou muito triste, a felicidade se resumiu a eu e Bianca (minha priminha pequena) dançando na sala – só porque ela repetia “Eu passei na USP” sem entender que eu estava indo embora.

Processed with VSCO with kk1 preset

 

Do grande dia até o segundo grande dia.

Choro, lágrimas, água dos olhos, mais lágrimas, mais choro, mais nervoso, mais água dos olhos. Esse é o resumo do meu calvário que começou no dia da primeira chamada e terminou no dia da matricula (quase terminou). Claro que eu não estava abandonando minha família, mesmo porquê volto na quinta pois não tenho aula na sexta! Não se trata de liberdade – se liberdade for andar de circular já posso devolvê-la – é uma questão de satisfação pessoal, de lutar e conseguir, de esforço, de realização, de futuro profissional. E tudo que eles não entendiam (ou não queriam entender) é a grandiosidade de estudar nessa faculdade – ou nas federais ou Unesp ou Unicamp – mas eu expliquei, atestei, comprovei e no fim, quando estava a ponto de me jogar na frente de um carro, CONSEGUI!

Esse milagre aconteceu também depois que eu li o livro O Segredo, que em breve farei uma resenha. Ele diz basicamente que devemos pedir ao Universo e pensar positivo que teremos o que desejamos. E isso, era o que eu sempre quis, sempre pensei ansiei e pedi a Deus. Eu sempre fui excessivamente protegida pela minha família – excesso de amor, amo todos vocês – e quem me conhece pessoalmente sabe como seria impossível e inacreditável eu estar aqui. Quanto eu rezei, fiz promessa, acreditei, chorei, negociei… Me renderia um livro apenas sobre estes dias.

Processed with VSCO with s1 preset

 

Sobre a matrícula na Hogwarts brasileira

Deveria levar o histórico do ensino fundamental e do médio  (originais e cópias e para não ter nenhum imprevisto levei todas as cópias autenticadas), certificado de conclusão do ensino médio, foto 3×4, RG, CPF – levei até certidão de Nascimento e comprovante de residência, tudo com suas cópias devidamente autenticadas – Houveram dois dias para a matrícula (dia 11 e 12 de fevereiro), eu como sou do matutino deveria ter ido no primeiro dia (mas não deu e favor pedido para a tia a gente não olha os dentes) então fui no segundo – tremendo pois, em tese era dia do noturno e dos atrasados do matutino; tremendo pois no dia anterior alguns alunos do noturno não puderam se matricular e tiveram de esperar até o outro dia, mas pedi Socorro às pessoas do CAELL (alunos que ajudam-nos nas questões políticas e burocráticas) e me asseguraram que eu só sairia de lá matriculada. Então finalmente fui, imaginem a cena: eu, minha vó, tia, primos pequenos adentrando o santuário das humanas. Minha avó achou estranho os prédios da História e Geografia pichados – ficou levemente horrorizada – mas no fim entramos na fila para o auditório da Geografia. Tiraram fotos nossas – minha vó com a plaquinha: minha filha passou na USP. E todos bem sorridentes (inclusive meus primos, afinal um dia a USP será o santuário deles também). Então entrei no auditório da Geografia, primeiro me colocaram na fileira mais perto da porta para assinar um questionário com informações básicas – imagine que minha mão tremia e a letra ficou horrível e subitamente eu esqueci meu CPF e RG e – graças a Deus – eu entrei com o celular em mãos. Lembrei dos grupos do facebook que eu participava desde antes de efetivamente passar – o conselho era de conversar com o coleguinha do lado, mas os coleguinhas não queriam muito conversar e eu, eu estava muito nervosa até mesmo para piscar – Logo depois de tudo preenchido entreguei a folha à uma das várias pessoas dispostas numa banca e sentei numa fileira de cadeiras mais para frente. Então começou a adorável dança das cadeiras, a primeira fileira ia entregando os documentos e as fileiras seguintes iam passando para a frente. Quando finalmente chegou minha vez uma das moças estava desesperada – era da sociais e só foi descobrir que estava na sala de matrícula errada de pois de quase chorar, e eu também – entreguei então os documentos todos lindos, fiquei com os originais pois haviam as copias autenticadas e colocaram minha foto 3×4 linda junto à todos os documentos e formulários. Então, hasta la vista baby um moço na porta da saída me desejou boa sorte – eu tinha um sorriso de orelha a orelha que tenho certeza deve tê-lo contagiado, mal eu sabia o que iria me esperar – e me entregou uma sacolinha com folders da letras e de toda a USP. Logo que sai do auditório já haviam pessoas fofas para conversar, e então a pergunta – que eu aprendi só depois ser algo muito importante e quase como que sua marca na Letras – qual seria minha habilitação. Hãn? Habilitação? Ainda bem que eu soube disso pelo grupo do face, habilitação são os idiomas que você se forma ou linguística <3 . Como tinha acabado de chegar, respondi o que sempre achei que queria (e talvez ainda queira): francês. Então conversaram comigo sobre os auxílios de permanência e sobre o povo do curso. Então uma veterana linda escreveu um USP enorme na minha testa e deixou meus priminhos me pintarem (resultou em alguns riscos da Bianca e um “passei na usp” meio escrito errado pelo Daniel – mas a gente perdoa porque pichar a Samira não é um negócio fácil). Logo depois: aquele deslumbramento maior ainda, em ver o que hoje sei que é o Aquário (salinhas de xerox, da Atlética, de comida, de descanso) e barracas (da Atlética- o que me encantou pois eu realmente queria muito fazer parte do time da FFLCH, de uma organização cristã – que tiraram fotos muito legais e foram muito atenciosos com a minha família, e de mais gente pintando e conversando) havia também uns grupinhos com um pouco de música e os famosos e normais cartazes espalhados. A recepção cheia e super animada foi no dia anterior (matutino) pois o noturno além de ter mais adulto – portanto talvez mais quieta – ainda foi o dia com menos gente, já que a maioria foi no primeiro mesmo. Logo encontrei minha “mãe” que me adotou, minha veterana atenciosa e linda que me ajudou com todas as dúvidas e sonhos – e me ajuda até hoje – Ela nos mostrou um pouco do campus e da Letras, e comemos todos juntos na cantina – ou melhor dizendo na Itália. Depois nos encontramos na frente do prédio com uma galera do curso, e a Tai resolveu que seria ótimo me pintar mais um pouco e me deixar com glitter até a alma (o que eu adorei) – porém íamos no shopping depois, então imagine uma Samira se lavando no banheiro da história e tentando tirar glitter do coração e do pulmão. No banheiro estava escrito perto do teto “você é linda” sendo que só seria possível de ler olhando-se no espelho. Haviam cadeiras empilhadas na História pois tinha tido uma paralisação (piquete – barrar a passagem para que não haja aula e ninguém saia prejudicado).

Sobre a primeira mudança

Antes de me mudar permanentemente (na primeira semana, a calourada, a semana de recepção) nós fomos visitar o apartamento em questão. O encontrei no grupo do Facebook Repúblicas da USP. Se não me engano, sem fotos, apenas uma descrição da menina que estava saindo. Clicar para falar com ela foi o mais importante clique que já fiz na minha vida. Costumo pensar duas coisas que me regem: nada acontece por acaso, sempre há Deus guiando de algum jeito o seu caminho e as coisas só acontecem porquê devem acontecer e na hora certa, portanto não são perdas, mas livramentos. Eu tinha conversando um ou dois meses antes com umas meninas bem legais que tinha uma casa vaga, cachorros, meninas de cabelo pintado e jardim, bem legal, mas era bem longe em relação ao que estou e no fim elas não esperaram as chamadas e alugaram para outra. Foi sapiência de Deus porquê minha casa de agora é pertíssimo da USP (tanto que vou a pé) e na outra casa eu teria que tomar conduções e me perder nos ônibus e metrôs. Essa casa tem a Monique que me ajudou a me adaptar a São Paulo e a perder (ou ao menos deixar um pouco) a inocência do interior – e ficar mais atenta e esperta com as coisas. Tem a Jacqueline – minha deusa da fofura, companheira de quarto (confesso que me sentia em um acampamento no início) a pessoa que me atura e que me entende. Mas voltando à questão da primeira visita, é engraçado perceber como o cérebro processa os lugares novos; olhando agora no quarto ele era completamente diferente de quando o vi pela primeira vez; agora ele é um lar, ele tem espaço, ele é grande! Antes ele parecia apenas uma imagem nebulosa, um sonho grande de alguém pequeno que sabia que nunca conseguiria. No dia em questão conheci a família das meninas e percebi – tão diferentemente como elas eram – e foi de uma maneira tão profunda que me identifiquei com ambas, mas a que eu pensava que seria mais próxima acabei não sendo, e isso se inverteu absurdamente. Minha avó, meu anjo, meu porto seguro, minha vida, preocupada que estava/está resolveu comprar comidas suficientes para um refugiado de guerra viver com a família e parentes pelo resto da vida. No começo comi comida congelada de janta e almoço no bandejão – as vezes dividia a comida com as meninas pois era muita. Mas atualmente eu almoço “marmitinhas” de comidas que a minha avó traz e eu coloco em um potinho alface e no outro uma carne (geralmente frango) mas essas conversas pormenorizadas ficam para um próximo post.

Espero que tenham gostado, deixem seus comentários que eu irei responder o mais breve possível! Tem alguma pergunta? Pode me mandar que eu farei de tudo para saná-la. Até o próximo post!

Este não é apenas mais um texto motivacional
Animal terrestre e animal de céu
Lembranças do “quartinho do fundão”| Um texto sobre desatulhamento
Pessoal Textos

Eles me convenceram de que eu era inferior

14.03.16
IMG-20150730-WA0008

Hoje é um dia muito especial. Ponto. Especial porque, Samira? Bom, especial simplesmente porque eu descobri a maior falha da minha vida, então, se você me conhece e vai ler isso, vai entender – simplesmente pelo fato de me conhecer – se não me conhece tanto assim, bom, você vai entender também. Quem sabe no fim não perceba que seu maior erro foi o mesmo que o meu e você precisa simplesmente recomeçar? Vou explicar.

Hoje é quase natal, faltam 1 dia e meio para o dia 24 de 2015.

Fui comprar sapatos juntamente com a minha tia, um presente para o meu tio. Os detalhes na verdade pouco importam. Saiba apenas que eu estava esperando o atendente, sentada em um pufe com a minha tia.

Eu estava bem; pensando na minha casa, na comida que eu queria comer no natal, pensando na minha vida e em como eu ia tocá-la dali para frente. Eu olhava para o chão pensando em tudo, quando me passa uma sapatilha da Melissa que eu gostava demais e queria muito tê-la há um tempo. Logo percebi algumas coisas

  1. Eu não gostei mais tanto da sapatilha
  2. Eu já me realizei, pois a minha ilustração aqui no blog a usa na cor vermelha.
  3. Quem falava mal da sapatilha tinha razões, mas também não tinha.

Em meio a essas 3 considerações, o meu inconsciente (ou seria consciente?) pensou: coitada da pobre sapatilha, está detonada e suja, ficaria linda limpa. Mas na verdade eu não pensava realmente em tudo isso, eu pensava em como teria que ficar caçando as uvas passas da comida na ceia de natal, pensava nos metrôs que tomaria em São Paulo, pensava em como que queria um tênis rosa berrante. Porém, a dona da sapatilha, fez questão de parar a minha frente e gritar: Você quer que eu pare para você olhar?

Levantei a cabeça do chão e dos meus pensamentos sobre as uvas passas. A olhei; levantei uma sobrancelha, estava mordendo o lábio inferior então o soltei, a encarei de volta, olhei para os lados em busca da vitima de sua atenção. Era eu.

 

Em minha cabeça eu pensei, desordenadamente:

  1. É para mim isso?
  2. Verdade eu cheguei a te olhar, mas não foi por mal, eu queria uma sapatilha dessas há um tempo e achei que você deveria cuidar melhor dela.
  3. Odeio também quando as pessoas me “medem”, mas eu não estava te medindo, estava pensando nas malditas uvas passas.
  4. Desculpe-me, sou inútil.
  5. Desculpar-me do que?
  6. Porque ela me olha assim? Por que ela se acha superior a mim? Por que eu seria superior a ela?
  7. Vasculhando na memória meios de se matar alguém com o olhar.

 

Mas na verdade meus olhos lacrimejaram. Eu estava sensível com tudo, mal percebi que sempre fui assim. Seu olhar era um misto de raiva, ódio, e jogação de culpa em mim, como se eu tivesse culpa por ela ter a vida que tem, dela ter sei lá, estudado menos que eu ou visto mesmo que eu, sendo que ela queria apenas comprar um sapato em paz.

Mas na verdade eu não a impedi de comprar o sapato, ela não deveria ter falado comigo daquela forma, eu mereço respeito assim como ela, por isso eu olhava para o chão e pensava na minha vida, por isso meu consciente não a julgou, por isso eu queria que ela tivesse classe e não gritasse comigo.

O mais incrível foi a dor que senti ao ver aquele olhar. Por um momento eu era culpada por toda a sua vida, eu, uma mera estranha, fui a razão de todos os seus males. Por um momento – eu entenderia isso apenas tempos depois – ela me controlou, eu deixei que ela me controlasse.

 

Começando do fim.

Tive uma amizade que não começou bem, tinha tudo para dar errado, não deveria nunca ter acontecido. Ela me viu, ela roubou tudo o pouco que eu tinha. Ela me destruiu. Eu a destruí de volta. Eu nunca me perdoei. Ela eu não sei. Até hoje. Essa amizade tempos depois se mostrou algo verdadeiro, ela mudou, eu também, crescemos e amadurecemos. Porem, sempre, aquele sentimentozinho no fundo me dizia: você é a culpada por tudo de ruim que ocorre a ela, você fez tudo errado com ela desde o início. É sua responsabilidade ficar ao seu lado. Aquilo foi me consumindo, aquilo me dizia que eu deveria ir contra meus princípios para ajudá-la. Aquilo me dizia no fundo que ela era superior e eu não era digna da sua amizade e nem de nada. Aquilo me forçava a dar o controle a ela, e eu o dei sem nenhuma cerimônia.

Aquilo no fim se mostrou fraco, uma amizade pobre. Mostrou-se passível de traição, se mostrou sem nexo e sem brilho, apenas uma leve simpatia. Mas eu havia apostado tanto! Eu queria apenas me redimir de algo que eu nunca fui culpada.

Tive outra amizade. Descobri no fim que foi montada na inveja, que por isso eu precisava ficar por baixo, novamente. Descobri que eu também tinha culpa mesmo que ela estivesse sempre bem. Afinal, a culpa era minha por ela me odiar. Era minha culpa quando ela acordou e resolveu que me odiava. Eram minha culpa os olhares de diminuição que ela me lançava, de ódio, de dó, de desprezo. Que me causava enjoo, mágoa, dor muito mais que tudo. Essa amizade me consumiu por inteira, eu sonhava com ela, eu vivia para ela, eu tentava tomar o controle da situação, mas eu sabia apenas assistir a tudo impotente. Eu a via me diminuir para o outros. Eu a vi ela me tratar mal, gritar, xingar, me agredir. Eu assistia como se merecesse.

Tive colegas que se uniam para juntarem forças e concentrarem em alguém. Focar em alguém fraco –que permitisse – que fosse atingido, que fingisse não ligar, mas que sofresse, que sofresse tanto por todos eles. Um alguém para enviar suas dores em forma de humilhações, alguém para sofrer a dor que eles não tinham coragem de suportar. E eu, nunca coragem de me levantar, de dizer que eu não merecia carregar a dor te tudo. Não! Eu não merecia ser o depósito da dor, ser o alento errado, ser o desafogamento ruim. Eu não merecia nada disso, eu sou tão humana, ruim e boa como eles. Eles não eram melhores que eu para poderem ter esse privilegio.

E momento algum eu cheguei a pensar em ordenar que ela parasse. Eu pedia, eu implorava, meus olhos mais uma vez choravam, ela não tinha piedade nenhuma e eu não tinha força. Tudo o que eu sempre fiz foi deixar que os outros me dominassem, deixar que me dissessem que eu sou menor, que eu sou menos, que eu não sou digna.

Eu entendi só agora que eu permiti que essas pessoas tivessem controle sobre mim, eu percebo só agora o porquê seus olhares me magoavam tanto. Eu achava que eu era ruim e ela era boa. Ela me controlava porque eu deixei, porque eu assimilei que eu era inferior. Eu sempre tive medo deles, eu sempre errei, sempre tive medo de encarar os outros, de fazer com que me respeitassem porque eu achava que eu não merecia. Achava que eu merecia sofrer, no fundo eu acho isso. O ser humano nasce mal. Eu queria apenas a redenção, queria me redimir de tudo, dando esse controle sobre mim para alguém que eu sabia, iria me ferir. Eu me humilhei, deixei que me humilhassem, deixei assistindo impassivelmente, deixei porque eu achava que merecia.

Eu deixei que eles me fizessem acreditar que eu merecia tudo e que eles eram vitimas. Sempre os colocava em primeiro plano, sempre o problema deles, a família deles, as dores deles. Eles precisavam de alguém para caçoar? Isso iria aliviar a dor? Poderiam caçoar de mim. Precisavam de alguém par humilhar? Isso aplacaria o fogo que sentiam? Poderiam humilhar a mim. Eu deixei que eles me fizessem acreditar que eu merecia tudo, e que eles mereciam a paz.

Deixei pessoas erradas manipularem meus pensamentos. Justo eu que os achava tão elevados e tão sábios, justo eu que pensava deter um grande saber. Se você sente no fundo, que deixa alguém te controlar. Se sente que as pessoas que te fazem mal tem todo o controle da situação. Que se sente de mãos atadas, inútil, inferior, menos que outra pessoa. Saiba, você deu o controle a ela. Por algum motivo você deixou que ela te controlasse. Você permitiu tudo, seja para aliviar a sua dor de existir, seja para aplacar a dor dos outros – que também é sua dor de existir porque você sente a dor do outro – seja porque você é egoísta e acha que sempre a culpa de tudo é sua não dos outros, sempre a mártir, sempre sofrendo, sempre padecendo suas e outras dores. Se você recebe desprezo quando oferta amor. Se você sofre e sonha com quem te quer longe. Se você pensa ser o erro. Se acha que está fazendo tudo errado com a pessoa. Se você apenas quer sumir ao sentir o olhar dela no seu. Saiba: você deu o controle para ela.

Você precisa saber que o controle é seu. Precisa saber que, se finalmente eu ou Deus revelamos o maior erro da sua vida, está na hora de agir. Você precisa perdoar essas pessoas, mas perdoar a si mesmo. Precisa perceber que sofrendo a dor dos outros você não se cura e tampouco a eles. Precisa entender que ninguém é melhor que você e você não é mais que o outro. Que ninguém tem o direto de te humilhar, te diminuir, te fazer inferior. Esse controle, essa vida, são seus, quem deve controlar, escolher, selecionar o que fica e o que não, é você. Tire o controle dos outros, você sempre errou, sempre aturou mais que deveria. Está na hora de aliviar a carga. Está na hora de esclarecer que quem manda é você. Está na hora de explicar que você merece mais, merece amor que não é da pessoa. Você merece respeito e consideração assim como ela. Está na hora de entender que não há uma conspiração de todos a seu desfavor. Não existe este “coitadismo”, há apenas a liberdade que você dá ao outro de interferir na sua vida, de sugar como parasita o que você é, de te fazer esquecer quem você é e o que realmente acredita. Está na hora de saber que você tem o controle de tudo e o deu a todas as pessoas erradas apenas para se livrar da dor. Retome as rédeas, puxe-as, recomece o trote, está na hora da cavalgada ser apenas sua.

Eu demorei todos estes anos para chegar a essa conclusão, tudo porque uma menina de sapatos de plástico me fez pensar que eu era inferior a ela, alguém que eu nunca tinha visto na vida. Então estranha, se você está lendo isso eu gostaria de agradecer pelo dia em que cruzou meu caminho – nada acontece por acaso – então muito obrigada, você me fez ver o maior erro da minha vida, e, finalmente, ter ao menos a chance de consertá-lo.

Este não é apenas mais um texto motivacional
Animal terrestre e animal de céu
Lembranças do “quartinho do fundão”| Um texto sobre desatulhamento
Pessoal Textos

O valor da mudança

29.02.16
Surreal Photography Inspiration

Surreal Photography Inspiration/Rebeca Carpintero

Precisei me mudar para sentir a chuva, precisei me mudar para que minhas unhas crescessem, precisei me mudar para amadurecer e entender lá no fundo do ser quem eu realmente sou, precisei me mudar para reacreditar em mim e na minha força, também precisei para poder perder medos – tantos – de altura, de borboleta, de pessoas, de viver! Precisei mudar para acessar alguém em mim que eu desconfiava da existência, mas nunca havia comprovado.

Quero dizer que, há um bom tempo, quando tentei ler minha mão com instruções da internet eu gostei de uma coisa: o tal polegar flexível.

Isso significava, segundo minha fonte, que eu era/sou uma pessoa aberta a mudanças. A questão é: eu nunca havia realmente me mudado – seja de casa, de amigos, de carro ou de qualquer outra coisa – pois então como testar tal fato? Seria ele uma mentira? Na verdade eu tinha uma grande intuição; a de que o manual não estava de todo errado, sentia-me adaptar –muito bem obrigada – conforme as coisas iam chegando.

Chegou uma época em que mudei levemente de amigos, mudei a maneira de pensar sobre determinados assuntos, mudei minha forma de ver e de ser vista pelo mundo. E toda essa mudança me fez muito bem. Faltava em fim, à mudança de fato. Que não tardou muito a ocorrer. A questão principal diz respeito a o que eu posso tirar disso tudo para o meu engrandecimento pessoal.

Um professor uma vez comentou que o poeta precisa viver; amadurecer – talvez até levar um pé na bunda ou passar por momentos de tristeza – precisa respirar ares novos e aprender sobre o que vive, precisa viver para aprender sobre o que vê; e precisa disso tudo para se formar como poeta, para ter aquela sensibilidade perante a tudo, que só se adquire depois de viver – não pelo tempo dos homens, mas por experiências – por essa razão a mudança me fez reformar-me.


A mudança me fez ficar, a tal ponto de que, quando estou em São Paulo, quero por aqui ficar. Quando volto para Piracicaba junto de minha família, de lá não quero retornar. A mudança me fez resgatar o sentimento de agradecimento, de amor e de profundo afeto e amor pela família; coisas que talvez nunca mais acontecessem nessa magnitude se eu estivesse entregue apenas ao dia a dia. A rotina é linda, mas por vezes enfraquece o coração e endurece o olhar. Pela rotina de anos a fio não vemos mais os tijolos à vista das casas antigas, nem o céu pintado de rosa e laranja ao crepúsculo. A rotina venda os olhos para o que nosso coração deseja ver; assim, não podemos mais ver com os olhos livres as pessoas que amamos, e por ventura, nos esquecemos de que elas não fazem hora extra e precisamos aproveitar o tempo – sempre.

A mudança me fez retornar, me fez voltar, me fez viver e ansiar por acordar e por seguir.

Agora sinto a chuva, minhas unhas crescem, ando em meio aos tantos bichos do campus. Agora, eu agradeço a todo instante, pois eu acreditei. Eu sei o que fazer, sei não me perder, sei finalmente como viver.

Este não é apenas mais um texto motivacional
Animal terrestre e animal de céu
Lembranças do “quartinho do fundão”| Um texto sobre desatulhamento
Página 5 de 5
12345