Pessoal Textos

Quando o adeus é o melhor do “Era uma vez”

29.08.16
QUANDO O ADEUS É O MELHOR DO -ERA UMA VEZ texto autora escritora Samira Oliveira

Hoje o dia todo percebi que não te disse coisas que eu deveria ter dito. Não disse. Bom, talvez tenha dito – usando outras palavras, ou talvez falando entre os dentes, mas disse. Simplesmente porquê, você sabe, eu não consigo não falar o que sinto, não me manifestar. Não posso ficar com a palavra entalada na garganta. E é por isso, e pelo bem de nós dois que eu preciso finalmente me despedir.

Finalmente eu não estou chorando – o que é um milagre, visto que desde que você chegou e me ensinou a chorar eu não parei mais – derramando águas por todas as minhas forte emoções, seja de uma batida no dedinho do pé até o casamento dos meus professores. Não estou chorando, porquê demorei muito para chegar a este consenso entre os meus sentimentos mistos por você – hey, não se assuste, não é o que está pensando.

Hoje mesmo um amigo me disse que temos que fazer com que o infinito caiba no tempo limitado que você tem ao lado de quem ama. Porque se Deus te permitiu que encontrasse aquela pessoa e que você ficasse com ela por aquele determinado período de tempo, poxa, você é um homem de sorte. Se conseguiu encontrar o amor – entre tantas pessoas – e passar um tempo ao lado dele é porque esse tempo deve – Precisa – ser, valorizado. Precisa fazer caber todo um infinito de amor e de sentimentos naquele pequeno tempo limitado. Precisa fazer com que todos o filmes assistidos agarradinhos no sofá – com os pés frios enrolados nas pernas do outro – valham a pena. Tem que fazer com que aquele giro inesperado no meio de alguma loja do Shopping – com um monte de gente olhando feio ou rindo – valha a pena. Fazer com que todo o tempo que gastaram decorando o nome de cada parente distante, guardando a localização exata de cada pintinha no braço do outro, de cada caracol do cabelo, de cada marca de perfume que outro usa – tenha valido a pena. Temos que fazer isso tudo valer a pena. Afinal, essa deveria ser a maior lei de todo relacionamento: vamos fazer valer. Se não for para fazer valer então nem comecem; se não for para chorar sem motivo à noite – imaginando como seria sua vida se Deus o pedisse de volta – então não fique. Se não for para me escrever cartinhas dizendo o quanto você mudou e agora até canta no chuveiro porquê eu trouxe luz à sua vida – então não fique. Se não for para parar a sua vida, e adiar o seu mundo – então…não fique…Não! Não adie o seu mundo por mim! É por esse meu pensamento egoísta que eu tenho medo de nós dois. Tenho medo porquê minhas asas são enormes e as suas são para voar rente ao chão. Tenho medo porque você é fiel com cada célula do seu corpo – e eu não tenho a mesma certeza sobre mim. Você quer a segurança – eu quero o pulo de asa delta. Você quer morar numa mansão – eu quero nós dois fazendo brigadeiro e jogando bola pros nossos cachorros numa casinha de madeira. Você quer o mundo – eu só quero você. Eu sou do mundo, eu tenho mundo – mas eu não tenho você. Eu quero me entregar – você tem medo. Eu te conto até sobre as minhas dúvidas existências, eu abro meu coração, eu desnivelo o que sou, desenrolo meus pensamento, abro e estendo a você cada milímetro da minha essência – porque cada ato meu é um resumo de tudo que eu já passei e vivi – mas você se fecha e não me deixa sequer bater. E nesse jogo todo você não me deixa atingir a sua essência. Você não me mostra o que você é.

Por essa razão eu digo: chega. Sabe quando a Linha Azul se encontra com a Verde nas Estações Ana Rosa e Paraíso? Foi aquele momento – aquele importante momento – em que elas se encontraram. Por isso, se me foi permitido que eu te encontrasse nessa momento, e que nossas linhas se cruzassem. Se nos foi permitido termos um ao outro até esse momento. Não podemos ter medo de dizer adeus. Talvez nossas linhas tenham outros pontos para cumprir, tenham outras vidas para transformar. Talvez, bem talvez você consiga dormir à noite pensando em outra – agarrado à foto de outra. E talvez, bem talvez, algum outro alguém consiga curar meus medos como você curou – e que você rasgará novamente se se for. Talvez alguém me ensine novamente como é ser forte, como é ser bela, como é me sentir linda. Talvez um outro alguém seque minhas lágrimas exatamente como você fez. Talvez outro alguém me abrace forte enquanto eu conto sobre o meu avô sob um céu estrelado. E talvez você finalmente encontre as palavras necessárias para escrever uma música para outra – palavras que você nunca encontrou para mim. Talvez um dia ela também te dê forças para continuar a sonhar – até mais do que eu. Talvez ela entenda o sorriso da sua mãe – mais do que eu. E seja até mais agradável para com o seu irmão. Talvez com ela seus pais digam como gostariam de tê-la em sua família – e ai eu sei , você vai sorrir (dar aquele sorriso que eu tanto amava) e dizer que esse dia está próximo, o dia que vocês serão uma só família. E eu? Eu serei apenas a linha que prosseguiu. Alguém que precisou partir porquê não foi forte o suficiente, porque não lutou o suficiente. Ou apenas porquê foi forte de mais – verdadeiro de mais. E as nossas linhas se encontraram exatamente naquele tempona intensidade daquele momentoque foram o bastante para transformarem a vida dos dois. Talvez, bem talvez um dia eu aprenda que eu também queria morar numa casa grande – e você também gostaria de móveis em madeira. Talvez a gente perceba que as nossas linhas eram para terem continuado – que apenas não seguiram juntas por causa de uma pedra no meio dos trilhos. Então quem sabe, suas asas terão crescido e você terá voltado para aquela cidade. E eu? Bom, você sabe onde eu moro! Afinal fui eu quem quis assim não é mesmo? E os caminhos que tanto deveriam ter se separado – terão finalmente encontrado o caminho de volta.

Precisamos apenas fazer com que o seu caminho e o meu se encontrem eté o fim do trilho Que não sejam talvez o mesmo –mas que sejam parecidos. Que os nossos caminhos possam – quem sabe um dia – se tornar o mesmo. Assim como os meus pensamentos – que se emarranham tanto que eu não sei mais onde começam os sentimentos sobre mim e os sentimentos sobre você . Como eu poderia algum dia sequer tentar separá-los sem arrancar metade da essência do que eu sou? Sem portanto, finalmente alegar um grande arrependimento? – justo eu que julgo que cada ação é um resumo do que sou! Precisamos fazer com que nunca nossas linhas sejam tão diferentes uma das outras para que seja necessário partir. Precisamos – da janelinha do trem – gritar com todo os ar dos nossos pulmões: Adeus! Adeus para que possamos recomeçar. Adeus para que não tenhamos medo do fim – do desconhecido. Para que possamos continuar seja em outra vida, seja em outro trem. Adeus para que sempre nos lembremos de que nossas linhas podem se reencontrar – seja nessa vida, seja em outra. Adeus porquê eu sei exatamente, que meus olhos só vão brilhar quando for você quem me levantar no colo. Adeus pois apenas eu sei o jeito exato de mexer nos seus cabelos – sei exatamente como te fazer se sentir único. Adeus pois o nosso fim chegará apenas quando Deus quiser. Adeus pois quero sempre recomeçar com você. Adeus porque eu não aguento mais chorar – eu não quero você longe mas eu quero que siga o seu caminho. Adeus pois a gente vai se reencontrar.

Amigo, ainda me sobraram dedos para te contar.
Mirando-se no espelho.
18 coisas que você precisa saber antes de Morar Sozinho

:D :-) :( :o 8O :? 8) :lol: :x :P :oops: :cry: :evil: :twisted: :roll: :wink: :!: :?: :idea: :arrow: :| :mrgreen:
  • Ana Carolina Lopes Em 29 . 08 . 2016

    Oi Samira! Já disse o quanto amo seu estilo de escrita?
    Pois bem, eu adorei o texto e me identifiquei ainda mais com a sua narrativa. O tema proposto é bem delicado e a maneira singela com que você o tratou me conquistou <3

    Parabéns pelo blog e pelo texto :)
    Beijos
    As Crônicas de um Livro Viajante

  • Clayci Em 29 . 08 . 2016

    como é possível uma pessoa conseguir passar tanta emoção em um texto gente? amei amei e amei ..
    preciso ler o arquivo que vc me mandou logo <3

  • Samira Em 29 . 08 . 2016

    Minha diva predileta! Que amor de comentário <3

  • Júnia Queiroz Em 29 . 08 . 2016

    Que texto lindo,tão cheio de sentimentos,adorei seu jeito de escrever,aaah e seu blog é lindo.Parabéns!

    http://juniaqueiroz.blogspot.com.br/

  • Samira Em 29 . 08 . 2016

    Obrigada mozão! Volte sempre ♥

  • Mafê Em 29 . 08 . 2016

    Quanto envolvimento nessa narrativa.
    E eu odeio despedidas. Principalmente as lindas.

    Beijo meu,
    Mafê

  • Samira Em 29 . 08 . 2016

    Obrigada Mafê, despedidas sempre são péssimas. Ainda bem que este texto não termina assim :)